Operação Paperclip: os cientistas nazistas que ajudaram a construir o programa espacial americano

0
351

Por Jeremy Bender
Publicado no Business Insider

Quando a Segunda Guerra Mundial chegou ao fim, os Estados Unidos correram para coletar o maior número possível de cientistas nazistas possível através de uma missão secreta chamada Operação Paperclip. Como alguns haviam sido considerados criminosos de guerra em Nuremberg, as forças armadas dos EUA esconderam os antecedentes de muitos cientistas na tentativa de justificar suas contratações.

Sabendo que uma tensão já estava se formando com a União Soviética, esses cientistas foram empregados pelos EUA em uma ampla variedade de papéis. Abaixo estão alguns dos ex-nazistas mais influentes que desempenharam papéis inquestionavelmente grandes no domínio tecnológico emergente da América durante a Guerra Fria.

Wernher von Braun (1912-1977) 

Wernher von Braun era membro de várias organizações políticas alemãs, incluindo a SS. Ele foi o principal desenvolvedor do foguete V-2. Este foguete foi o primeiro míssil balístico já criado.

Após a Operação Paperclip, Braun tornou-se o diretor da Divisão de Operações de Desenvolvimento da Agência de Mísseis Balísticos do Exército. Enquanto estava lá, ele desenvolveu o foguete Jupiter-C, usado para lançar o primeiro satélite da América. Ele também foi creditado como fundamental na liderança da missão lunar.

Werner Dahm (1917-2008)

Em sua defesa, Dahm se opôs aos nazistas e resistiu a se juntar ao partido até não ter outra opção. Sua pesquisa ajudou a levar ao desenvolvimento de túneis de vento supersônicos para o programa alemão de foguetes, além de grandes avanços no entendimento da aerodinâmica.

Após a Operação Paperclip, Dahm fez grandes contribuições para a corrida espacial americana. Ele trabalhou nos sistemas de foguete auxiliar, aerotermodinâmica e propulsor a hidrogênio líquido do Saturn V. Por seu trabalho, ele se tornou chefe da divisão de aerofísica no Marshall Space Flight Center da NASA antes de se tornar chefe de aerodinâmica no NASA Center.

Hermann H. Kurzweg (1908-2000)

Kurzweg foi pesquisador chefe e vice-diretor do programa de foguetes V-2. Ele também ajudou a projetar túneis de vento supersônicos, além de realizar pesquisas aerodinâmicas no foguete antiaéreo Wasserfall.

Após a Operação Paperclip, Kurzweg tornou-se diretor técnico do Laboratório de Ordenanças Naval em Maryland, onde continuou sua pesquisa em aerodinâmica e aerobalística. Mais tarde, ele se tornou um pesquisador-chefe da NASA, investigando aerodinâmica e mecânica de voo.

Konrad Dannenberg (1912-2009)

Dannenberg trabalhou em estreita colaboração com von Braun, ajudando a desenvolver o foguete V-2. Ele também ajudou a projetar e lançar o primeiro objeto a ser enviado ao espaço pelos humanos.

Após a Operação Paperclip, Dannenberg ajudou os Estados Unidos a produzir foguetes e mísseis. Eventualmente, ele também se tornou gerente adjunto do Programa Saturn, que focava na criação de motores para o lançamento de satélites e ônibus espaciais no espaço.

Kurt Heinrich Debus (1908-1983)

Debus foi outro membro da SS que ajudou a trabalhar e produzir foguetes V-2 para os nazistas. Ele estava intimamente associado a von Braun e era responsável por liderar os testes do foguete V-2.

Após a guerra, Debus se tornou um ativo primordial para a NASA. Seu trabalho realizado em uma variedade de programas, incluindo o lançamento de satélites e a eventual missão lunar, levou-o a se tornar o primeiro diretor de todos os tempos do Centro Espacial Kennedy.

Walter Robert Dornberger (1895-1980)

Dornberger era major-general do exército do Terceiro Reich. Ele era um comandante sênior de artilharia e tinha contato pessoal com Hitler. Sua verdadeira paixão e habilidade residia na engenharia, e ele foi fundamental no desenvolvimento de foguetes para os nazistas.

Após a guerra, Dornberger continuou sua pesquisa de engenharia nos EUA. Ele passou algum tempo desenvolvendo sistemas de mísseis guiados para o Exército dos EUA, antes de se tornar vice-presidente da Bell Aircraft Corporation. Na Bell, ele desenvolveu o Rascal, o primeiro míssil nuclear ar-terra guiado.

Eberhard Friedrich Michael Rees (1908-1998)

Rees foi outro pesquisador focado no desenvolvimento do foguete V-2 para o Terceiro Reich, embora, supostamente, a paixão de Rees sempre tenha sido o espaço.

Após a guerra, Rees conseguiu seguir suas paixões. Ele desenvolveu escudos de calor ablativos para a NASA e tornou-se diretor adjunto de operações de desenvolvimento da Agência de Mísseis Balísticos do Exército. Ele também dirigiu o programa de veículo móvel lunar, antes de se tornar diretor do Marshall Space Flight Center.

Ernst Stuhlinger (1913-2008)

Stuhlinger começou sua carreira como soldado nazista. Ele lutou na Batalha de Moscou e na Batalha de Stalingrado, antes de ser transferido para a pesquisa. Eventualmente, ele começou a trabalhar em sistemas de orientação.

Após a Operação Paperclip, Stuhlinger foi contratado como diretor da Divisão de Projetos de Pesquisa Avançada da Agência de Mísseis Balísticos do Exército. Ele contribuiu bastante para a corrida espacial, pois foi um dos pioneiros da propulsão elétrica. Ele também trabalhou nas fases iniciais da construção do Telescópio Hubble.

Hubertus Strughold (1898-1986)

Strughold foi acusado de participar de extensas experiências humanas sob o Terceiro Reich, embora isso nunca tenha sido provado. Os experimentos que ele supostamente supervisionou incluíram a realização de cirurgia sem anestesia e a privação de oxigênio em compartimentos a vácuo, bem como experimentos em humanos relacionados à hipotermia. Esses experimentos foram feitos para determinar os efeitos de grandes altitudes e voos supersônicos em seres humanos.

Após a guerra, Strughold ajudou a ser pioneiro no campo da medicina espacial. Ele foi vital na investigação dos efeitos da falta de peso nas pessoas, além de supervisionar a construção de simuladores de cabines espaciais. Na NASA, Strughold também desempenhou um papel central no projeto do traje de pressão e dos sistemas de suporte à vida a bordo usados ​​pelos astronautas das missões Gemini e Apollo.