O poder do “Pálido Ponto Azul”, o único lar que conhecemos até hoje

A fotografia capturada pela Voyager 1 há mais de 30 anos, inspirou gerações de pessoas a olharem de forma diferente nosso lugar no Universo.

0
284
O Pálido Ponto Azul republicado pela NASA em 2020 por causa do 30º aniversário da imagem. Usando programas modernos para processamento de imagem, o brilho e as cores foram balanceados para aumentar a nitidez da área contendo a Terra.

Por Graham Lau
Publicado no Orbiter

“É aqui. É a nossa casa. Somos nós.”
— Carl Sagan

Quando a sonda Voyager 1 estava a 6 bilhões de km da Terra, Carl Sagan fez um pedido. Ele pediu à NASA que desse meia-volta para tirar uma fotografia rápida. O resultado foi uma imagem tênue da Terra cercada pela vastidão do espaço. O falecido astrônomo usaria então esta imagem para compartilhar suas próprias reflexões sobre o que significava e por que era importante para nós capturá-la:

Vista a seis bilhões de quilômetros, a Terra é um minúsculo ponto (a mancha azulada-branca que se encontra aproximadamente no meio da faixa marrom) perdida na vastidão do espaço profundo.

Em 2017, apenas alguns meses antes do final culminante de sua missão, a Cassini enviou para casa uma foto da Terra a partir da órbita de Saturno, a pouco menos de 1,4 bilhões de quilômetros de distância. Se você olhar de perto para uma versão ampliada, poderá ver a Lua como um ponto ainda mais fraco, à direita da Terra.

Nós, humanos, não somos muito bons quando se trata de nosso senso de escala – particularmente no contexto da vastidão do Universo. Pense em uma laranja. Você pode visualizar facilmente não apenas a fruta, mas também seu tamanho – um objeto esférico que caberia em sua mão. Mas se você pensar em algo como um átomo – uma das partículas compostas de prótons, nêutrons e elétrons que constituem a parte do Universo que percebemos – então provavelmente você realmente não tem um bom senso intuitivo do tamanho disso. Você pode ver em sua mente um modelo de átomos, mas isso realmente não significa que você tenha um bom senso da escala de um átomo.

Os átomos podem variar ligeiramente em tamanho, mas digamos que um átomo típico esteja em torno de 100 pm (isso é 100 picômetros, ou 10-10 metros). Embora as laranjas também possam variar em tamanho, uma laranja é geralmente cerca de um bilhão de vezes maior que um átomo. Para se ter uma ideia de quanto isso é maior, a diferença entre os tamanhos de um átomo e uma laranja é quase a mesma que a diferença de tamanho entre você e o diâmetro do sol! Eu sei, é incompreensível. Mas mesmo as pessoas que pesquisam física de partículas ou ciência planetária têm dificuldade em entender esses tamanhos e escalas.

Ainda assim, comparar o tamanho dos átomos com outras coisas (por exemplo, laranjas, humanos, sistemas solares) nos dá uma pequena perspectiva. Ajuda a estruturar nossa compreensão, tornando essas coisas mais relevantes para nossa vida cotidiana. O mesmo pode ser feito com o tempo. Somos muito bons em entender minutos, horas e dias, mas quando se trata de entender coisas que aconteceram milhões ou bilhões de anos atrás (ou que não acontecerão até muito tempo no futuro), é útil comparar esses períodos de tempo com as coisas que entendemos.

Mas encontrar maneiras relativas de compreender a escala em nosso Universo é mais do que enquadrar o que aprendemos sobre o Cosmos em nosso lugar atual no tempo e no espaço. Também descobrimos algo sobre o significado de nossas próprias vidas quando nos vemos através de lentes cósmicas.

Encontrando significado na insignificância

Um céu negro com um horizonte lunar cinza com crateras. Uma pequena Terra azul com nuvens brancas espalhadas está logo acima do horizonte, com cerca de dois terços da Terra iluminados pelo Sol e o restante na escuridão. O Nascer da Terra, fotografia do astronauta William Anders da Terra nascendo do horizonte lunar, durante a missão Apollo 8.

Além de ser uma imagem incrivelmente bonita, o Pálido Ponto Azul nos dá uma perspectiva da escala do nosso mundo. Assim como podemos segurar uma laranja e saber que ela é bilhões de vezes maior do que apenas um dos átomos que a compõem, quando olhamos para o Pálido Ponto Azul – nosso mundo como um pequeno ponto de luz a 6 bilhões de km de distância – ele nos dá uma escala de referência. Esse pálido ponto azul nos lembra que nosso mundo – e tudo nele – é tão minúsculo, em comparação com nosso Sistema Solar, como um átomo é para uma laranja.

Quando falamos sobre essa perspectiva de escalas literalmente astronômicas, algumas pessoas se sentirão insignificantes – diminuídas em relação ao Universo. E, de certa forma, somos insignificantes – nossas ações e atitudes diárias não têm efeito nas órbitas dos mundos ao redor de nossa estrela e, no grande escopo da história cósmica, as posturas e pretensões de “grandes líderes” tornam-se triviais.

Mas nossa insignificância em uma escala não impede nosso significado em outras escalas. Nossas ações podem não ter muito efeito perceptível nas órbitas planetárias, mas nossas ações podem ter grande impacto quando ajudamos um amigo necessitado, ensinamos algo novo a alguém ou alegramos o dia de um transeunte com um sorriso ou gesto de gentileza. Somos mais do que simples engrenagens de uma máquina. Somos membros ativos de nossas famílias e comunidades e, em uma escala maior, atores-chave na biosfera mundial.

Os elementos químicos subjacentes que criam planetas, estrelas e sistemas solares são precisamente os mesmos que criaram nossos corpos, cérebros e tudo o mais que observamos. Para você se sentir ameaçado pelo tamanho do Universo, você tem que tratá-lo como se fosse algo que existe independentemente de você. Pelo que sabemos, não é esse o caso. O Universo pode ser vasto, incerto e conter partes que podemos não entender, mas não está separado.

Quando a Voyager 1 fotografou a imagem do Pálido Ponto Azul em 14 de fevereiro de 1990, ela nos deu uma nova imagem para nosso álbum de fotos de perspectiva. Isso nos lembrou que somos pilotos neste mundo juntos. Quando olhamos para o Pálido Ponto Azul, devemos lembrar que, embora nossas ações hoje provavelmente não sejam registradas em nenhuma escala planetária ou galáctica, essa tênue partícula de poeira em que vivemos é tudo o que conhecemos e devemos tratá-la com respeito.