As Origens da Filosofia Grega

2
4372
Imagem retirada da Ancient Art

Autor: Richard Carrier
Tradução: Iran Filho

A mais antiga civilização que poderia ser chamada de “Grega” foi o sofisticado império da Idade do Bronze de Micenas, um herdeiro da sociedade minóica do oriente próximo que a precedeu. A queda da cultura micênica em 1200 ou 1100 aC – da guerra, fome ou doença, ou alguma combinação destes – deixou uma idade das trevas que se seguiu, com duração de aproximadamente até 800 aC. Em certo sentido, algum evento como esse foi um fator crucial na aurora da filosofia ocidental, para fazer um avanço radical, um catalisador é necessário para derrubar ou cortar velhos hábitos e forçar a construção de novos. A idade das trevas Gregas permitiu uma revolução para ocorrer uma agitação que não havia acontecido em qualquer outro lugar da Terra antes. Mas numerosos outros fatores contribuíram.

A natureza do clima e geografia da Grécia desempenhou um papel na evolução da situação. Pairando à beira da fome a cada passo, a cooperação entre as comunidades e os vizinhos tornou-se uma necessidade. No entanto, o movimento em terra foi dificultado pelo terreno, e a falta de grandes vales fluviais limitando a viabilidade de projetos de irrigação monumentais, tais como as que contribuíram para a ascensão dos impérios no Egito, Índia, China e Mesopotâmia. Em vez disso, o terreno quebrado e as ilhas espalhadas levou ao desenvolvimento de pequenas comunidades independentes, compartilhando amplamente características culturais semelhantes, como a língua e a religião, e incluindo uma natureza mercantil saindo do mar e uma propensão para as pequenas explorações independentes. A Grécia também ficou em uma posição precária na parte menos fértil de vários grandes impérios, enquanto, ao mesmo tempo desfrutava de acesso a uma região altamente rica e não-proclamada no Oeste do Mediterrâneo e Mar Negro. A fim de se adaptar a este ambiente e situação, os gregos evoluiram uma cultura baseada na cooperação temperada pela competição, com dependência de comércio mais do que a agricultura de grampos. Em última análise, devido à dissolução da economia no comando micênico, a oportunidade surgiu, eventualmente, para os habitantes não proclamados dos territórios relativamente pobres e difíceis da Grécia e do Mar Egeu para perseguir livremente a recuperação econômica numa base individual.

Nos séculos 8 e 7 aC houve um aumento da prosperidade. Isso se deveu em parte a uma população crescente e na melhoria da agricultura, mas talvez facilitado pelas oportunidades de comércio relativamente baratos e rápidos criadas por viagens marítimas por uma vasta área – para o transporte terrestre era mais caro, enquanto o transporte fluvial era mais limitado e mais facilmente monopolizado. Esta prosperidade levou muitas dessas comunidades a estabelecerem colônias no estrangeiro, para aumentar o comércio e aliviar o excesso de população, e como na expansão para o oeste americano, este resultou em um maior nivelamento da riqueza e oportunidade do que nunca havia acontecido. Por exemplo, era típico para os sem-terra se juntarem para colonizar expedições a fim de repartir lotes iguais, e toda a experiência apoiada em uma forma simples de livre concorrência de mercado e oportunidades abundantes para o sucesso mercantil.

