Outra estratégia de vacina contra o HIV falha em estudo em larga escala

Créditos: Gallo Images / The Times / Jackie Clausen / Getty Images.

Por Jon Cohen
Publicado na Science

A busca por uma vacina que possa parar o vírus da AIDS trouxe mais uma derrota frustrante. A vacina contra o HIV, que avançou em testes com seres humanos, não funciona e o estudo de US$104 milhões na África do Sul, que avaliou a doença, foi interrompido mais cedo. “Não há absolutamente nenhuma evidência de eficácia”, diz Glenda Gray, que lidera o estudo e é presidente do Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul (MRC). “Muitos anos de trabalho foram dedicados a isso. É uma grande decepção”.

O estudo de eficácia, iniciado em outubro de 2016, é conhecido como HVTN 702. Ele registrou 5407 homens e mulheres sexualmente ativos e não infectados pelo HIV entre 18 e 35 anos de idade em 14 locais em todo o país. Os pesquisadores designaram aleatoriamente metade dos participantes para receber um par de vacinas contra o HIV de maneira simultânea em um chamado reforço primário, enquanto a outra metade recebeu doses de placebo. O experimento deveria durar até julho de 2022. Mas, em 23 de janeiro, um comitê de monitoramento independente, que analisa os dados para avaliar a segurança e a eficácia, informou Gray e os outros líderes do estudo que era “inútil” continuar. Houveram 129 infecções no grupo vacinado e 123 no grupo placebo. “Fiquei catatônico”, diz Gray.

Não existem evidências de que a vacina tenha causado danos, como ocorreu em outro grande estudo sobre vacinas contra o HIV, que foi interrompido abruptamente em 2007. Susan Buchbinder, epidemiologista da Universidade da Califórnia, em São Francisco, que coordenou o estudo anterior, parabenizou colegas na África do Sul por conduzirem um estudo cientificamente rigoroso e complexo. “O julgamento foi incrivelmente bem-sucedido e obtivemos uma resposta definitiva, e é disso do que se trata a ciência”, diz Buchbinder, que é a autora de um estudo multiregional Mosaico, que agora é o mais avançado estudo de vacina em larga escala contra o HIV em andamento.

No experimento interrompido, financiado pelo MRC, pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (NIAID) e pela Fundação Bill & Melinda Gates, o “primo” era um vírus da varíola dos canários inofensivo que carrega genes para a proteína da superfície do HIV e duas de suas outras proteínas estruturais. A substância continha uma versão recombinante da proteína da superfície misturada com um reforço do sistema imunológico, ou adjuvante, chamado MF59.

Muitos estudiosos do HIV duvidaram que o estudo na África do Sul fosse bem-sucedido porque as vacinas utilizadas no esquema de reforço primário produziram apenas resultados pouco claros em um estudo de eficácia na Tailândia. Nesse estudo, encerrado em 2009, as infecções por HIV totalizaram 51 no grupo vacinado e 74 no grupo placebo – uma eficácia de 31%. A comunidade científica concordou amplamente que esse não era um nível de proteção alto o suficiente para levar a vacina ao mercado, mas os pesquisadores estavam divididos entre tentar desenvolvê-la ou abandoná-la.

Gray diz que, dada a gravidade da epidemia na África do Sul – é o lar de 7,7 milhões das 37,9 milhões de pessoas infectadas pelo HIV no mundo – ela e seus colegas, que melhoraram levemente as vacinas utilizadas na Tailândia, acreditavam que o novo estudo valia a pena. “A epidemia está fora de controle aqui e precisamos tomar medidas para ter uma intervenção biomédica”, diz Gray. O diretor do NIAID, Anthony Fauci, diz que não se arrepende de apoiar o estudo. “Não acho que tenha sido uma má escolha. Foi a única escolha”.

Até hoje, ninguém sabe quais respostas imunes podem impedir uma infecção pelo HIV – os chamados correlatos de imunidade -, mas muitos pesquisadores se concentraram em criar uma vacina que pode desencadear anticorpos capazes de “neutralizar” a capacidade do vírus de infectar células em estudos laboratoriais. As vacinas experimentais tailandesas desencadearam a produção de anticorpos que se ligavam ao HIV, mas não neutralizavam, observa Fauci, aumentando a possibilidade de que isso fosse bom o suficiente para oferecer alguma proteção. “Estávamos lutando por muitos anos e, por isso, buscamos o menor efeito positivo, um potencial correlato de imunidade, e parecia interessante”, diz ele. “Dada a seriedade da epidemia, se isso era tudo o que tínhamos e as vacinas que estimulam os anticorpos neutralizantes iriam demorar mais alguns anos, você iria fazer alguma coisa ou não?”

Fauci observa que o estudo tailandês envolveu pessoas com risco relativamente baixo de infecção – a taxa de novas infecções era de cerca de 0,3% ao ano – o que significa que o impulso primário pode funcionar se a imunidade criada não enfrentar desafios repetidos. No estudo da África do Sul, a taxa de novas infecções por ano foi de cerca de 4% em mulheres e 1% em homens. “Pode ser que a proteção esteja completamente sobrecarregada”, diz Fauci.

Mitchell Warren, que dirige o AVAC, um grupo sem fins lucrativos de defesa do HIV, diz que esse último fracasso não desacelerará o campo da vacina. “Existem outros produtos em experimentos de eficácia e há um pipeline um pouco maior nos experimentos da fase I do que há muito tempo”, diz Warren, que estava no conselho de monitoramento que recomendou interromper o estudo na África do Sul.

O candidato a vacina que está sendo testado no estudo Mosaico agora é o principal candidato. Feito pela Janssen Vaccines, seu esquema de reforço primário começa com uma preparação que contém um “mosaico” de genes do HIV de diferentes subtipos do vírus que os pesquisadores costuraram em um adenovírus inofensivo. Em testes anteriores, essa vacina também não desencadeou anticorpos neutralizantes, mas produziu altos níveis de anticorpos de ligação e outras respostas imunes. Uma injeção de reforço consiste em uma versão em mosaico da proteína de superfície do HIV misturada com um adjuvante de alúmen.

Essa mistura de reforço primário teve um bom desempenho em estudos com macacos, que foram vacinados e “desafiados” com uma forma símia do HIV. No experimento Mosaico, transexuais e homossexuais na América do Norte e Europa também receberão. A vacina também está sendo testada em um estudo semelhante menor (Imbokodo) com mulheres na África subsaariana. Os resultados do experimento Imboko são esperados para o próximo ano e o Mosaico para 2023.