Nova pesquisa sugere que a evolução pode favorecer a ‘sobrevivência do mais preguiçoso’

0
297
Anadara aequalitas foi incluída em um novo estudo de grandes dados de bivalves e gastrópodes fósseis e atuais no Oceano Atlântico, que sugere que a preguiça pode ser uma estratégia frutífera para a sobrevivência de indivíduos, espécies e até comunidades de espécies. Créditos: Neogene Atlas of Ancient Life / University of Kansas.

Por Brendan M. Lynch
Publicado na University of Kansas

Se você tem um filho adulto de 30 anos desempregado ainda morando contigo, não tenha medo.

Um novo estudo de grandes dados de bivalves e gastrópodes fósseis e atuais no Oceano Atlântico sugere que a preguiça pode ser uma estratégia frutífera para a sobrevivência de indivíduos, espécies e até comunidades de espécies. Os resultados foram publicados no Proceedings of the Royal Society B por uma equipe de pesquisa da Universidade de Kansas (KU) nos EUA.

Olhando para um período de aproximadamente 5 milhões de anos desde meados do Plioceno até o presente, os pesquisadores analisaram as taxas metabólicas de 299 espécies – ou a quantidade de energia que os organismos precisam para viver suas vidas diárias – e descobriram que taxas metabólicas mais altas eram um preditor confiável de probabilidade de extinção.

“Nós nos perguntamos: ‘Você poderia olhar para a probabilidade de extinção de uma espécie com base na absorção de energia por um organismo?'”, disse Luke Strotz, pesquisador de pós-doutorado no Instituto de Biodiversidade e Museu de História Natural da KU e principal autor do estudo. “Encontramos uma diferença entre espécies de moluscos que foram extintas nos últimos 5 milhões de anos e aquelas que ainda existem hoje. Aqueles que foram extintos tendem a ter taxas metabólicas mais altas do que aqueles que ainda estão vivos. Aqueles que têm menores requisitos para manutenção de energia parecem mais propensos a sobreviver do que aqueles organismos com taxas metabólicas mais altas”.

Os coautores de Strotz foram Julien Kimmig, da KU, gerente de coleção do Instituto de Biodiversidade, e Bruce Lieberman, professor de ecologia e biologia evolutiva, bem como Erin Saupe, da Universidade de Oxford.

“Talvez, a longo prazo, a melhor estratégia evolutiva para os animais seja a lassidão e a preguiça – quanto menor a taxa metabólica, maior a probabilidade da espécie a que você pertence sobreviver”, disse Lieberman. “Em vez de ‘sobrevivência do mais apto’, talvez uma metáfora melhor para a história da vida seja ‘sobrevivência do mais preguiçoso’ ou pelo menos ‘sobrevivência do mais sem energia'”.

Os pesquisadores disseram que seu trabalho pode ter implicações importantes para prever quais espécies podem desaparecer no curto prazo diante das mudanças climáticas iminentes.

“De certa forma, estamos olhando para um potencial preditor de probabilidade de extinção”, disse Strotz. “No nível das espécies, a taxa metabólica não é o principal fator da extinção – há muitos fatores em jogo. Mas esses resultados dizem que a taxa metabólica de um organismo é um componente da probabilidade de extinção. Com uma taxa metabólica mais alta, é mais provável que uma espécie seja extinta. Portanto, é outra ferramenta na caixa de ferramentas. Isso aumentará nossa compreensão dos mecanismos que levam à extinção e nos ajudará a determinar melhor a probabilidade de uma espécie ser extinta”.

Arcinella cornuta foi incluída em um novo estudo de grandes dados de bivalves e gastrópodes fósseis e atuais no Oceano Atlântico que sugere que a preguiça pode ser uma estratégia frutífera para a sobrevivência de indivíduos, espécies e até comunidades de espécies. Créditos: Neogene Atlas of Ancient Life / University of Kansas.

A equipe descobriu que uma taxa metabólica mais alta era um melhor indicador de probabilidade de extinção, especialmente quando as espécies estavam confinadas a um habitat menor, e menos quando uma espécie estava espalhada por uma ampla área geográfica do oceano.

“Descobrimos que as espécies amplamente distribuídas não mostram a mesma relação entre extinção e taxa metabólica como espécies com distribuição restrita”, disse Strotz. “O tamanho da área de distribuição é um componente importante da probabilidade de extinção, e espécies com distribuição restrita parecem muito mais propensas a serem extintas. Se você tem uma distribuição restrita e uma alta taxa metabólica, sua probabilidade de extinção é muito alta nesse ponto”.

A equipe também descobriu que as taxas metabólicas cumulativas para comunidades de espécies permaneceram estáveis, mesmo quando espécies individuais aparecem e desaparecem dentro da comunidade.

“Descobrimos que, se você observar as comunidades em geral e todas as espécies que compõem essas comunidades, a taxa metabólica média da comunidade tende a permanecer inalterada ao longo do tempo”, disse Strotz. “Parece haver estase evolutiva nas comunidades no nível energético. Em termos de absorção de energia, novas espécies se desenvolvem – ou a abundância das que ainda estão por perto aumenta – para preencher a lacuna, à medida que outras espécies são extintas. Isso foi uma surpresa, pois você esperaria que a taxa metabólica da comunidade mudasse com o passar do tempo. Em vez disso, a absorção média de energia permanece a mesma ao longo de milhões de anos para esses bivalves e gastrópodes, apesar das inúmeras extinções”.

Strotz disse que usou moluscos para estudar o fenômeno da contribuição do metabolismo para as taxas de extinção devido aos amplos dados disponíveis sobre espécies vivas e extintas.

“Você precisa de conjuntos de dados muito grandes com muitas espécies e ocorrências”, disse ele. “Muitas dessas espécies de bivalves e gastrópodes ainda estão vivas, então muitos dos dados que precisamos para fazer este trabalho podem vir do que sabemos sobre a fisiologia de bivalves e gastrópodes vivos. A razão pela qual escolhemos o Atlântico Ocidental como área de estudo é porque temos excelentes grandes conjuntos de dados que registram a distribuição de moluscos fósseis e vivos desta região. Usei muito material fóssil de coleções nos EUA”.

Segundo a equipe de pesquisa, uma continuação dessa linha de investigação será estabelecer até que ponto a taxa metabólica influencia as taxas de extinção de outros tipos de animais.

“Vemos esses resultados como generalizáveis ​​para outros grupos, pelo menos dentro do reino marinho”, disse Strotz. “Alguns dos próximos passos são expandir isso para outros clados, para ver se o resultado é consistente com algumas coisas que sabemos sobre outros grupos. Há dúvida se isso é apenas um fenômeno de moluscos? Há alguma justificativa, dada o tamanho deste conjunto de dados, e o longo período de tempo que ele cobre, de que isso é generalizável. Mas precisamos saber – pode ser aplicado a vertebrados? Pode ser aplicado em seres terrestres?”