Software da JPMorgan faz em segundos o que advogados levaram 360.000 horas

1
3507
Créditos: abovethelaw.com

Traduzido da Bloomberg Markets

Na JPMorgan Chase & Co., uma máquina de aprendizagem está analisando negócios financeiros que antes mantinha uma equipe de advogados ocupada por milhares de horas.

O programa, chamado COIN (Contract Intelligence), faz a tarefa maçante de interpretar acordos de empréstimo comercial que, antes do projeto ser lançado online em junho, consumiu 360 mil horas de trabalho por ano por advogados e agentes de crédito. O software revê os documentos em segundos, é menos propenso a erros e nunca pede férias.

Participantes conversam sobre o software em 27/02, à véspera do Dia do Invesridor da JPMorgan.
Photographer: Kholood Eid/Bloomberg

Enquanto a indústria financeira tem vangloriado suas inovações tecnológicas, uma nova era de automação está agora em alta como poder de computação barato convergindo com receios de perder clientes para startups. Foi possível graças aos investimentos em aprendizado de máquina e uma nova rede de nuvem privada, COIN é apenas o começo para o maior banco dos EUA. A companhia recentemente montou centros de tecnologia para equipes especializadas em big data, robótica e infraestrutura de nuvem para encontrar novas fontes de receita, reduzindo despesas e riscos.

O empurrão para automatizar tarefas maçantes e criar novas ferramentas para banqueiros e clientes – um aumento de $9,6 bilhões do orçamento de tecnologia da companhia – é um tema central para o Dia do Investidor promovido anualmente pela empresa.

Por trás da estratégia, supervisionada pelo Diretor de Operações Matt Zames e pelo Diretor de Informação Dana Deasy, é uma tendência de ansiedade: embora JPMorgan emergiu da crise financeira como um dos poucos grandes vencedores, seu domínio está em risco, a menos que ela busque agressivamente por novas tecnologias, de acordo com as entrevistas feitas com meia dúzia de executivos bancários.

Software Redundante

Essa era a mensagem que Zames tinha para Deasy quando se juntou à companhia, vindo da BP Plc no final de 2013. Os sistemas internos do banco com sede em Nova York, uma amálgama de décadas de fusões, tinham demasiados programas de software redundantes que não funcionavam juntos perfeitamente.

“Matt disse: ‘Lembre-se de uma coisa acima de tudo: precisamos absolutamente ser os líderes em tecnologia em todos os serviços financeiros’”, disse Deasy na semana passada numa entrevista. “Tudo o que fizemos daquele dia em diante resulta daquela reunião”.

Uma rápida explicação sobre Fintech

Depois de visitar empresas como a Apple Inc. e Facebook Inc. há três anos para entender como seus desenvolvedores trabalhavam, o banco decidiu criar sua própria cloud computing chamada Gaia, que foi lançada no ano passado. A aplicação de aprendizagem de máquina e big data agora residem na plataforma privada, que tem efetivamente capacidade ilimitada para suportar sua sede de poder de processamento. O sistema já está ajudando o banco a automatizar algumas atividades de codificação e tornar seus 20.000 desenvolvedores mais produtivos, economizando dinheiro, disse Zames. Quando necessário, a companhia também pode acessar serviços de nuvem externos da Amazon.com Inc., da Microsoft e da International Business Machines Corp (IBM).

Despesas tecnológicas

A JPMorgan disponibilizará parte da sua tecnologia baseada em nuvem a clientes institucionais no final deste ano, permitindo que empresas como a BlackRock Inc. tenham acesso a saldos, pesquisas e ferramentas de negociação. A mudança, que permite que os clientes ignorem vendedores e o pessoal de suporte para informações rotineiras, é semelhante ao que Goldman Sachs Group Inc. anunciou em 2015.

O orçamento total de tecnologia da JPMorgan para este ano representa 9% da sua receita projetada – o dobro da média da indústria, de acordo com a analista Betsy Graseck da Morgan Stanley. A cifra do dólar subiu ainda mais à medida que a JPMorgan reforçou as defesas cibernéticas após uma quebra de dados em 2014, que expôs a informação de 83 milhões de clientes.

