Megaterremoto e tsunami há 3.800 anos mantiveram caçadores-coletores no interior do Chile por 1.000 anos

0
99
Crédito: Gabriel Easton.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

Um gigantesco terremoto que desencadeou um tsunami que atingiu o norte do Chile há 3.800 anos causou tanta devastação nas populações costeiras que levou 1.000 anos para os humanos retornarem à costa, disseram cientistas.

O antigo megaterremoto teria uma magnitude de cerca de 9,5 e foi tão poderoso que gerou um tsunami que arremessou pedregulhos a centenas de metros da Nova Zelândia, que fica a milhares de quilômetros – e um oceano inteiro – de distância.

A descoberta é evidenciada por estruturas terrestres elevadas (também conhecidas como depósitos litorâneos) e amostras de rochas marinhas, conchas e vida marinha levadas para a costa por ondas de tsunami nos trechos mais altos do deserto de Atacama, no Chile. Serve como um aviso sombrio do potencial destrutivo de grandes terremotos tsunamigênicos que podem ter passado despercebidos anteriormente.

“Encontramos evidências de sedimentos marinhos e muitos animais que viveram tranquilamente no mar antes de serem jogados para o interior”, disse o geólogo e especialista em tsunamis James Goff, da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália. “E encontramos tudo isso muito alto e muito longe no interior, então não pode ter sido uma tempestade que depositou isso lá”.

Depósitos de tsunami visíveis em uma vala. Crédito: Universidade de Southampton.

A equipe de pesquisa, liderada pelo antropólogo Diego Salazar, da Universidade do Chile, realizou vários anos de pesquisa na região do deserto de Atacama, que é particularmente vulnerável a megaterremotos devido à sua proximidade com a convergência das placas tectônicas de Nazca e da América do Sul, com a primeiro sendo subduzida sob a segunda.

Esse fenômeno e sua reação sísmica é o que levou ao terremoto mais poderoso já registrado, o terremoto de Valdivia em 1960 no sul do Chile; milhares de anos antes, parece que as mesmas tensões tectônicas levaram a um precursor igualmente diabólico, mas não documentado, no norte do país.

“Pensava-se que não poderia haver um evento desse tamanho no norte do país simplesmente porque não era possível uma ruptura longa o suficiente”, disse Goff. “Mas agora encontramos evidências de uma ruptura com cerca de mil quilômetros de extensão na costa do deserto de Atacama, e isso é enorme”.

Em suas investigações, os pesquisadores usaram datação por radiocarbono para ter uma noção da idade dos depósitos litorâneos, que se estendem por cerca de 600 quilômetros da costa do Chile.

As análises de vários dos locais de depósito sugerem a existência de um “evento tectônico que teria formado depósitos litorâneos ao longo da região de estudo, gerado um paleotsunami e desencadeado perturbações sociais em escala regional”, escreveram os pesquisadores em seu estudo.

Estrutura de pedra desmoronada. Crédito: Gabriel Easton.

Na época do evento, as pessoas que viviam nesta parte do mundo eram comunidades de caçadores-coletores. Evidências arqueológicas sugerem que a onda de tsunami gerada pelo terremoto derrubou suas estruturas de pedra – e não apenas uma, mas duas vezes, com uma forte corrente de tsunami causando estragos enquanto fluía de volta para o mar.

Os efeitos sobre qualquer pessoa que tenha sobrevivido ao desastre imediato foram duradouros, com evidências sugerindo que a área permaneceu desabitada por populações humanas por até 1.000 anos, apesar das pessoas viverem neste trecho da costa por quase 10 milênios antes da crise.

O Deserto do Atacama. Créditos: José Pablo Domínguez / Unsplash.

“A população local ficou sem nada”, disse Goff. “Nosso trabalho arqueológico descobriu que uma enorme mudança social se seguiu à medida que as comunidades se deslocavam para o interior, além do alcance dos tsunamis”.

Com o tempo e o passar de dezenas de gerações, a ousadia (ou talvez o esquecimento) da população local cresceu, e as pessoas acabaram voltando para perto do oceano cerca de 1.000 anos depois.

“O abandono de áreas anteriormente ocupadas e as mudanças nos padrões de mobilidade e arranjos espaciais de assentamentos e cemitérios foram provavelmente estratégias de resiliência desenvolvidas por sociedades de caçadores-coletores”, escreveram os pesquisadores. “No entanto, o conhecimento desses eventos gigantes e suas consequências parece diminuir com o passar do tempo”.

Além de preencher as lacunas em nossa compreensão histórica desse evento gigantesco – um terremoto tão poderoso quanto qualquer coisa conhecida pela humanidade – a pesquisa é uma nota de advertência sobre os riscos que megaterremotos similarmente poderosos podem representar no futuro, disseram os pesquisadores.

“Enquanto isso teve um grande impacto sobre as pessoas no Chile, as ilhas do Pacífico Sul estavam desabitadas quando foram atingidas pelo tsunami há 3.800 anos”, disse Goff. “Mas elas estão todas bem povoadas agora, e muitas são destinos turísticos populares, então quando tal evento ocorrer na próxima vez, as consequências podem ser catastróficas, a menos que aprendamos com essas descobertas”.

As descobertas são relatadas em Science Advances.