Olhos biônicos: como a tecnologia está substituindo a visão perdida

Olhos biônicos podem ser a solução para um dos problemas médicos mais urgentes do nosso tempo.

0
159
Créditos: Future plc / Adrian Mann.

Por Mark Smith
Publicado na Live Science

A criação de olhos biônicos, como resultado dos recentes avanços na ciência e tecnologia, está restaurando a esperança para muitos que são incapazes de ver ou têm visão parcial devido a lesões, doenças ou genética.

Com quase 40 milhões de pessoas que sofrem de cegueira em todo o mundo e outros 135 milhões afetados por baixa visão, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a necessidade de novas soluções é premente. A tecnologia dos olhos biônicos poderia guiar esse caminho?

Um olho saudável recebe luz através da pupila e uma lente focaliza essa luz na parte de trás do olho, onde há uma espessa camada de tecido sensível à luz chamada retina. Células chamadas fotorreceptores transformam a luz em sinais elétricos que viajam pelo nervo óptico até o cérebro, que então interpreta as imagens.

Mas os problemas ocorrem quando parte desse sistema é interrompido, muitas vezes por doenças degenerativas que podem danificar partes da retina. É aqui que a tecnologia intervém para preencher a lacuna na parte do processo que está faltando ou danificada.

Tecnologia dos olhos biônicos

Em 2009, cirurgiões do hospital de Manchester e Moorfields, no Reino Unido, realizaram o primeiro teste do mundo dos olhos biônicos Argus II para pacientes com retinite pigmentosa, de acordo com a Universidade de Manchester. Eles implantaram os dispositivos em dez pacientes com perda de visão. O Argus II ajudou os pacientes a reconhecer formas e padrões e, em 2013, a Food and Drug Administration dos EUA aprovou legalmente o uso do dispositivo.

Brian Mech da Second Sight usando o Argus II. Crédito: Getty Images.

Desenvolvimentos posteriores

A tecnologia dos olhos biônicos continuou a se desenvolver e, em 2021, pesquisadores da Keck School of Medicine da USC criaram um modelo de computador avançado para imitar a retina humana, de acordo com a Association for Computing Machinery (ACM). Isso replica as formas e posições de milhões de células nervosas e pode ajudar a trazer visão de cores e maior nitidez à tecnologia.

Cientistas da Universidade de Sydney e da UNSW realizaram recentemente testes bem-sucedidos do olho biônico Phoenix99 em ovelhas, para determinar como o corpo se cura quando é implantado com o dispositivo.

Os pesquisadores disseram que não houve reações inesperadas e esperam que possa permanecer com segurança no organismo por “muitos anos”. O trabalho agora abrirá caminho para testes em humanos. Um dos problemas com a tecnologia, porém, é que ela pode ser relativamente grande, então a corrida está para encontrar novas maneiras de alimentar e miniaturizar os olhos biônicos.

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Harbin (HIT) na China e da Universidade da Nortúmbria desenvolveram recentemente um sistema de baixa potência para controlar os dispositivos sinápticos nos olhos biônicos, com o professor PingAn Hu descrevendo-o como um “avanço significativo” de acordo com o comunicado de imprensa da Universidade da Nortúmbria.

Doenças que destroem a visão

Há toda uma gama de condições, algumas que são adquiridas devido ao processo de envelhecimento e outras que podem ser herdadas, podendo causar deterioração da visão.

Os olhos biônicos funcionam “preenchendo os espaços em branco” entre o que a retina percebe e como é processado no córtex visual do cérebro, em uma deterioração que ocorre em condições que afetam a retina. São em grande parte essas condições que os olhos biônicos podem ajudar a tratar.

De acordo com o Tufts Medical Center, uma dessas doenças é a retinite pigmentosa, um grupo de doenças genéticas raras que envolvem uma deterioração e perda de células nessa parte do olho.

Outra condição é a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), uma doença ocular que pode borrar a visão central de alguém. A condição ocorre quando o envelhecimento causa danos à mácula, a parte do olho que controla a visão nítida e direta.

Além de doenças degenerativas, os olhos biônicos poderiam, em teoria, ser usados ​​para tratar pessoas que sofreram lesões físicas que também levaram a danos na retina, de acordo com a Nature.

Uma imagem de uma degeneração macular na parte de trás do olho. Crédito: Getty Images.

Pioneirismo mundial

O primeiro paciente a receber um olho biônico foi o idoso Keith Hayman em 2009, de acordo com a Associação de Optometristas do Reino Unido. Ele estava na casa dos 20 anos quando foi diagnosticado com retinite pigmentosa e ficou cego vários anos depois.

Depois de receber o olho biônico no Hospital Real dos Olhos de Manchester, ele conseguiu ver a diferença entre claro e escuro e pôde detectar pessoas em movimento.

Ele disse: “Isso significa que posso ver meus netos pela primeira vez. Quando eles vêm me ver, eles usam camisetas brancas para me ajudar a olhar para eles. Eu não poderia dizer muito sobre como eles se parecem, mas pelo menos posso vê-los chegando agora!”