“Temos investido muito em tecnologia e marketing e estamos vendo fortes retornos”, declarou JPMorgan em uma apresentação na terça-feira antes do Dia do Investidor (28/02), observando que os gastos com tecnologia em seu banco de consumo totalizaram cerca de US$ 1 bilhão nos últimos dois anos.

Participantes inspecionam JPMorgan Market Sofware no quiosque para o Dia do Investidor. Photographer: Kholood Eid/Bloomberg

Um terço do orçamento da companhia é para novas iniciativas, um número que Zames quer levar para 40% em poucos anos. Ele espera economizar com automação e aposentar a velha tecnologia, o que vai lhe permitir aplicar ainda mais dinheiro em novas inovações.

Nem todas essas apostas, que incluem vários projetos baseados em uma carteira de crédito distribuída, como blockchain, vão ser pagas, o que JPMorgan diz estar OK. Um exemplo que executivos adoram mencionar: a companhia construiu uma plataforma eletrônica para ajudar a negociar CDS (credit-default swaps), as Trocas de Risco de Crédito, que ficam sem uso.

‘Não pode esperar’

“Estamos dispostos a investir para ficarmos à frente da corrida, mesmo que, em última análise, parte desse dinheiro vá para produtos ou serviços que não eram necessários”, disse Marianne Lake, chefe de financiamentos, em audiência de uma conferência em junho. Isso é “porque não podemos esperar para saber que resultado, qual final, realmente vai ser, porque o ambiente está mudando muito rápido”.

No que diz respeito à COIN, o programa ajudou, de acordo com os seus criadores, a JPMorgan a reduzir em manutenção dos erros em empréstimos, a maioria resultante de erro humano na interpretação dos 12.000 novos contratos de atacado por ano.

O JPMorgan está buscando por mais formas de implantar a tecnologia, que aprende através da injeção de dados para identificar padrões e relacionamentos. O banco planeja usá-lo para outros tipos de registros legais complexos, como CDS e acordos de custódia. Algum dia, a companhia poderá usá-lo para ajudar a interpretar regulamentações e analisar comunicações corporativas.

Outro programa chamado X-Connect, que entrou em uso em janeiro, examina e-mails para ajudar os funcionários encontrar colegas que têm os relacionamentos mais próximos com perspectivas potenciais e podem providenciar encontros.

Inteligência Artificial aprende a escrever o seu próprio código roubando de outros programas

Criando Bots

Para tarefas mais simples, o banco criou bots para executar funções como a concessão de acesso a sistemas de software e responder a solicitações de TI, como a redefinição da senha de um empregado, disse Zames. Os bots devem suportar 1,7 milhão de solicitações de acesso este ano, fazendo o trabalho de 140 pessoas.

Enquanto um número crescente de pessoas na indústria se preocupa que tais avanços possam, algum dia, tomar seus empregos, muitos empregados de Wall Street estão mais focados nos benefícios. Um levantamento de mais de 3.200 profissionais da área financeira, feito pela empresa de recrutamento Options Group no ano passado, descobriu que a maioria espera que as novas tecnologias melhorem suas carreiras, como, por exemplo, melhorando o desempenho no local de trabalho.

“Qualquer coisa onde você tem operações administrativas humanas, como mover informações do ponto A para o ponto B, que não é automatizado está destinado para isso”, disse Deasy. “As pessoas sempre veem isso como uma substituição. Eu vejo isso como uma forma de liberar as pessoas para trabalhar em coisas de maior valor, razão pela qual é uma oportunidade tão fantástica para a companhia”.

Para ajudar a estimular a mudança interna, a companhia mantém controle sobre 2.000 empreendimentos tecnológicos, usando cerca de 100 em programas-piloto que eventualmente se juntarão ao crescente ecossistema de parceiros da empresa. Por exemplo, o software de aprendizagem de máquina do banco foi construído com a Cloudera Inc., uma empresa de software que a JPMorgan encontrou pela primeira vez em 2009.

“Estamos começando a ver os verdadeiros frutos do nosso trabalho”, disse Zames. “Isso não é coisa de ficção”.

CONTINUAR LENDO