O impacto da COVID-19 no mundo

0
250

Por Jonathan H. Kantor
Publicado no ListVerse

Um dos impactos mais interessantes da COVID-19 no mundo, no que diz respeito às imagens, não é tanto o que vemos, mas o que não vemos. Enquanto as pessoas se isolaram dentro de suas casas, o mundo ficou praticamente silencioso e vazio.

À medida que a crise continua em todo o mundo, imagens estão surgindo online de lugares vazios que normalmente recebem milhares de visitas diariamente. Os corpos estão se acumulando em cidades sem equipamento para lidar com a pandemia, e o mundo assiste tudo pela Internet. Confira a seguir, dez imagens impressionantes que mostram o impacto da COVID-19 em todo o planeta.

A Grande Mesquita e Kaaba em Meca, Arábia Saudita

As probabilidades são de que, mesmo que você não seja membro da religião islâmica, conheça a Grande Mesquita e a Kaaba em Meca, na Arábia Saudita. É o local do Haje, uma peregrinação que todo muçulmano deve fazer pelo menos uma vez na vida. O lugar costuma receber até cinco milhões de pessoas durante o Dhu al-Hija no calendário islâmico. Em 2020, cai entre 22 de julho e 19 de agosto de 2020, e se o mundo retornar a qualquer aparência de normalidade até essas datas, milhões de pessoas serão vistas visitando o local sagrado.

Essa foto foi tirada em 5 de março e, embora essa não seja uma data de qualquer significado particular no calendário islâmico, a Grande Mesquita normalmente recebe milhares de visitantes em qualquer dia. A razão pela qual estava vazia foi devido à ordem do governo de ser completamente limpa e higienizada por medo de espalhar a COVID-19. Foi inaugurada no dia seguinte, mas ainda recebeu muito menos visitantes do que o normal. Um dos motivos pelos quais os números foram baixos foi porque o Reino proibiu a entrada de visitantes estrangeiros no país em 27 de fevereiro.

A avenida Corniche em Beirute, no Líbano

Na cidade libanesa de Beirute, a avenida Corniche é um dos principais destinos turísticos. Há um passeio marítimo forrado com palmeiras e uma bela vista para o mar, onde milhões de visitantes e moradores locais podem ser vistos desfrutando da área durante todo o ano. Normalmente, o local é movimentado com pessoas indo em passeios a pé para visitar os restaurantes locais, mas ele não foi poupado do surto, e durante todo o mês de março e abril, a avenida Corniche se tornou uma cidade fantasma.

Esta fotografia tirada por Mohamed Azakir mostra a avenida popular completamente desprovida de atividade humana de qualquer tipo. Não se vê mais os corredores, os caminhantes, os artistas de rua, os famosos vendedores com carrinhos, e todos as outras pessoas que normalmente seriam vistas em um dia qualquer. A vista atípica de Corniche é o resultado de um toque de recolher obrigatório do governo, deixando muitos presos dentro de suas casas. Vistas como esta são comuns em todo o mundo enquanto a crise da COVID-19 piora, e esta é apenas uma das muitas imagens semelhantes encontradas em toda a Internet.

Distanciamento social em Colombo, Sri Lanka

Embora o ano de 2020 possa estar na história como sendo o ano onde uma pandemia que varreu o mundo, mais pessoas provavelmente lembrarão dele por causa de duas palavras: distanciamento social. As sociedades, onde as pessoas normalmente se cumprimentam com um aperto de mão caloroso ou um beijo em cada bochecha, encontram-se o mais afastadas possível uma da outra.

Esta foto foi tirada no Sri Lanka por Dinuka Liyanawatte do lado de fora de uma mercearia em Colombo. As pessoas da foto podem ser vistas usando máscaras e estão afastadas aproximadamente um metro. A maioria dos governos e a OMS estão dizendo às pessoas para dobrar essa distância, mas nem sempre é possível, deixando muitos em risco, mas desesperadamente necessitando de suprimentos. O Sri Lanka decretou um toque de recolher para seus cidadãos antes desta fotografia, mas o relaxou por um curto período de tempo após uma pausa nos casos relatados.

Necrotérios móveis em caminhões refrigerados segurando corpos na cidade de Nova York

Uma cena em que ninguém quer ser lembrado ao pensar nessa crise daqui a alguns anos é a que mostra o peso que o vírus causou à vida das pessoas. Algumas das cidades mais atingidas rapidamente descobriram que não haveria apenas falta de leitos hospitalares para os doentes; também haveria um fardo para necrotérios, médicos legistas e agentes funerários. Todos estavam tão concentrados na necessidade de respiradores e leitos hospitalares, que poucos pensaram no que fazer quando os corpos começaram a se acumular. Felizmente, houve quem planejasse com antecedência, e isso nos leva à imagem apresentada aqui.

