Mundos de água, a esperança de encontrar vida extraterrestre

Publicado na New Scientist

Na estrela Kepler 62, se encontra um sistema planetário duplo com o tamanho aproximado ao da Terra. Ambos estão em órbita na zona habitável da estrela, (região onde as temperaturas não são nem muito quente e nem muito frias). Veja o gráfico aqui.

Conhecido como Kepler 62e e Kepler 62F, esses planetas tem grandes potenciais de se desenvolver vida (ainda visto fora do nosso sistema solar).  Mas isso não significa que eles iriam suportar a vida como tal a conhecemos.

Por um lado, a estrela é menos e mais fria que o nosso sol, então pelo menos um dos planetas precisaria de uma atmosfera potencialmente tóxica para mantê-lo aquecido. Por outro lado, alguns modelos sugerem que os planetas estão cobertos de água, dando a entender que, se existem extraterrestres, eles podem ter evoluído quase inteiramente em ambientes marinhos.

Confirmando qualquer uma dessa ideias, seria necessário dar uma olhada mais detalhada nos planetas, mas o sistema é de 1200 anos-luz de distância. Isso é muito longe para nós, principalmente para dar uma olhada em suas atmosferas ou obter uma imagem clara de sua composição, com a tecnologia atual. Ainda assim, a descoberta nos leva mais perto de ver um verdadeiro gêmeo da Terra, e dá pistas sobre o que podemos encontrar em sistemas planetários mais perto de casa com novos telescópios online.

Os dois planetas foram descobertos por uma equipe de trabalho com o telescópio espacial Kepler, da NASA, que usa a luz das estrelas para deduzir a presença de planetas (quando os planetas passam na frente das estrelas). A equipe realmente viu cinco planetas –b, c , d, e , f – em torno de Kepler 62, Mas somente E e F estão localizados na zona habitável da estrelas.

Ambos tem cerca de 1,5 vezes o tamanho da Terra, o que significa que eles são provavelmente rochosos.  Dois diâmetros da Terra é o limite abaixo do qual planetas devem ser sólidas, diz Lisa Kaltenegger da Universidade de Harvard. Maior do que os planetas podem ser mini-Netunos – pequeno mundos gasosos, sem superfícies sólidas definidias.

Claro, alguns astrônomos pensam que Kepler 62e e Kepler 62F não têm superfícies sólidas. Modelos teóricos sugerem que ambas as bolas de rocha são cobertos por oceanos líquidos. “Se você pegar a Terra, manter a fração de água da mesma e apenas torná-la maior, você tem água suficiente para cobrir toda a superfície, pois o volume é quatro vezes maior, mas a superfície não fica quatro vezes maior”, diz Kaltenegger .

Kepler 62e é mais perto da estrela do que Kepler 62F, e os modelos sugerem que ele pode ser quente e abafado. Kepler 62F, entretanto, pode precisar de uma atmosfera rica em gases de efeito estufa poderosos, como o dióxido de carbono, para ficar quente o suficiente para manter  os oceanos em estado líquido.

Se ambos os planetas suportam mares “alienígenas”, eles podem estar repletos de vida, assim como os nossos oceanos são, acrescenta William Borucki, principal pesquisador da missão Kepler da NASA e líder da equipe que encontrou planetas do Kepler 62. Os mundos também são enormes o suficiente para que eles possam segurar atmosferas grossas, então a vida do mar poderia, talvez, já ter se expandido para o ar.

“Nós sabemos que, pelo menos em nosso oceano, temos peixes voadores. Eles voam para fugir de predadores”, disse Borucki. “Para nós, talvez já possa ter evoluído aves neste planeta oceânico.”

Se estas formas de vida marinha iriam desenvolver a inteligência igual a nossa (civilização), é uma outra questão, no entanto, eles não teriam acesso fácil aos metais, eletricidade ou fogo.

Kaltenegger diz que também é possível que os planetas de Kepler 62 planetas tenham oceanos e continentes, como a Terra. Isso levanta algumas possibilidades fascinantes – incluindo a ideia de que os alienígenas dos dois planetas já poderiam ter se comunicado, ou até mesmo já terem se conhecido. “Imagine olhar através de um telescópio para ver um outro mundo com vida apenas a alguns milhões de quilômetros a partir de seu próprio país, ou ter a capacidade de viajar entre eles em uma base regular”, diz o astrônomo Dimitar Sasselov, também de Harvard. “Eu não posso pensar que uma motivação mais forte se torne uma sociedade spacefaring (ser capaz e ativa na arte das viagens espaciais ou de transporte espacial)”.

Se ambos os mundos hospedarem vida inteligente, talvez eles possam ser capazes de espionar a conversa entre Kepler 62e e 62F, diz Jon Jenkins, que está na equipe de Kepler e com o Instituto SETI em Mountain View, Califórnia. Se eles estão usando sinais de rádio quase tão potentes como as transmissões de comunicações na Terra, os telescópios daqui poderiam buscá-las. Pode até ser mais fácil de detectar um sinal entre estes planetas que transmitem a partir de um único planeta, acrescenta astrônomo sênior do Instituto SETI, Seth Shostak.

Balas Colidindo

“Se você esperar que eles fiquem alinhados em relação a nós, você poderá ser capaz de ouvi-los quando estivermos no caminho do feixe”, diz Seth Shostak. “Algumas pessoas dizem que ouvir um sinal de outro mundo é como a possibilidade de duas balas se chocarem entre si. Mais isso é muito mais fácil de fazer se você sabe que as balas serão disparadas em sua direção.”

A equipe de Kepler também anunciou na semana passada, outro planeta potencialmente favorável a vida, que orbita uma estrela semelhante ao nosso. Kepler 69c tem cerca de 1,7 vezes o tamanho da Terra, com grande possibilidade de ser rochoso, diz o membro da equipe de Kepler, Thomas Barclay da Bay Area Environmental Research Institute em Sonoma, Califórnia.

Kepler 69c orbita sua estrela em aproximadamente a mesma distância que Vênus orbita o sol. O planeta também poderia ser um “mundo de água ou poderia ser uma super-Vênus”, com uma atmosfera densa e tóxica que mantém a superfície muito quente para os oceanos líquidos. Infelizmente, o sistema de Kepler 69 é de 2700 anos-luz de distância – mais uma vez muito distante para os astrônomos determinarem a composição de sua atmosfera.

Enquanto eles permanecem enigmáticos, Kepler 62 e 69 estão nos dando uma amostra do que podemos esperar para encontrar exoplanetas com pesquisas futuras, como a NASA’s Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS), com lançamento previsto para 2017. O Kepler tem olhado para o espaço profundo em uma região do céu, mas o TESS vai usará uma série de câmeras de campo amplo para digitalizar aproximadamente 2 milhões das estrelas mais próximas à nossa, à procura de exoplanetas do tamanho da Terra em zonas habitáveis.

Os novos mundos de Kepler também ajudam a responder à pergunta da missão a ser estabelecida: quantas estrelas tem planetas potencialmente habitáveis?

“Encontrar estes três planetas – mesmo se você ignorar os outros que Kepler encontrou – mostra que você é, pelo menos um em mil”, diz Seth Shostak. “Isso significa que há cerca de 1 bilhão de mundos habitáveis na Via Láctea sozinha. Parece um monte de imóveis para mim.”

Este artigo apareceu na imprensa sob o título: “Water World’s Swell Hopes of Finding Life.”

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorAnálise da análise do caso sobre o humanoide do Atacama
Próximo artigoPós-modernidade despida
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.

Deixe um comentário

avatar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
Notify of