Milhares de antigas tumbas islâmicas foram encontradas organizadas em padrões “galácticos”

0
91
1.195 qubbas ao redor e no topo de um pequeno afloramento rochoso. Créditos: Costanzo et al., PLOS One, 2021.

Por Owen Jarus
Publicado na Live Science

Milhares de tumbas islâmicas medievais no leste do Sudão foram dispostas em padrões difíceis de serem detectados, com tumbas sagradas “aparentadas” hospedando subaglomerados de tumbas emanadas, de acordo com arqueólogos que estudaram os monumentos funerários com um método projetado para o campo da cosmologia.

A equipe usou imagens de satélite para identificar a localização de mais de 10.000 monumentos na região de Cassala, no leste do Sudão. Os monumentos incluem túmulos, que são feitos de pedra e são “estruturas elevadas relativamente simples, espalhadas por toda a pré-história e história da África” ​​e “qubbas”, que é um termo que se refere a tumbas e santuários islâmicos no mundo pan-árabe, escreveu uma equipe de pesquisadores em um estudo publicado em 7 de julho no periódico PLOS One.

Depois que a equipe mapeou os monumentos funerários, eles tiveram problemas para interpretar os dados, uma vez que poucos dos monumentos haviam sido escavados.

“Enfrentamos o desafio de interpretar a criação da paisagem funerária com quase nenhum  dado arqueológico tradicional, mas [tínhamos] um conjunto de dados grande o suficiente para ser capaz de hipotetizar a presença de processos complexos em escala regional e local”, disse Stefano Costanzo, um estudante de doutorado em arqueologia na Universidade de Nápoles “L’Orientale”, na Itália, e principal autor do estudo do periódico, à Live Science.

“A olho nu, estava claro que as tumbas agrupadas eram condicionadas pelo ambiente, mas um significado mais profundo pode estar implícito em seu arranjo espacial”, disse Costanzo.

Ele e outros membros da equipe procuraram técnicas de modelagem estatística que pudessem ajudá-los a detectar padrões. Por fim, eles decidiram por um método chamado processo de aglomerados Neyman-Scott, que foi originalmente desenvolvido para estudar os padrões espaciais de estrelas e galáxias. Pelo que a equipe sabe, os arqueólogos nunca usaram a técnica.

“A maior característica deste modelo reside no fato de que ele pode lidar com conjuntos de dados arqueológicos [que não possuem dados de escavação e registros históricos], mas são compostos por um número muito grande de elementos, que são a base para análises estatísticas significativas”, disse Costanzo.

A técnica de modelagem revelou que as tumbas islâmicas “escondiam vários subaglomerados girando em torno de túmulos ‘aparentados’ não identificáveis ​​que agiam como centros de atração para sepultamentos subsequentes, aparentemente impulsionados pela sacralidade geral da localização e trajetórias sociais de grupos móveis ainda existentes”, disse Constanzo.

O estudo também confirmou que as áreas onde o material de construção estava disponível também tendiam a ter mais túmulos e que fatores ambientais, como a topografia da paisagem, também poderiam afetar a localização dos túmulos.

A região de Cassala é habitada pelo povo Beja, muitos dos quais ainda vivem um estilo de vida seminômade, disse a equipe no estudo do periódico.

“Os aglomerados locais são muito provavelmente cemitérios tribais/familiares do povo Beja”, escreveu a equipe no estudo. Mais pesquisas são necessárias para determinar a localização precisa dos túmulos “aparentados”. Pesquisas futuras também podem revelar quem foi enterrado nessas tumbas originais e o que as tornou tão especiais.

Vista da paisagem dos túmulos Qubba, Jebel Maman. Crédito: Stefano Costanzo.

Método arqueológico interessante

Acadêmicos não afiliados à pesquisa disseram que os métodos e descobertas da equipe eram interessantes.

“A abordagem é adequada para a investigação de grupos nômades, que abrangem vastos territórios”, disse Derek Welsby, um curador assistente do Museu Britânico que fez extensa pesquisa arqueológica no Sudão. A pesquisa deve facilitar futuras escavações na área, disse Welsby.

A técnica cosmológica usada pela equipe “parece uma adição bastante interessante e potencialmente valiosa ao já bastante grande arsenal de métodos estatísticos da arqueologia para obter perspectivas sobre o desenvolvimento de paisagens como essas”, disse David Wheatley, professor de arqueologia da Universidade de Southampton no Reino Unido.

Também fornece informações sobre a história das pessoas que ali vivem. “Isso oferece suporte quantitativo para a história profunda do povo Beja”, disse Giovanni Ruffini, professor de história da Universidade de Fairfield em Connecticut, nos Estados Unidos.

“Os estudiosos modernos se basearam em referências esparsas em textos literários para escrever a história do povo Beja, e os resultados simplesmente não são satisfatórios”, disse Ruffini, que conduziu uma extensa pesquisa sobre o Sudão medieval.

Um estudioso sugeriu uma limitação do estudo, no entanto.

Philip Riris, professor de modelagem arqueológica e paleoambiental na Universidade de Bournemouth, no Reino Unido, expressou preocupação com o fato de a equipe incluir tumbas de períodos muito diferentes no mesmo modelo. Isso “é arriscado porque diferentes tradições funerárias são colocadas juntas”, disse Riris.