Esta foto, tirada por John Minchillo, mostra corpos sendo carregados em caminhões refrigerados do lado de fora de um hospital da cidade de Nova York. NY foi uma das cidades americanas mais atingidas nos primeiros dias da crise, e seus hospitais rapidamente atingiram a capacidade em vários serviços, incluindo o armazenamento de mortos. O hospital do Brooklyn é um dos muitos que adotaram essas medidas para armazenar corpos, e a cidade possui muitos. Até a data dessa publicação, Nova York já registrou mais de 16 mil por mortes por COVID-19.

Italianos em quarentena cantando juntos em suas varandas

Logo depois que a China começou a implementar medidas massivas de quarentena em Wuhan e outras áreas, os números relatados no país mostraram um declínio em casos e mortes. Quando esses números começaram a cair, eles dispararam em lugares como a Itália, que foi um dos países mais atingidos fora da China durante o mês de março. À medida que o distanciamento social se tornou a norma na Itália, seus cidadãos se viram isolados em suas casas com pouco a fazer além de se preocupar com o que estava acontecendo nos hospitais e do lado de fora de suas portas.

Em uma tentativa de combater o isolamento e o sentimento de pavor que muitos estavam experimentando, pessoas de todo o país foram às suas varandas e começaram a cantar músicas umas com as outras. Em 13 de março, pessoas de toda a Itália foram às suas varandas para cantar coletivamente o hino nacional “Inno di Mameli”, em uma demonstração de unidade durante a crise. Esta foto tirada por Mairo Cinquetti mostra uma mulher cantando de sua varanda e, se você ainda não viu, existem milhares de fotografias e vídeos de pessoas cantando entre si por toda a Internet.

Selfie do Dr. Li Wenliang de sua cama no hospital pouco antes de sucumbir à COVID-19

A COVID-19 afetou milhões de pessoas em todo o mundo, mas os mais ameaçados não são os idosos e os imunocomprometidos; são os funcionários do hospital que lutam contra o vírus todos os dias. Em todo o mundo, médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde passam longos dias e noites ainda mais cuidando dos doentes e morrendo com pouco ou nenhum equipamento de proteção pessoal para mantê-los seguros. Um dos primeiros médicos a sucumbir para a doença, embora não seja o primeiro e, infelizmente, nem o último, foi o Dr. Li Wenliang, de Wuhan, na China.

O Dr. Li era o denunciante, que soou o alarme inicial por causa de um vírus que ele observava semelhante à SARS. Ele foi advertido pelo Partido Comunista da China por “fazer comentários falsos na Internet”. Depois de contrair o vírus contra o qual estava lutando, ele tirou esta foto da cama do hospital. Ele morreu em 7 de fevereiro, e esta fotografia se tornou viral. Logo após sua morte, o Partido Comunista da China emitiu um “pedido de desculpas solene” por sua advertência ao Dr. Li, embora, naquele momento, o vírus tenha se espalhado para fora das fronteiras do país.

Avião de carga russo cheio de estoques de suprimentos nos EUA

Quando o governo dos Estados Unidos começou a levar a sério a ameaça iminente da COVID-19, tornou-se aparente que o equipamento de proteção individual e os respiradores seriam escassos. Histórias de estoques governamentais contendo milhares de respiradores inutilizáveis ​​devido a vencimentos de contratos de manutenção e avisos de autoridades para limitar o EPI a pessoas que apresentavam sintomas começaram a aparecer em toda a Internet. Os governadores deveriam competir entre si por equipamentos dos fornecedores e alguns funcionários do hospital foram forçados a reutilizar máscaras por até uma semana.

Os suprimentos eram um problema, mas alguns países que inicialmente não foram atingidos com tanta força quanto os Estados Unidos fizeram o que podiam para ajudar. A Rússia encheu um avião com suprimentos e os enviou para os Estados Unidos, o que resultou nessa fotografia que circulou online por semanas. A aeronave foi enviada aos Estados Unidos após uma ligação telefônica individual entre os líderes dos dois países. O presidente Putin fez o gesto com a consideração de que, caso os EUA observarem uma queda nos casos, e a Rússia observar um aumento, os Estados “irão retribuir se necessário”.

Desabrigados em Las Vegas dormindo em redes de distanciamento social

Durante uma pandemia em que os governos estão dizendo a todos os cidadãos para se auto-isolarem em suas casas, rapidamente se tornou evidente que havia uma população considerável que não podia seguir essa orientação. Os sem-teto correm maior risco de contrair a doença, mas isso não é apenas o resultado de terem que dormir fora; é principalmente devido à sua proximidade um com o outro. Quer estejam nas ruas ou em abrigos, os sem-teto geralmente se encontram muito próximos uns dos outros, o que os torna suscetíveis a COVID-19, e também aumenta a probabilidade de infectar outras pessoas.

