Há efeito placebo em animais?

2
4654
Créditos da Imagem: Revista Leal Moreira.

Por David Ramey
Publicado na Science-Based Medicine

Um dos argumentos ocasionais usados no apoio para aplicações “alternativas” para a medicina é a observação de que como a medicina “alternativa” é usada (com sucesso anedótico) em animais e tem sucesso, ela funciona a priori, visto que os bichos não são capazes de saber nada sobre o tratamento que estão recebendo. É claro, a falácia nessa situação é bastante óbvia para qualquer um com um pequeno quadro lógico/cético na mente, porque assume que as terapias realmente funcionam (embora haja poucas evidências disso).

Claramente, no entanto, algumas pessoas percebem o funcionamento das terapias, incluindo veterinários – há acupunturistas veterinários, quiropráticos, homeopatas, etc., etc.. Como há poucas evidências científicas que apoiem a ideia de que as terapias, realmente, têm algum efeito clínico significante em processos biológicos, incluindo aqueles que resultam em doenças, as questões levantaram como se houvesse alguma eficiência nos tratamentos “alternativos” em animais. Especificamente, pessoas, talvez, perguntem-se se os animais podem se beneficiar ou não do efeito placebo.

A discussão completa do efeito placebo é tópico para outros blogs. Independentemente disso, se tal efeito existe na medicina humana ou não, há muitas poucas evidências que sugerem que eles existam nos animais.

[1] Em geral, para uma “resposta placebo” ocorrer, ela precisa que o paciente reconheça que há um esforço intencional para o tratamento. Animais, aparentemente, não possuem a habilidade de compreender tais intenções (podem até não gostar de uma intervenção particular). Ainda, animais não seriam capazes de participar em experiências de placebo. Então, por exemplo, não podemos sugerir, racionalmente, uma terapia particular para um cachorro que o ajudará a melhorar, ou que é benéfico porque é “natural”; não podemos, presumivelmente, usar da eloquência para convencer um cavalo de que uma terapia particular dar-lo-á uma janela de esperança para a recuperação. Eles não entendem nada!

Ainda, há muitas explanações sobre como um efeito semelhante ao placebo pode ocorrer em animais. Tome o condicionamento. A teoria do condicionamento propõe que as mudanças corporais resultam da exposição a estímulos que, previamente, já haviam produzido essas mudanças. Talvez, seja a melhor e mais aceitável explicação para qualquer efeito placebo nos bichos. De fato, os estudos com animais apoiam um certo modelo para tal efeito, começando com as primeiras descrições de Pavlov da salivação nos cachorros.

[2] Estudos em humanos e animais suportam a ideia de que formas condicionantes formam bases para respostas placebo. [3] Como o condicionamento requere aprendizado, é esperado que visitas repetitivas a um médico (ou qualquer persuasão em particular) aumente a força da associação entre um estímulo aprendido e respectivas respostas em animais, boas ou más. Há exemplos numerosos de cachorros que se tremem de medos quando vão a uma clínica veterinária; por outro lado, um cachorro que goste de ser bem tratado em um ambiente relaxante aparenta receber algum alívio para uma condição crônica em tal ambiente; por ter aprendido a associar suas visitas ao local com a forma com a qual foi cuidado, efeitos condicionantes podem acontecer.

Certamente, há explicações razoáveis para o efeito placebo em animais. Entretanto, a hipótese de que um efeito de terapia ou de cura pode ser provocado com resultado de um condicionamento pode não ser suportada, ainda, por nenhuma evidências.

A teoria da expectativa propõe que reações corporais ocorram, talvez, na medida em que a pessoa as espera. Há uma sobreposição considerável entre expectativa e condicionamento, porque aprender é um dos vários caminhos para formar expectativas. À medida em que as terapias são esperadas para trazer o alívio da doença – ou, ao menos, fornecer ao cliente ou ao veterinário um sentimento de controle sobre o processo -, talvez, os estados de mente também sejam aliviados (nos humanos).

Provavelmente, nos humanos, terapias que ajudam a restaurar o controle do paciente evoquem, talvez, efeitos terapêuticos, ao menos a curto-prazo, mas estudos que investigam o modelo da teoria da expectativa em animais não foram feitos. Ainda, se animais são capazes de formar uma associação entre sinais relacionados ao tratamento (como no caso da maneira que o dono trata o animal quando este está sendo tratado) e o alívio de seu sofrimento, o efeito de tratamento das expectativas, talvez, desenvolvam-se (tanto no animal quanto no dono).

Há um grande corpo de pesquisa que demonstra que o contato humano tem efeitos mensuráveis em animais. Por exemplo, a domesticação reduz o a pressão sanguínea em cachorros [4] e cavalos [5] e causa maiores mudanças vasculares nos primeiros [6]. O tratamento adequado aumenta a produtividade em novilhas leiteiras [7] e aumenta a eficiência reprodutiva em porcas [8]. Sendo assim, é plausível que o contato entre humanos e animais desempenhe, talvez, um papel importante nas respostas observadas a intervenções terapêuticas.

Tomando um exemplo “alternativo”, foi demonstrado que um simples tratamento de acupuntura é tão efetivo quanto a domesticação de um cavalo, quando ela vem para amenizar os sinais de uma doença crônica; isto é, não há nenhum efeito demonstrável da acupuntura que não seja diferente de uma simples e carinhosa maneira de cuidar.  [9] Por outro lado, o tratamento pode ser, também, estressante para os animais, então, respostas a ele não sejam, talvez, necessariamente, benéficas. Ainda, não há nenhuma questão que levante que o contato humano pode invocar respostas de animais e animais comportam-se diferentemente quando não estão sendo observados; o que não poderia ser confundido com efeito placebo, no entanto.

