Observações do ESO mostram o primeiro asteroide interestelar detectado no Sistema Solar

European Southern Observatory

Por Matías Zavia
Publicado no Gizmodo

Em 19 de outubro de 2017, o telescópio Pan-STARRS1 da ilha de Maui, no Havaí, detectou um tênue ponto de luz que se movia rapidamente pelo céu. Parecia um asteroide como qualquer outro, até que os astrônomos estudaram sua órbita e descobriram que era um visitante do espaço interestelar.

É a primeira vez que se observa um objeto que proveio de outra estrela. Os astrônomos pensaram inicialmente que era um cometa, mas tinha passado por seu ponto mais próximo do Sol em setembro e não mostrava nenhum sinal de atividade. Ele foi oficialmente classificado como um asteroide interestelar em novembro e recebeu o nome de 1I/2017 U1 ‘Oumuamua, que, em havaiano, significa “um mensageiro de longe que chega primeiro”.

Os pesquisadores tiveram que agir rapidamente. ‘Oumuamua tinha começado seu caminho de volta ao espaço interestelar e logo deixaria de ser visível. O Very Large Telescope foi acionado para a ação e o Observatório Europeu do Sul colocou seu olhar no asteroide. O que eles descobriram foi igualmente surpreendente: ‘Oumuamua não se parecia com nada que tivessem visto até o momento.

Combinando imagens de vários instrumentos, o Instituto de Astronomia do Havaí descobriu que o brilho de ‘Oumuamua variava drasticamente por um fator de dez à medida que girava em seu eixo a cada 7,3 horas. Uma variação invulgarmente grande que indicava que o objeto era muito alongado, com uma forma muito complexa.

‘Oumuamua é objeto denso e escuro, possivelmente rochoso ou com um alto conteúdo de metal. Estima-se que tenha pelo menos 400 metros de comprimento e percorra a uma velocidade vertiginosa de 95 mil quilômetros por hora. Ele pode ter percorrido centenas de milhões de anos pela Via Láctea antes desse encontro fortuito com o Sistema Solar e, de fato, tem a superfície danificada pelo efeito da radiação cósmica que recebeu em sua longa jornada.

Os astrônomos acreditam que esses tipos de asteroides interestelares passam através do sistema solar interno aproximadamente uma vez por ano, mas são tão tênues e difíceis de detectar que nunca tínhamos visto um até agora, graças aos potentes telescópios topográficos modernos, como o Pan-STARRS.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorA aparência real de dois adolescentes que viveram há 30 mil anos
Próximo artigoRelâmpagos causam reações nucleares no céu
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.