Em certo sentido, colônias se tornaram um risco corporativo primitivo, e em termos modernos uma “classe média” estava crescendo, uma classe ainda acima da maioria da riqueza e da situação, mas substancialmente menor do que a classe alta – o suficiente para ser praticamente excluídos em um primeiro momento – e crescendo a cada ano. Esta “classe média” não pode ser definida tanto por uma consciência de si mesmo, mas por uma situação econômica semelhante e valores compartilhados: seus membros eram um pouco ricos, proprietários de sua próprias terras e conseguiam um lucro suficiente para o comércio, mas ainda dependiam da diligência e da indústria continuarem a fim de manter a sua segurança. Por sua vez, gerou uma forte ética de trabalho e uma crença na lealdade de vizinhança, franqueza e frugalidade, como encontramos em ‘Trabalhos e Dias de Hesíodo’. Este permaneceu em contraste com a classe alta, que eram ricos o suficiente para que eles não tenham que trabalhar além da gestão das suas propriedades e das empresas, e tinham uma tendência a pensar em termos de superioridade social e privilégio de família, os valores de uma aristocracia, ou em contraste com a classe mais baixa, ainda que a grande maioria, que foram escravizados ou sem-terra ou sobreviventes de outra forma, e um pouco dependente da estabilidade de um governo que eles tiveram pouco tempo ou riqueza para influenciar. Embora a classe média nunca houvesse alcançado as proporções que testemunha-se na América moderna ou muitas outras nações modernas, foi, sem dúvida, maior e mais influente na Grécia do que em qualquer outra cultura antes.

Este crescimento e expansão trouxe aos gregos um conflito com outras culturas civilizadas, especialmente os fenícios, mas também os egípcios e os assírios e muitos outros. Contatos mesmo distantes foram tão longe a Babilônia quanto a Índia. A necessidade de buscar uma identidade comum e senso de comunidade contra esses concorrentes estrangeiras atraiu os gregos para se encontrar mais em comum uns com os outros. A sensação de ser um “Grego” Desenvolvido, mesmo na ausência de um estado unificado grego, e até mesmo ao lado de uma mentalidade competitiva internamente que manteve as várias “cidades-estados” em desacordo ou até mesmo em guerra.

Ao mesmo tempo, os comerciantes prósperos e independentes pequenos e agricultores de médio-porte exigiram mais poder no estado, e fizeram-no mais cedo do que qualquer coisa, como uma monarquia poderia ressurgir das cinzas do passado. A aristocracia rural não fora excluída da nova prosperidade e o individualismo que estava surgindo na Grécia neste momento, e eles foram inspirados para consolidar contra esses intrusos, não apoiando reis (exceto em Esparta e Macedônia), mas por unir e compartilhar o controle do governo, de fato dividindo suas funções, a descentralização da autoridade, e, de forma limitada, mas ainda exclusiva, permitindo que as massas tenham uma parcela maior de participação em debates políticos.

A autoridade real central que se estende a partir do centro de um palácio, que tipificava Micenas, foi substituído por um governo de vários funcionários, entre os quais as funções governamentais e, assim, o poder foi dividido. Além disso, estes escritórios foram realizados para prazos curtos – a aristocracia as compartilha entre si, muitas vezes em um tipo de rotação. E, em vez de centrar em um palácio real, o novo sistema foi centrado na praça pública, a ágora, que teve uma função antiga como a área onde as pessoas foram marciais a tropas para a guerra, mas que tinha tomado em muitos outros deveres-públicos – como um mercado, e como um centro de debates políticos e processos judiciais.

Guerras Gregas:

Vários outros fatores serviram para fazer pender a balança para esta nova e inexperiente direção, um dos quais era uma inovação militar fortuita. O desenvolvimento da guerra “hoplita” deu uma vantagem militar tremenda para qualquer estado que poderia explorá-la. Alguns argumentos plausíveis, juntamente com evidências arqueológicas, credita o desenvolvimento ao tirano Pheidon, que a usou para reunir a classe média de Argos contra conquistadores espartanos, trazendo uma brutal e uma inesperada derrota em Hysiae em 669 aC. Depois disso, os espartanos rapidamente adotaram e dominaram o sistema de si mesmos, e outras cidades-estados foram rápidas em seguir o exemplo – tal vantagem militar não poderia ser inexplorada, e as oportunidades que elas ofereciam para a classe média em ascensão (para adquirir um poder significativo no estado) garantiu seu interesse.

