Mais dois corações de porco geneticamente editados foram transplantados com sucesso em humanos

0
194
Um coração de porco armazenado antes do xenotransplante. (Créditos: Joe Carrotta/Instituto Langone da NYU)

Traduzido por Julio Batista
Original de Hilary Brueck para o Business Insider

Dois corações de porco geneticamente modificados foram transplantados com sucesso para humanos, no que é o segundo grande avanço para o xenotransplante de coração de porco-humano este ano.

“Foi uma das coisas mais incríveis, ver um coração de porco batendo e batendo dentro de um peito humano”, disse o Dr. Robert Montgomery, diretor do Instituto Langone de Transplantes da NYU, onde os transplantes aconteceram, durante uma coletiva de imprensa na terça-feira.

Um dos transplantes ocorreu em meados de junho e o outro foi concluído em 6 de julho.

Mas há um problema. Os dois pacientes transplantados eram pessoas que já estavam com morte cerebral, cujos corações eram mantidos batendo em ventiladores para receber os órgãos do porco. Provavelmente levará anos até que os procedimentos de transplante de porco para humano se tornem opções rotineiras e confiáveis ​​para pessoas em longas listas de espera para corações, rins e outros órgãos vitais.

“Haverá um processo iterativo de aprendizado, mudança de tática”, disse Montgomery, que também recebeu um transplante de coração.

Ainda assim, o médico tem esperança de que os órgãos de porco possam um dia se tornar uma “fonte renovável e sustentável de órgãos, para que ninguém tenha que morrer esperando”.

Mais testes em humanos podem se tornar realidade nos próximos anos 

O primeiro transplante de coração humano de porco conhecido em um paciente vivo foi concluído na Universidade de Maryland em janeiro. Esse transplante foi para um homem de 57 anos com doença cardíaca com risco de vida.

“Era morrer ou fazer esse transplante”, disse o paciente, David Bennett Sr, um dia antes de sua cirurgia. “Eu sei que é um tiro no escuro, mas é minha última escolha.”

O novo coração de porco de Bennett falhou dois meses depois. O DNA de um vírus de porco foi descoberto mais tarde no coração, mas não havia evidências de uma infecção ativa, disse o cirurgião por trás do procedimento ao The New York Times.

“Nós realmente não sabemos por que o coração falhou e por que ele morreu”, disse Montgomery. É por isso, ele argumenta, que é importante continuar pesquisando sobre doadores falecidos, antes de avançar com mais testes de xenotransplantes vivos.

O coração humano removido. (Créditos: Joe Carrotta/Instituto Langone)

“Este é um grande passo na direção certa”, disse o Dr. Chris Colbert, médico de emergência de Chicago (EUA), que não esteve envolvido na pesquisa, ao Insider depois de ouvir a notícia. “Não é apenas um órgão, mas uma combinação de órgãos.”

Os dois corações de porco transplantados na NYU neste verão foram capazes de funcionar por pelo menos 72 horas dentro de corpos humanos porque foram projetados com 10 modificações genéticas. Quatro das edições genéticas eram suínas, para evitar a rejeição de transplantes e crescimento anormal, e seis eram transgenes humanos, projetados para tornar as partes humanas e suínas mais compatíveis.

“É realmente a próxima fronteira na medicina de transplante”, disse ao Insider o Dr. Preethi Pirlamarla, cardiologista de transplante de coração do Hospital Mount Sinai, em Nova York, que não esteve envolvido na pesquisa da NYU. “É realmente apenas um milagre moderno que sejamos capazes de considerar isso.”

Transplantes de coração de porco para humano de rotina podem ser ‘muito possíveis’ dentro de uma década 

Prilamarla diz que antes que os transplantes de coração de porco-humano possam se tornar rotina, os médicos precisarão entender melhor como tornar os órgãos de porco modificados mais compatíveis dentro da vida, sustentando corpos humanos, para que não sejam rejeitados pelos receptores. Pesquisadores e cirurgiões também precisarão garantir que “não transmitamos alguma infecção imprevista que estaria no porco, que seria transmitida ao humano”, acrescentou.

Mas ela também disse que não ficaria surpresa se os transplantes de coração de porco para humano se tornassem comuns em sua carreira.

“Eu vejo isso acontecendo no próximo ano? Acho que não”, disse ela. “Eu vejo isso chegando a 5, 10 anos? Eu acho que é muito possível.”

As doenças cardíacas são a causa de morte número um nos EUA, e a demanda por transplantes cardíacos é alta.

Há outras coisas, além de corações de porco geneticamente modificados, que podem ser feitas para reduzir o tempo de espera de órgãos vitais. Membros bipartidários do Congresso já estão pedindo revisões “que estão atrasadas há tempos” das Organizações de Procura de Órgãos federais “de baixo desempenho” e até mesmo “falidas”, que são responsáveis ​​por distribuir órgãos em todo o país.