Mutações no SARS-CoV-2 oferecem informações sobre a evolução do vírus

Ao analisar os genomas de vírus de mais de 7.500 pessoas infectadas com a COVID-19, uma equipe de pesquisa liderada pela University College London detectou padrões de diversidade do genoma do vírus SARS-CoV-2, oferecendo pistas para direcionar medicamentos e alvos de vacina.

Créditos: NIAID via Flickr.

Publicado na University College London

O estudo, liderado pelo Instituto de Genética da University College London (UCL), identificou cerca de 200 mutações genéticas recorrentes no vírus, destacando como ele pode estar se adaptando e evoluindo para seus hospedeiros humanos.

Os pesquisadores descobriram que uma grande proporção da diversidade genética global do SARS-CoV-2 é encontrada em todos os países mais atingidos, sugerindo extensa transmissão global desde o início da epidemia e a ausência de um único “paciente zero” na maioria dos países.

As descobertas, publicadas na Infection, Genetics and Evolution, também estabelecem que o vírus só surgiu recentemente no final de 2019, antes de se espalhar rapidamente pelo mundo.

Os cientistas analisaram o surgimento da diversidade genômica no SARS-CoV-2, o novo coronavírus que causa a COVID-19, examinando os genomas de mais de 7.500 vírus de pacientes infectados em todo o mundo. Eles identificaram 198 mutações que parecem ter ocorrido independentemente mais de uma vez, o que pode conter pistas sobre como o vírus está se adaptando.

O coautor principal, François Balloux (Instituto de Genética da UCL), disse: “Todos os vírus sofrem mutações naturalmente. Mutações em si não são algo ruim e não há nada que sugira que o SARS-CoV-2 esteja sofrendo mutações mais rápidas ou mais lentas do que o esperado. Até agora, não podemos dizer se o SARS-CoV-2 está se tornando mais ou menos letal e contagioso”.

As pequenas alterações genéticas, ou mutações, identificadas não foram distribuídas uniformemente pelo genoma do vírus. Como algumas partes do genoma tinham muito poucas mutações, os pesquisadores dizem que essas partes invariantes do vírus poderiam ser melhores alvos para o desenvolvimento de medicamentos e vacinas.

“Um grande desafio para vencer o vírus é que uma vacina ou medicamento pode não ser mais eficaz se o vírus sofrer mutação. Se concentrarmos nossos esforços em partes do vírus com menor probabilidade de sofrer mutação, teremos uma chance maior de desenvolver medicamentos que serão eficazes a longo prazo”, explicou o pesquisador Balloux. “Precisamos desenvolver medicamentos e vacinas que não possam ser facilmente evitadas pelo vírus”.

A coautora do estudo, Lucy van Dorp (Instituto de Genética da UCL), acrescentou: “Há ainda poucas diferenças ou mutações genéticas entre os vírus. Descobrimos que algumas dessas diferenças ocorreram várias vezes, independentemente uma da outra durante o curso da pandemia – precisamos continuar monitorando-as à medida que mais genomas se tornam disponíveis e realizando pesquisas para entender exatamente o que elas fazem”.

Os resultados aumentam a evidência crescente de que os vírus SARS-CoV-2 compartilham um ancestral comum desde o final de 2019, sugerindo que foi quando o vírus saltou de um hospedeiro animal anterior para as pessoas. Isso significa que é muito improvável que o vírus causador da COVID-19 estivesse em circulação humana por muito tempo antes de ser detectado pela primeira vez.

Em muitos países, incluindo o Reino Unido, a diversidade de vírus encontrados foi quase a mesma encontrada em todo o mundo, o que significa que o vírus entrou no Reino Unido várias vezes de forma independente, e não através de qualquer caso de índice.

A equipe de pesquisa desenvolveu um novo aplicativo interativo online de código aberto para que pesquisadores de todo o mundo também possam revisar os genomas de vírus e aplicar abordagens semelhantes para entender melhor sua evolução.

“Ser capaz de analisar um número tão extraordinário de genomas de vírus nos primeiros meses da pandemia pode ser inestimável para os esforços de desenvolvimento de medicamentos, e mostra até que ponto a pesquisa genômica chegou até a última década. Todos nós estamos nos beneficiando de um tremendo esforço de centenas de pesquisadores em todo o mundo que sequenciaram os genomas de vírus e os disponibilizaram online”, explicou a pesquisadora Van Dorp.

O estudo foi conduzido por pesquisadores das Faculdades de Ciências da Vida e Ciências Médicas da UCL, ao lado de colegas da Cirad e da Université de la Réunion, da Universidade de Oxford e do Imperial College de Londres, e apoiado pela iniciativa NSFC do Newton Fund UK-China e pela Biotechnology and Biological Sciences Research Council (BBSRC).