Em essência, o sistema hoplite envolveu a combinação de exclusividades gregas pesados (e caros) armamentos – uma grande lança e escudo, peitoral pesado, placa posterior, capacete, braços e grevas – com o método Assírio antiga do combate em formação disciplinada. Lutando em formações de malha estreita com escudos de bloqueio, usado como uma parede sobre a qual dá a facada no inimigo, toda a linha em movimento e as manobras em uníssono, foram tão potentes como um desenvolvimento do tanque seria no início do século 20. Mas é necessário disciplina, treino, relativamente soldados bem dispostos. Isso significava que ele estava limitado a estados com uma classe média grande o suficiente para ser em campo como um exército, uma vez que só foram eles que tanto podiam e iriam equipar e treinar-se nos braços caros, e manter seus equipamentos durante a sua vida. Seus superiores econômicos podem, e muitas vezes fazem participar neste processo, mas eles tendem a gastar sua riqueza em vez de cavalos, uma melhor opção no ataque e recuo. Além disso, foi em grande parte da classe média que estava ansiosa para passar os anos de treinamento, e compartilhar os vínculos necessários de lealdade mútua unidade, para fazer o trabalho de formação hoplita altamente disciplinada. Os ricos eram geralmente muito poucos para se tornarem uma legião eficaz por conta própria.

Identidade Grega:

A ruptura com o divino sistema da realeza do período micênico permitiu que os gregos afirmassem uma distinção cultural, uma identidade única separada das outras, grupos concorrentes como os sírios, lídios, persas, egípcios e fenícios (coletivamente referidos aqui como “asiáticos” ), e também em vigor com o seu próprio passado esquecido. E esta se esforçando para marcar-se como diferente, auxiliada por vários outros fatores descritos acima, levou vários contrastes a serem enfatizados. Embora esses recursos todos tivessem suas próprias causas distintas, a busca grega para uma identidade cultural resultou nesses recursos sendo enfatizados, comemorados, e fortalecidos.

Os gregos viam essas distinções de um modo particular: os asiáticos deveriam ter reis divinos e seus escravos, mas os gregos deveriam ser livres e iguais; A Política asiática centrada nos comandos inquestionáveis ​​do rei, mas a política grega centrada no debate público no mercado; Cosmovisões asiáticas tendem a justificar um direito divino do rei para governar e foram aplicadas a partir de cima, terminando e suprimindo todos os argumentos, mas visões de mundo gregas tendiam a justificar a igualdade, a individualidade e a ideia da comunidade, e elas não foram aplicadas por qualquer autoridade, mas as pessoas , que foram em grande parte livres para variar e diferirem, produzindo argumentos abertos; Cosmovisões asiáticas tendia para hierarquia (mesmo panteão grego, mais velho do que o novo fenômeno cultural grego, manteve ecos desta), mas visões de mundo gregas tendiam para noções de uma divisão de poderes, e, portanto, equilíbrio, simetria, a igualdade de elementos.

O efeito desta sobre a cultura intelectual é bastante fácil de ver. Se as crenças asiáticas apelaram aos deuses através do rei, crenças gregas tiveram que apelar para a ordem natural através de observação individual, e se as crenças asiáticas apelaram a tradição, as crenças gregas tiveram que apelar para justificação de provas e de princípios da razão, pois não havia mais nenhuma autoridade centralizada entre os gregos, que eram inundados de muitas reivindicações concorrentes. Estas distinções, é claro, são apenas idealizações. A verdade muitas vezes é que se afastaram esses ideais em prática, mas eles eram reais o suficiente para enviar a cultura grega em um caminho peculiar.

Tudo isso foi catalisado por outros desenvolvimentos culturais, como a colonização. O Individualismo e a competição, nos conceitos de comércio e de terra firme, permaneceu em contraste com o sistema asiático onde aristocratas e o rei controlavam e regulavam todo o comércio e propriedade de quase toda a terra. Como Hesíodo descreve em Trabalhos e Dias (25-6), o ideal grego era um mundo de concorrência livre e aberta e competição, e este ideal fosse refletida na popularidade dos jogos Helênicos distintivos (como os Jogos Olímpicos originais), poesia e concursos de teatro, e até mesmo debates políticos e rivalidade, que foram mais frequentemente aceitos como normais e benéficos em vez de rebeldes ou catastróficos. Isto levou à aparente contradição de Panhelenismo, uma unidade auto-reconhecida da identidade cultural grega, sendo encontrada lado a lado com a rivalidade muitas vezes violenta e independência política. Em certo sentido, essa noção de individualismo e de concorrência só puderam realmente prosperar em conjunto com alguma noção de igualdade e liberdade, assim que estes ideais tornaram-se apoiados mutuamente nas mentes e ações dos gregos. Isto, também tornou-se um importante contribuinte para a mentalidade grega distinta.

