Pesquisadores encontram evidências de um impacto cósmico que causou a destruição de um dos primeiros assentamentos humanos do mundo

0
623
Localização de Abu Hureyra. (a) Mapa do Oriente Médio, mostrando a localização de Abu Hureyra (AH) na Síria. (b) Mapa do Abu Hureyra, mostrando os locais dos pontos de escavação, identificados na imagem pelas letras A e G, perto de um canal de retorno do rio Eufrates que agora se encontra abandonado. As amostras de sedimento dos pontos de escavação D, E, e G (retângulos azuis) contêm picos de abundância do limite Dryas recente, incluindo esférulas, nanodiamantes, vidro fundindo e platina. Crédito: Scientific Reports.

Por Sonia Fernandez
Publicado na Phys

Antes da barragem de Tabqa represar o rio Eufrates, no norte da Síria, a partir da década de 1970, um sítio arqueológico chamado Abu Hureyra testemunhou o momento em que os antigos nômades se estabeleceram e começaram a prática agrícola. Um grande monte marca o assentamento, que agora fica sob o lago Assad.

Antes que o lago se formasse, porém, os arqueólogos conseguiram extrair e descrever cuidadosamente diversos materiais, incluindo partes de casas, alimentos e ferramentas – uma abundância de evidências que lhes permitiram identificar a transição para a agricultura há quase 12.800 anos. Foi um dos eventos mais significativos da história cultural e ambiental da Terra.

Abu Hureyra, ao que parece, tem outra história para contar. Encontrado entre os cereais e grãos e contido em materiais de construção e nos ossos dos animais estava o vidro fundido; algumas características sugerem que este foi formado a temperaturas extremamente altas – muito mais altas do que o que os humanos poderiam alcançar na época – ou que poderiam ser atribuídas ao fogo, iluminação ou vulcanismo.

“Para ajudar na perspectiva, são temperaturas tão altas que derreteriam completamente um automóvel em menos de um minuto”, disse James Kennett, professor emérito de geologia da UC Santa Barbara. Essa intensidade, acrescentou, só poderia ter sido resultada de um fenômeno extremamente violento, de alta energia e alta velocidade, algo da ordem de um impacto cósmico.

Com base nos materiais coletados antes do local ser inundado, Kennett e seus colegas afirmam que Abu Hureyra é o primeiro sítio a documentar os efeitos diretos de um cometa fragmentado em um assentamento humano. Esses fragmentos fazem parte do mesmo cometa que, provavelmente, atingiu a Terra e explodiu na atmosfera no final da época do Pleistoceno, segundo Kennett. Esse impacto contribuiu para a extinção da maioria dos animais de grande porte, incluindo mamutes, cavalos americanos e camelos americanos, o desaparecimento da cultura norte-americana Clóvis e o início abrupto do episódio de resfriamento glacial no final do Dryas recente.

As descobertas da equipe são destacadas em um artigo publicado na revista Scientific Reports.

“Nossas novas descobertas representam evidências muito mais fortes de temperaturas muito altas que só podem ser associadas a um impacto cósmico”, disse Kennett, que com seus colegas primeiro relatou evidências de um evento desse tipo na região em 2012.

Abu Hureyra fica no setor mais oriental do que é conhecido como o campo de fronteira do Limite do Dryas Recente (Young Dryas Boundary, ou YDB), que abrange cerca de 30 outros locais nas Américas, Europa e partes do Oriente Médio. Esses locais mantêm evidências de grandes queimadas, incluindo uma camada de “tapete negro” rica em carbono, que contém milhões de nanodiamantes, altas concentrações de platina e pequenas esférulas metálicas formadas a temperaturas muito altas. A hipótese de impacto do Limite do Dryas Recente ganhou mais força nos últimos anos por causa de diversas novas descobertas, incluindo uma cratera de impacto muito jovem sob a geleira Hiawatha da camada de gelo da Groenlândia, além de vidro fundido de alta temperatura e outras evidências semelhantes em um sítio arqueológico em Pilauco, localizado no sul do Chile.

“A vila de Abu Hureyra teria sido destruída abruptamente”, disse Kennett. Ao contrário das evidências de Pilauco, que se limitavam ao abate humano de animais de grande porte, mas não mais jovens do que a camada de queimadas por impacto do Limite do Dryas Recente, Abu Hureyra revela evidências diretas do desastre neste assentamento humano primordial. Um impacto ou uma explosão deve ter ocorrido suficientemente perto para enviar calor maciço e vidro derretido por toda a vila, observou Kennett.

O vidro foi analisado quanto à composição geoquímica, forma, estrutura, temperatura de formação, características magnéticas e teor de água. Os resultados da análise mostraram que ele se formou a temperaturas muito altas e incluiu minerais ricos em cromo, ferro, níquel, sulfetos, titânio e até ferro fundido rico em platina e irídio – todos formados em temperaturas superiores a 2200 graus Celsius.

“Os materiais críticos são extremamente raros sob temperaturas normais, mas são comumente encontrados durante eventos de impacto”, disse Kennett. Segundo o estudo, o vidro fundido foi formado “a partir do derretimento e vaporização quase instantâneos da biomassa regional, solos e depósitos de várzea, seguidos de resfriamento instantâneo”. Além disso, como os materiais encontrados são consistentes com os encontrados nas camadas do Limite do Dryas Recente em outros locais do mundo, é provável que tenham resultado de um cometa fragmentado, diferente dos impactos causados ​​por cometas ou asteroides individuais.

“Um único grande impacto de asteroide não teria causado essa grande dispersão de materiais como os descobertos em Abu Hureyra”, disse Kennett. “É sugerido que os maiores aglomerados de detritos cometários sejam capazes de causar milhares de explosões na atmosfera em um espaço de minutos em um hemisfério inteiro da Terra. A hipótese do Limite de Dryas Recente propôs esse mecanismo para explicar os materiais covais amplamente dispersos em mais de 14.000 quilômetros do norte e Hemisférios Sul. Nossas descobertas em Abu Hureyra apoiam fortemente a hipótese de um grande evento de impacto de um cometa fragmentado”.

Referência

  • Andrew M. T. Moore et al. Evidence of Cosmic Impact at Abu Hureyra, Syria at the Younger Dryas Onset (~12.8 ka): High-temperature melting at >2200 °C, Scientific Reports (2020). DOI: 10.1038/s41598-020-60867-w