Genética pode explicar até 25% do comportamento sexual entre pessoas do mesmo sexo, revela análise

Um novo estudo sugere que muitos genes, cada um com pequenos efeitos, podem desempenhar um papel no comportamento sexual do mesmo sexo. Créditos: Malte Mueller / Getty Images.

Por Jocelyn Kaiser
Publicado na Science

Pessoas que tiveram parceiros do mesmo sexo são mais propensas a ter um ou mais de certos marcadores de DNA, de acordo com a maior pesquisa já realizada com genes ligados à orientação sexual. Mesmo com todos os marcadores juntos, no entanto, não é possível prever se uma pessoa é homossexual, bissexual ou heterossexual. Em vez disso, centenas ou milhares de genes, cada um com pequenos efeitos, aparentemente influenciam o comportamento sexual.

O artigo, publicado na Science, baseia-se nos resultados apresentados pela mesma equipe em uma reunião de 2018. O estudo publicado enfatiza que os marcadores genéticos não podem ser utilizados para prever o comportamento sexual.

Ainda assim, o trabalho está sendo aclamado como a evidência mais sólida até o momento, ligando marcadores genéticos específicos ao comportamento sexual do mesmo sexo. “Pela primeira vez, podemos dizer, sem dúvida, que alguns genes influenciam a propensão a ter parceiros do mesmo sexo”, diz o psicólogo Michael Bailey, da Universidade Northwestern, em Evanston, Illinois, que não participou do estudo. Os resultados vêm com advertências, no entanto, ele e outros dizem.

Estudos com famílias e gêmeos têm sugerido ao longo tempo que o comportamento entre pessoas do mesmo sexo tem um componente genético. A partir dos anos 90, os cientistas relataram evidências experimentais de ligações genéticas à orientação sexual. Nos últimos anos, grandes conjuntos de dados com DNA de centenas de milhares de pessoas tornaram possíveis estudos muito mais poderosos.

Para explorar a genética por trás do comportamento sexual, uma equipe internacional coliderada pelo geneticista Benjamin Neale do Broad Institute em Cambridge, Massachusetts, utilizou o UK Biobank, um estudo de saúde de longo prazo com 500.000 pessoas britânicas. A equipe trabalhou com cientistas do comportamento e também consultou grupos de defesa de lésbicas, homossexuais, bissexuais, transgêneros e queer (LGBTQ).

A equipe de Neale examinou marcadores de DNA e dados de pesquisas de comportamento sexual preenchidas por quase 409.000 participantes do Biobank do Reino Unido e cerca de 69.000 clientes do 23andMe, o serviço de testes ao consumidor; todos eram de ascendência europeia. A pesquisa britânica do Biobank perguntou: “Você já teve relações sexuais com alguém do mesmo sexo?”; a pesquisa 23andMe apresentou uma pergunta semelhante. A equipe encontrou cinco marcadores genéticos significativamente associados à resposta sim a essas perguntas. Dois marcadores foram compartilhados por homens e mulheres, dois eram específicos para homens e um foi encontrado apenas em mulheres.

Uma das variantes genéticas estava próxima dos genes associados à calvície masculina, sugerindo um vínculo com hormônios sexuais, como a testosterona, e outra estava em uma área rica em genes olfativos, que foram ligados à atração sexual. Quando os pesquisadores combinaram todas as variantes que mediram em todo o genoma, eles estimaram que a genética pode explicar entre 8% e 25% do comportamento não-heterossexual. O resto, dizem eles, é explicado por influências ambientais, que podem variar de exposição a hormônios no útero a influências sociais mais tarde na vida.

Mas os cinco marcadores de DNA encontrados explicaram menos de 1% desse comportamento, assim como outra análise que incluiu mais marcadores com efeitos menores. Assim como outras características comportamentais, como a personalidade, não existe um “gene gay” isolado, diz Andrea Ganna, membro da equipe Broad. Em vez disso, o comportamento sexual do mesmo sexo parece ser influenciado por talvez centenas ou milhares de genes, cada um com pequenos efeitos.

Como os pesquisadores relataram no ano passado, eles também descobriram que as pessoas com esses marcadores estavam mais abertas a novas experiências, mais propensas a utilizar marijuana e com maior risco de doenças mentais, como a depressão. As pessoas LGBTQ podem ser mais suscetíveis a doenças mentais por causa das pressões sociais, observam os pesquisadores.

Outros pesquisadores alertam que as descobertas são limitadas pelo fato de uma pessoa que teve uma única experiência do mesmo sexo ser considerada não-heterossexual. Ter apenas um desses encontros, por exemplo, pode refletir uma abertura a novas experiências, em vez de orientação sexual, diz Dean Hamer, geneticista aposentado do National Institutes of Health em Bethesda, Maryland. “Essas são descobertas fascinantes, mas não é realmente um estudo sobre genes homossexuais”, diz Hamer, que em 1993 relatou ter encontrado uma área no cromossomo X que era mais comum em homens homossexuais; essa região não foi encontrada no novo estudo. “Agora, estou muito menos empolgado com a possibilidade de obter boas pistas biológicas” para a orientação sexual, diz ele.

Bailey gostaria que o Biobank do Reino Unido tivesse perguntado aos sujeitos por qual sexo eles se sentiam mais atraídos, não apenas pelo comportamento (como o 23andMe fez). “Eles não tinham uma medida particularmente boa de orientação sexual”, concorda o biólogo evolucionista William Rice, da Universidade da Califórnia em Santa Barbara, que observa que essa pergunta também capturaria pessoas homossexuais ou bissexuais que não agiram de acordo com suas atrações. Ainda assim, ele está feliz em ver o estudo recebendo atenção. “Uma grande parte da população” não é exclusivamente heterossexual, ele observa, e “eles querem entender quem são e por que se sentem assim”.

CONTINUAR LENDO