Macacos podem sentir seus próprios batimentos cardíacos e isso pode ser uma boa notícia para a psiquiatria

Macacos podem dizer quando formas saltam em sincronia com seu pulso, mostra novo estudo.

0
275
Macacos-rhesus estão cientes de seu pulso cardíaco, o que pode ajudar em futuras pesquisas em psicologia. Créditos: Kathy West / Centro Nacional de Pesquisa de Primatas da Califórnia.

Por Zack Savitsky
Publicado na Science

Você sabe quando seu próprio coração dispara – seja por uma aranha enorme no seu colo ou por uma mensagem de texto do seu crush. E de acordo com um novo estudo, os macacos também. Pela primeira vez, os cientistas encontraram evidências de um animal não humano sentindo seu próprio batimento cardíaco – um resultado que pode ajudar os cientistas a estudar as emoções humanas em um nível celular.

A capacidade de sentir nossos mundos internos – tudo, desde um coração acelerado até uma bexiga cheia – é conhecida como interocepção. Assim como o tato, o paladar e o olfato nos ajudam a codificar informações sensoriais sobre o mundo exterior, nossos sentidos interoceptivos nos alertam para o que está acontecendo dentro de nossos corpos. A interocepção “parece fundamentar tudo” na experiência humana, da cognição à consciência, disse Eliza Bliss-Moreau, psicóloga e neurocientista do Centro Nacional de Pesquisa de Primatas da Califórnia, que liderou o estudo. “Isso nos permite navegar pelo mundo de forma eficaz”.

Nas últimas décadas, os cientistas associaram a sensibilidade interoceptiva à consciência emocional e a uma variedade de condições de saúde mental. Pessoas que não são boas na detecção da frequência cardíaca, por exemplo, são mais propensas do que seus pares a experimentar transtorno depressivo maior. Ao estudar a fisiologia da interocepção, os cientistas esperam aprender mais sobre como os diferentes distúrbios psiquiátricos surgem e se desenvolvem.

Mas a interocepção é difícil de estudar, principalmente porque estruturas cerebrais relevantes, como o córtex insular, estão situadas em “zonas proibidas” que são inacessíveis sem cirurgia invasiva, disse W. Kyle Simmons, neurocientista cognitivo da Universidade Estadual de Oklahoma, Tulsa (EUA), que não participou do estudo. Então, em um esforço para encontrar um sistema análogo, Bliss-Moreau e seus colegas se voltaram para os macacos – porque estudos anteriores sugeriram que eles também podem ouvir seus corpos.

Para descobrir, a equipe replicou o projeto de um estudo anterior de bebês humanos. Nesse experimento, os cientistas conectaram 41 bebês a um eletrocardiograma, que monitorava seus batimentos cardíacos, e um rastreador ocular infravermelho, que rastreava a direção de seu olhar. Em uma tela na frente deles, os bebês assistiam a vídeos de formas geométricas saltitantes – nuvens amarelas e polígonos rosa. Algumas formas esbarravam entre a parte superior e inferior da tela em sincronia com os batimentos cardíacos do bebê, enquanto outras saltavam de forma assíncrona – muito rápido ou muito devagar.

Como os bebês tendem a prestar mais atenção aos estímulos que acham surpreendentes ou incomuns, eles passam mais tempo olhando para as formas que saltam fora de sincronia com seus corações – indicando que estão sintonizados com seu próprio metrônomo cardíaco.

Quando Bliss-Moreau e seus colegas repetiram o estudo em quatro macacos-rhesus (Macaca mulatta), todos os macacos distinguiram entre os estímulos síncronos e assíncronos. Os animais gastaram uma média de 1,01 segundo olhando para formas saltando no mesmo ritmo de seu pulso, mas levaram 0,83 e 0,68 segundos extras, respectivamente, quando as formas se moveram 10% mais rápido ou mais devagar, relataram os pesquisadores essa semana na Proceedings of the National Academy of Sciences. Esses resultados valeram para 100 testes por macaco – e eles se aproximaram das taxas dos bebês humanos.

Esta é a primeira evidência sólida de interocepção em primatas não humanos, confirma Simmons. “Isso está abrindo as portas para alguns novos métodos que podem nos ajudar a entender [sua] base biológica”.

A descoberta também pode ajudar a preencher as lacunas entre a fisiologia e a psicologia comportamental, disse Bliss-Moreau. Agora que sabemos que os macacos seguem as mesmas pistas interoceptivas que os humanos, os pesquisadores podem investigar a conexão entre o coração e a ínsula, por exemplo, em criaturas que estão mais próximas dos humanos, tanto comportamental quanto fisicamente. A maioria dos estudos sobre funções psicológicas complexas agora é feita com roedores, que têm redes neurais biológicas e mecanismos de processamento sensorial completamente diferentes dos humanos. Embora as preocupações éticas de trabalhar com primatas não humanos sejam muitas, Bliss-Moreau enfatiza que os cientistas aprenderão muito mais com os macacos do que com os ratos e camundongos.

“Estamos realmente perguntando, em última análise, como e por que emoções como as que nós, humanos experimentamos, surgiram”, disse Bliss-Moreau. “Aposto que será um modelo com macacos que [nos ajudará a entender] os mecanismos neurais causais”. Se os pesquisadores puderem rastrear os circuitos responsáveis ​​por sentimentos e emoções, talvez possam começar a prever e prevenir diferentes condições de saúde mental, acrescentou.

Ainda assim, existem diferenças importantes entre os cérebros de macacos e humanos – particularmente em regiões que fundamentam o pensamento de ordem superior, disse Simmons. “Não é um modelo perfeito. Mas isso nos deixa mais perto disso do que antes”.