Homem segurando pênis e cercado por leopardos é a escultura narrativa mais antiga do mundo

O relevo esculpido de 11.000 anos, encontrado na Turquia, é a escultura narrativa mais antiga já registrada.

0
161
Uma figura masculina segurando seu falo e ladeada por leopardos faz parte da cena narrativa mais antiga do mundo. (Créditos: K. Akdemir; Antiquity Publications Ltd)

Traduzido por Julio Batista
Original de

Um relevo escavado na rocha de 11.000 anos no sudeste da Turquia, com animais ameaçadores e dois homens, um dos quais está segurando sua genitália, é a cena narrativa mais antiga já registrada, sugere um novo estudo.

Arqueólogos descobriram as curiosas esculturas em bancos embutidos em uma construção neolítica (ou da Nova Idade da Pedra) na região de Urfa. Medindo cerca de 0,7 a 0,9 metros de altura e 3,7 m de comprimento, o relevo recém-descoberto mostra dois leopardos, um touro e os dois homens – um segurando seu falo e o outro segurando um chocalho ou cobra.

Quem esculpiu as criaturas selvagens acentuou objetos perigosos e pontiagudos – os dentes dos leopardos e os chifres dos touros. Mas exatamente o que essa narrativa pretendia transmitir se perdeu no tempo, de acordo com o estudo, publicado na quinta-feira (8 de dezembro) na revista Antiquity.

Os arqueólogos encontraram a cena esculpida em Sayburç, um monte neolítico a cerca de 56 quilômetros a leste do rio Eufrates e 32 km ao norte da fronteira com a Síria. Sayburç data do nono milênio a.C., uma época em que os caçadores-coletores estavam mudando para a agricultura e assentamentos de longo prazo.

O relevo de Sayburç apresenta dois leopardos, um touro e dois homens. (Créditos: B. Kösķer; Antiquity Publications Ltd)

A escavação no local começou em 2021 e rapidamente revelou as ruínas de uma construção comunitária medindo 11 m de diâmetro, ou aproximadamente o comprimento de um poste telefônico. O edifício foi esculpido na rocha calcária com paredes construídas em pedra e bancos que se erguiam do chão. A obra de arte foi encontrada na frente de um dos bancos esculpidos, de acordo com Eylem Özdoğan, arqueóloga da Universidade de Istambul e única autora do estudo.

De acordo com a pesquisa de Özdoğan, existem duas cenas separadas que devem ser lidas juntas como uma obra de arte narrativa. Começando da esquerda, há esculturas rasas de um touro e um homem de frente um para o outro. O homem tem uma “extensão em forma de falo no abdômen” e sua “mão esquerda levantada e aberta tem seis dedos, enquanto a direita segura uma cobra ou chocalho”, escreveu ela no paper. A segunda cena envolve dois leopardos – bocas abertas, dentes visíveis, longas caudas enroladas em direção ao corpo – enfrentando um homem que é esculpido quase em 3D. Ele olha para a sala e segura seu falo com a mão direita.

O homem esculpido olha para a sala e segura seu falo com a mão direita. (Créditos: K. Akdemir; Antiquity Publications Ltd)

“Em termos de técnica e artesanato”, escreveu Özdoğan, “as figuras planas em relevo também são comparáveis ​​a outras imagens pré-cerâmicas neolíticas da região”, como as da vizinha Göbekli Tepe, um Patrimônio Mundial da UNESCO conhecido por ter os monumentos megalíticos mais antigos do mundo – pilares maciços decorados com animais e pessoas. Mas os relevos de Sayburç diferem porque as figuras formam uma narrativa, sugerindo eventos sendo relatados ou histórias sendo contadas, uma espécie de “reflexo de uma memória coletiva que manteve vivos os valores de sua comunidade”.

Em um e-mail para a Live Science, Özdoğan explicou que “em lugares como Göbekli Tepe e Sayburç, existe um mundo masculino e seus reflexos – animais predadores masculinos, falos e representações masculinas. As de Sayburç são diferentes porque são retratados juntos para formar uma cena.”

Este mapa mostra sítios neolíticos em Urfa (também conhecido como Şanlıurfa), Turquia. (Créditos: Mapa de E. Özdogăn; Antiquity Publications Ltd)

Jens Notroff, um arqueólogo neolítico do Instituto Arqueológico Alemão que não esteve envolvido nesta pesquisa, concordou que a obra de arte pretendia transmitir masculinidade. Ele disse ao Live Science em um e-mail que “a justaposição de demonstrar vitalidade e virilidade – a apresentação do falo – de um lado e perigo de vida – predadores rosnando com dentes à mostra – do outro parece particularmente notável aqui”.

Notroff acrescentou que esta descoberta pode ajudar os arqueólogos a interpretar melhor a iconografia neolítica na Turquia. “Infelizmente, embora o caçador neolítico possa ter reconhecido facilmente sua mensagem”, disse ele, “ainda não temos uma compreensão da narrativa real”.

A construção comunitária neolítica está localizada entre dois edifícios em Sayburç. (Créditos: Arquivo do projeto Sayburç; Antiquity Publications Ltd)

A construção comunitária em Sayburç foi apenas parcialmente escavada até agora. Embora Özdoğan esteja confiante na interpretação da construção como uma área de coleta, ela não tem certeza do que eles encontrarão quando terminarem de cavar. “Pode haver uma cena ou outros elementos no lado oposto” do banco, disse ela à Live Science.

Notroff está entusiasmado com o que futuras escavações podem dizer aos arqueólogos sobre a arte e a sociedade na Turquia antiga. Esta descoberta em Sayburç é uma “nova visão fascinante”, disse ele, e está “ansioso para ver mais resultados de pesquisas e escavações em andamento em outros sítios neolíticos primitivos na região de Urfa e além”.