O derretimento do gelo revelou um acervo espetacular de antigos artefatos de caça na Noruega

0
78
Crédito: Conselho do Condado de Innlandet.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Arqueólogos descobriram um “tesouro” de artefatos enquanto outra grande camada de gelo derrete nas montanhas norueguesas, revelando um total de 68 flechas e muitos outros itens de um antigo local reservado para caça de renas.

As primeiras descobertas datam de 6.000 anos, de acordo com a datação por radiocarbono. Eles incluem ossos e chifres de rena, bem como gravetos assustadores usados ​​para conduzir os animais a locais onde eles poderiam ser caçados com mais facilidade.

Achados como esse estão se tornando cada vez mais comuns à medida que as temperaturas globais aumentam – especialmente sob camadas estáticas de gelo, que não se movem e quebram objetos da mesma forma que as geleiras. À medida que o futuro do planeta se torna mais incerto, mais de seu passado está sendo revelado.

“É o local de gelo do mundo com mais flechas já encontrado – e por uma grande margem dos outros encontrados”, escreve o arqueólogo Lars Pilø, do Departamento de Patrimônio Cultural do Conselho do Condado de Innlandet, na Noruega. “Fazer trabalho de campo aqui e encontrar todas as flechas foi uma experiência incrível, o sonho de um arqueólogo”.

“Lembro-me de ter dito à equipe: ‘Aproveite o momento o máximo que puder. Você nunca mais experimentará nada parecido'”.

As descobertas potenciais foram tão significativas que o grupo de pesquisadores manteve a localização do local – a camada de gelo de Langfonne nas montanhas Jotunheimen – um segredo por anos, até que todos os artefatos fossem recuperados.

As datas dos achados vão desde a Idade da Pedra até o período medieval, com diferentes padrões em diferentes períodos de tempo. A maioria das flechas são do Neolítico Superior (2400-1750 a.C.) e da Idade do Ferro Tardia (550-1050 d.C.).

Ao tentar juntar um pouco da história da área a partir das descobertas, os pesquisadores tiveram que levar em consideração vários fatores diferentes: o movimento do gelo e da água derretida, o impacto dos ventos e da exposição, e assim por diante.

A camada de gelo de Langfonne. Crédito: Conselho do Condado de Innlandet.

É provável que os elementos da natureza já tenham retirado a maior parte dos artefatos do local, de acordo com a equipe, enquanto outros itens ainda estão fixos no lugar – como os galhos assustadores que teriam levado as renas a um ponto a nordeste da camada de gelo.

“É importante ter em mente que as manchas de gelo não são sítios arqueológicos regulares”, escreve Pilø. “Eles estão situados nas montanhas altas, em um ambiente frio e hostil. As forças da natureza estão em uma escala muito diferente aqui em cima do que em sítios arqueológicos normais nas terras baixas”.

A maneira como algumas das flechas foram esmagadas sugere que as camadas de gelo de fato se movem com mais regularidade do que se pensava, uma ideia sustentada por um levantamento do local feito por radar de penetração no solo. Estamos aprendendo mais sobre como o clima funciona, mesmo quando não estamos conseguindo gerenciá-lo adequadamente.

A camada de gelo de Langfonne tem agora menos de um terço do tamanho de 20 anos atrás e se dividiu em três seções separadas – estima-se que haja cerca de 10 por cento da cobertura de gelo aqui do que havia na Pequena Idade do Gelo (do século 15 ao século 20).

É necessário um trabalho de detetive considerável para descobrir como a condição e a localização dessas descobertas apontam para os movimentos do gelo, das renas e das pessoas. Os pesquisadores acreditam que a caça às renas se intensificou pouco antes da Era Viking (por volta de 800 d.C.), mas ainda há muito a aprender.

“O estudo fornece a primeira estrutura coesa para entender como achados arqueológicos no gelo são afetados por processos naturais, e por sua vez de que maneira podemos interpretar as descobertas”, disse Pilø ao Earther.

“Coisas muito básicas, na verdade, são questões que foram resolvidas há muito tempo em outras áreas da arqueologia. Mas, novamente, camadas de gelo derretido não são seus sítios arqueológicos regulares. Este é o primeiro passo”.

A pesquisa foi publicada no Holocene.