Terapias podem induzir o efeito placebo nos donos?

A intensidade relatada de sintomas subjetivos como dor, fadiga e humor deprimido em um animal, talvez, varie ao longo do tempo por várias razões, nem todas tendo a ver com as mudanças da severidade dos sintomas. Para complicar mais ainda, tais análises são efeitos de tratamento que devam existir em alguma parte do corpo do dono do animal, assim como um veterinário em um investimento pessoal em uma aplicação “alternativa”.

As expectativas dos clientes podem ser motivadores bastante poderosos. Ao participar de uma transação terapêutica, eles, geralmente, esperam ver alguns resultados. Donos otimistas sejam, talvez, mais suscetíveis de buscar, diligentemente, tratamentos. Mesmo com resultados obviamente falhos, respostas recíprocas normais, frequentemente, resultam no relato de melhora dos clientes, ao menos inicialmente, mesmo que nenhuma melhora tenha ocorrido. No mínimo, veterinários podem ajudar os clientes a entenderem quais problemas estão presentes no animal – o conforto e a segurança podem tornar um problema mais fácil de lidar por parte do cliente. Isso é uma coisa boa, na maioria das vezes, ao menos que o médico faça a orientação para áreas não suportadas por evidências.

Um bom cuidado de um veterinário deve incluir uma dose saudável de compreensão e compaixão, e os médicos devem estar interessados em tratamentos efetivamente provados. No entanto, não há nenhuma evidências de que os animais podem se beneficiar, ou mesmo experiências, do efeito placebo. Na verdade, quando os médicos alegam que um tratamento é eficaz além da crença de que tal está induzindo um efeito no cliente que o faça achar que o animal está tendo benefícios, eles estão abusando de três funções de confiança: especialista, figura de autoridade e consolador. Animais merecem melhor.

Referências

  1. McMillan, FD.  The Placebo Effect in Animals.  J Am Vet Med Assoc 1999;  215(7):  992-9.
  2. Pavlov, IP.  Conditioned Reflexes.  London:  Oxford Press, 1927.  23–78.
  3. Voudouris, NJ, Peck, CL, Coleman, G.  Conditioned placebo responses.  J Pers Soc Psychol 1985;  48:  47-53.
  4. Gantt, WH, Newton, JO, Royer, FL, et al.  Effect of person.  Conditional Reflex 1966;  1: 18-35.
  5. Lynch, B.  Heart rate changes in the horse to human contact.  Psychophysiology 1974; 11:  472-478.
  6. Newton, JF, Ehrlich, WW.  Coronary blood flow in dogs:  effect of person.  Conditional Reflex 1966; 1: 81.
  7. Gross, WB.  The benefits of tender loving care.  Int J Stud Anim Prob 1980; 1:  147-149.
  8. Heinsworth, PH, Brand, A, Willems, PJ.  The behavioral response of sows to the presence of human beings and their productivity.  Livestock Prod Sci 1981; 8:  67-74.
  9. Wilson, DV, Berney, CE, Peroni, DL, et al.  The effects of a single acupuncture treatment in horses with severe recurrent airway obstruction. Equine Vet J 2004; 36(6): 489-94.
CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorInscrições para o Prêmio de Educação Científica da BG Brasil chegam à reta final
Próximo artigoHD 219134: Três super-Terras encontradas orbitando estrela a 21 anos-luz
Josikwylkson Costa Brito
Olá, meu nome é Josikwylkson Costa Brito (não, meu pai não deu uma cabeçada no teclado), mais conhecido como o Príncipe do Cosmos Nordestino, e nasci na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde moro atualmente. Tenho 18 anos atualmente, estou no segundo ano do curso de medicina e publico textos de cunho científico ou filosófico para o presente site, porém, em virtude dos estudos, não estou a fazê-lo com muita frequência. De todas as minhas publicações, gosto de publicar no âmbito de minha área (saúde), mas também arrisco em postar textos que contradigam o senso comum e que criticam as pseudociências, o que me faz ser esquartejado por muitos irracionalistas (que, inclusive, andam vagando por essa página). As críticas que mais recebo desses senhores são as de que não tenho autoridade o suficiente para falar de determinado assunto (mesmo que eu poste artigos científicos advindos de sites e/ou universidades de confiança). Então, em razão dos 'amigáveis' seguidores que se travestem de conhecedores de argumentação lógica e que rejeitam qualquer postagem minha por tal status, por favor, finjam que eu sou uma pessoa com 40 anos doutor em filosofia, cosmologia, biologia e medicina.

2
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
1 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
ConfucioRafael Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rafael
Visitante
Rafael

Na verdade o problema maior desses estudos é simplesmente um efeito de cunfusão. Donos de animais que optam por estes tratamentos alternativos cuidam melhor em geral de seus animais. Logo eles tendem a ter mais saude e sobreviver mais.

Por este motivo este os estudos clinicos duplo cego e randomizado

Confucio
Visitante
Confucio

“Donos de animais que optam por estes tratamentos alternativos cuidam melhor em geral de seus animais. Logo eles tendem a ter mais saúde e sobreviver mais” Houve algum estudo que quantificou e qualificou o tipo de tratamento que as pessoas que optam por tratamentos alternativos, costumam dar aos seus pets? No mesmo estudo houve uma comparação com o tipo de tratamento adotado por aqueles que não adotam tratamento alternativos? Mediante a comparação pode se chegar, objetivamente a conclusão que pessoas que adotam tratamento alternativos “cuidam melhor” dos seus pets? Se não houve esse estudo, sua afirmação apesar de parecer lógica… Read more »