O Megalodonte era assustadoramente grande, mesmo comparado a seus parentes extintos, revela estudo

0
330
Créditos: MediaProduction / iStock.

Por Mindy Weisberger
Publicado na Live Science

O Megalodonte foi o tubarão mais monstruoso que já existiu, e seu tamanho gigantesco era altamente incomum mesmo entre os tubarões de seu período, descobriram os cientistas recentemente.

Na verdade, o gigantismo do Megalodonte – estima-se que tenha medido até 15 metros de comprimento ou quase tão longo quanto uma pista de boliche – estava “fora da escala”, escreveram pesquisadores em um novo estudo.

Evidências de tubarões extintos e vivos da ordem Lamniformes, o grupo que inclui o Megalodonte, revelaram que não apenas o rei dos tubarões era um exagero extremo de tamanho quando comparado às espécies modernas, mas também era substancialmente maior do que o segundo maior tubarão extinto na ordem dos Lamniformes em pelo menos 7 metros, relataram os cientistas.

Os tubarões modernos são certamente miniaturas quando comparados com o Megalodonte (Otodus megalodon). A maior espécie predatória conhecida, o grande tubarão branco (Carcharodon carcharias), cresce até cerca de 6 metros de comprimento, e o tubarão-baleia que se alimenta por filtração (Rhincodon typus), a maior espécie de peixe viva hoje, mede cerca de 6 a 10 metros do nariz à ponta da cauda, ​​em média.

Existem 13 espécies de tubarões lamniformes vivos hoje; estes incluem tubarões-mako (do gênero Isurus), tubarões-duendes que vivem no fundo do mar (Mitsukurina) e tubarões-raposa (Alopias), bem como os tubarões-brancos.

A maioria dos fósseis de Megalodonte datam de cerca de 15 milhões de anos atrás, e os lamniformes eram abundantes do final da era Mesozoica (252 milhões a cerca de 66 milhões de anos atrás) até o início da era Cenozoica (65 milhões de anos atrás até o presente).

No entanto, pouco se sabe sobre a anatomia dos lamniformes extintos; como os esqueletos de tubarão são feitos de cartilagem em vez de osso, eles são extremamente raros no registro fóssil, exceto pela abundância de seus dentes fossilizados, disse o autor do estudo Kenshu Shimada, professor de paleobiologia da Universidade DePaul em Chicago (EUA) e pesquisador associado no Museu Sternberg em Kansas (EUA).

O tamanho do dente pode ser usado para estimar o tamanho do corpo de um tubarão, porque conforme os tubarões crescem, eles substituem continuamente seus dentes, ficando mais novos e maiores com o tempo. No novo estudo, Shimada e seus colegas fizeram uma nova ferramenta para calcular o comprimento do corpo: uma equação que representa a relação quantitativa real entre o comprimento do corpo e o tamanho do dente em lamniformes.

Acima: Desenho esquemático mostrando a distribuição dos tamanhos máximos possíveis de todos os gêneros não planctívoros conhecidos na ordem dos tubarões Lamniformes, compreendendo espécies modernas (em cinza) e extintas (em preto; com silhuetas hipotéticas) e em comparação de escala com um humano adulto médio (em vermelho). Créditos: Kenshu Shimada / Universidade DePaul.

Eles se basearam nos dentes e comprimentos corporais conhecidos de 32 espécimes de tubarões lamniformes predadores, representando todas as 13 espécies que não são comedoras de plâncton, disse Shimada ao Live Science por e-mail. Eles, então, aplicaram essa equação para lamniformes predadores extintos.

Os cientistas descobriram que muitos tubarões lamniformes extintos eram bastante grandes, com quatro gêneros mesozoicos (Cretodus, Cretoxyrhina, Hispidaspis  e Scapanorhynchus ) e quatro gêneros Cenozoicos (Alopias, Carcharodon, IsurusOtodus) contendo pelo menos uma espécie de tubarão que cresceu mais de 6 metros de comprimento.

Por que esse grupo tem tantos tubarões gigantes? Seu gigantismo pode ser associado a uma estratégia reprodutiva: filhotes ainda não nascidos “tinham um comportamento canibalista único de comer ovos” que serviriam de nutrientes para embriões prematuros, permitindo que cresçam ainda dentro de suas mães alimentando-se de seus irmãos, disse Shimada no e-mail.

Mas, embora os pesquisadores tenham descoberto que o gigantismo era comum em várias linhagens lamniformes, o Megalodonte também era muito maior que os tubarões extintos.

“Esperávamos que o Megalodonte fosse grande”, disse Shimada.

O que eles não previram era que haveria uma lacuna de 7 metros entre o Megalodonte e o segundo maior tubarão lamniforme predatório no registro fóssil, disse ele. De acordo com seus cálculos, todos os outros lamniformes que não comiam plâncton não cresceram mais do que 7 metros de comprimento, relataram os autores.

Embora a imagem do Megalodonte esteja agora um pouco mais clara do que antes, muitas questões fundamentais sobre o tamanho do enorme super-tubarão ainda estão sem resposta, como os detalhes de sua estrutura corporal e o que causou o gigantismo exagerado do Megalodonte, disse Shimada.

“O porquê Megalodonte foi extinto é outra grande questão fundamental que permanece sem solução”, acrescentou.

As descobertas foram publicadas online em 5 de outubro na revista Historical Biology.