A infecção exponencial é uma das maiores preocupações no que diz respeito ao COVID-19 e, em cidades como Las Vegas, a maneira como a cidade teve que lidar com isso tornou-se notícia internacional. Os abrigos foram obrigados a fechar em meio à crise, deixando 500 nas ruas. A cidade pintou grades no estacionamento superior do Cashman Center, com cada quadrado sendo um local para uma pessoa dormir.

Rostos de trabalhadores de saúde após trabalhar com pacientes com COVID-19 por dias

Um termo que poucas pessoas fora do setor de saúde ouviram antes da crise, “N95”, tornou-se um que quase todo mundo conhece agora. As máscaras N95 são máscaras descartáveis ​​robustas, capazes de impedir a propagação da COVID-19 e de muitos outros patógenos no ar (um dos motivos pelos quais elas rapidamente se tornaram necessárias para os profissionais de saúde do mundo). Infelizmente, elas se tornaram cada vez mais raras à medida que o vírus se espalhou, e é por isso que muitos médicos e enfermeiros tiveram que reutilizá-las por muito mais tempo do que normalmente teriam.

Problemas de suprimentos à parte, as máscaras N95 funcionam bem porque ficam bem no rosto e não são as coisas mais confortáveis ​​de usar por longos períodos de tempo. Durante o mês de março, as pessoas começaram a compartilhar fotos de como ficavam depois de trabalhar por horas e dias enquanto usavam as máscaras. Rostos machucados ao redor dos olhos e da boca se tornaram comuns. As fotos não mostram apenas pessoas machucadas e cansadas, elas mostram homens e mulheres trabalhando na linha de frente para combater a doença, muitos dos quais trabalharam por longos turnos de 12, 18 e 24 horas.

O navio USNS Comfort e a Estátua da Liberdade

Leitos hospitalares, ou mais precisamente, a falta de leitos hospitalares se tornou um problema logo após o coronavírus chegar aos Estados Unidos. Faz sentido, pois os hospitais não estão acostumados a lidar com uma pandemia, eles estão lá para tratar e cuidar de pacientes em condições operacionais normais. Isso funciona bem quando o mundo não está passando por uma pandemia, mas em cidades como Nova York e Los Angeles, a escassez de leitos hospitalares devido ao afluxo de pacientes com COVID-19 causou dois problemas distintos.

Não havia camas suficientes para os pacientes com COVID-19 e quase não havia camas disponíveis para as pessoas que sofriam com todo o resto. As pessoas que precisavam de cirurgia, tratamento de quimioterapia e todas as outras questões que as levam aos hospitais, estavam sofrendo com a falta de capacidade para tratá-las. Para combater o problema, a USN enviou dois navios, o USNS Comfort e o USNS Mercy, para Nova York e Los Angeles, respectivamente. Ambas as embarcações foram projetadas para aliviar o fardo, fornecendo 1.000 leitos hospitalares para pacientes que não sofrem da COVID-19, embora desde que eles cheguem, o USNS Comfort atenda pacientes que sofrem da doença.

Fotos como esta mostrando a Estátua da Liberdade em primeiro plano do USNS Comfort quando ele se aproximava do porto se espalharam por toda a Internet. A chegada indicou uma demonstração de apoio e um sinal de esperança nos próximos dias.

BÔNUS: Escassez de papel higiênico

Por qualquer motivo, pessoas em todo o mundo começaram a entrar em pânico quando a crise da COVID-19 piorou. Mesmo em países que ainda não haviam diagnosticado um único caso, as pessoas procuravam lojas, mas não estavam lá para comprar arroz, feijão ou outros alimentos sustentáveis ​​duradouros; elas estavam lá para comprar papel higiênico – e muito. É bastante inexplicável, mas o papel higiênico se tornou a mercadoria mais procurada de março de 2020, e as pessoas se alinhavam para obter um único pacote de rolos da mesma maneira que as pessoas tinham que alinhar seus carros para comprar gasolina durante o Embargo de Petróleo da OPEP.

Durante semanas, você não conseguiu encontrar um único rolo de papel higiênico, e fotos como essa podiam ser vistas em todas as mídias sociais e sites de notícias. Os suprimentos de produtos de papel estavam completamente ausentes das prateleiras das lojas em todo o mundo. Imagens como essa são comuns em toda a Internet e, embora possa ser problemático para alguns, as empresas que produzem e instalam bidês estão desfrutando de um aumento nas vendas, à medida que mais e mais pessoas percebem que não terão nada para limpar muito em breve.