Gato que teve quatro patas congeladas ganha próteses de titânio

Próteses de titânio impressas em 3D ajudaram um gato, que teve suas patas congeladas, a se levantar.

Créditos: Kirill Kukhmar / TASS / Getty Images.

Por Mindy Weisberger
Publicado na Live Science

Uma gata na Rússia que perdeu as quatro patas por causa do frio extremo pode andar, correr e até subir escadas, graças aos veterinários que substituíram seus membros perdidos por próteses impressas em 3D feitas de titânio.

O felino de cor cinza, chamado Dymka (“Névoa” em russo), tem cerca de 4 anos de idade. Um motorista que a encontrou em dezembro de 2018 na neve em Novokuznetsk, na Sibéria, e a levou a uma clínica em Novosibirsk, de acordo com o site de notícias russo Komsomolskaya Pravda.

Dymka estava com queimaduras nas patas, orelhas e cauda – tanto que o veterinário Sergei Gorshkov teve que amputar as extremidades danificadas, informou o The Moscow Times.

Durante os duros invernos da Sibéria, os veterinários da clínica de Novosibirsk normalmente tratam, pelo menos, cinco a sete gatos devido ao congelamento nas patas, orelhas e nariz, disse Gorshkov ao The Moscow Times. A queimadura por gelo se desenvolve quando as temperaturas frias congelam a pele e os tecidos, principalmente nas extremidades. Em casos graves, o tecido morre e, portanto, exige amputação.

Gorshkov e seus colegas da clínica colaboraram com pesquisadores da Universidade Politécnica de Tomsk (TPU) em Tomsk, na Rússia, para a criação de um conjunto de próteses para Dymka. Os cientistas desenvolveram e aplicaram um revestimento feito de fosfato de cálcio para ajudar na construção dos implantes de titânio que foram inseridos e fundidos nos ossos da perna para minimizar o risco de infecção e rejeição dos implantes, disseram representantes da TPU em comunicado.

Os pesquisadores utilizaram tomografias computadorizadas (raios-X) das pernas de Dymka para modelar e, em seguida, imprimir em 3D as próteses de titânio. Dymka recebeu seus implantes protéticos em julho de 2019 – primeiro nas pernas dianteiras e depois nas traseiras, informou Novosibirsk News. Em um vídeo compartilhado no YouTube pela clínica veterinária em 10 de dezembro de 2019 – sete meses depois que as novas patas de Dymka foram implantadas – ela estava desfrutando de suas novas próteses, andando pela sala de exames e brincando com uma franja de um cobertor.

Um olhar mais atento mostra onde as próteses de titânio se unem às suas pernas, terminando em “patas” feitas de material preto flexível com fundo texturizado.

Atualmente, Dymka é o segundo gato do mundo a receber quatro próteses metálicas. Em 2016, a clínica de Novosibirsk realizou um procedimento semelhante, montando implantes de titânio em um gato macho chamado Ryzhik (“Vermelho” em russo), que também exigia uma amputação quádrupla de suas patas congeladas, de acordo com o The Moscow Times.