Escrita Grega:

Havia um outro desenvolvimento tecnológico essencial jogado neste ‘pote de mistura’, que foi ‘geleificado e espalhado’. Estes foram desenvolvimentos mais eficazes ainda: o alfabeto. A Invenção de vogais, a um desenvolvimento único adicionado pelos gregos para o que era o outro sábio o silabário emprestado dos Fenícios, permitiu sua linguagem ser escrita e compreendida sem especialização. No passado, toda a escrita era muito difícil de ler. Qualquer uma série de símbolos (geralmente representando sílabas inteiras) poderiam representar um número de palavras possíveis, bem como o número de símbolos foi também grande. O resultado foi que a escrita só poderia ser facilmente lida por peritos e especialistas. Contabilistas não teriam um tempo fácil de ler o que escreveram engenheiros, e vice-versa. Dominar a habilidade de ler em muitos campos levou tempo e, portanto, riqueza, que poderia ter sido gasto é um aprendizado mais amplo. Mas com o sistema grego, um pequeno conjunto de símbolos simples, cada um com Geralmente um e somente um som, tornou possível para qualquer pessoa alfabetizada para ler qualquer coisa com relativa facilidade.

Isto permitiu uma cultura letrada se espalhar universalmente entre as classes mais ricas, e um grande número deles muito mais provavelmente poderiam ler inscrições simples e textos Claramente escritos. Embora a leitura de livros ou documentos requeria tempo ainda para ter alguma habilidade na leitura de texto manuscrito, e escrita em si era tão difícil como sempre, o mais básico do alfabeto grego poderia ser relativamente fácil de aprender. E isso foi crucial para a ascensão da cultura grega, especialmente nos campos da ciência e da filosofia, mas também na poesia e prosa – além que desde já o conhecimento pode ser lido e amplamente partilhado por toda uma classe inteira, e muitas vezes – Particularmente historico. No entanto, a cultura oral não estava morta. Em vez disso, foi facilitada pela capacidade de ler textos escritos em voz alta, exigindo menos tempo e experiência de memorização e permitindo assim que os considere tornar mais comum. Este foi equivalente em importância para a contribuição que a imprensa teve sobre o desenvolvimento da ciência e do conhecimento durante o Renascimento, embora o grau de o efeito não era tão grande. E embora os meios para a disseminação do conhecimento fossem avançados pelo alfabeto, esta vantagem não foi sempre tão habilmente explorada como poderia ter sido. Mas sobre isto, os livros mantiveram-se extremamente caros, já que tinham que ser copiados à mão sobre o material (papiro) Isso era muito difícil passar por aqui. No entanto, era difícil não ver alguém comprando algum.

Desde que o conhecimento de vários campos poderiam agora ser compartilhados amplamente desta forma, pelo menos entre aqueles que tiveram o tempo e a inclinação para explorá-los, filósofos poderiam desenvolver um conhecimento mais amplo, com diversas áreas do conhecimento, e ler e debater ideias uns dos outros, mesmo quando separados pela distância ou tempo. Os primeiros filósofos ainda não tinham em mãos um grande número de livros, uma vez que o novo meio foi utilizado pela primeira vez para a divulgação da mitologia ou folclore tradicional, mas os primeiros filósofos usaram este novo meio para desafiar Estas tradições. Uma vez impresso, seus desafios eram muito mais difíceis para as gerações posteriores de esquecer ou ignorar.

Os primeiros filósofos também podem ser contrastados com os homens equivalentes em outras culturas. Em civilizações asiáticas tais pensadores eram geralmente empregados pela aristocracia para educar seus filhos da forma tradicional, ou para manter sacerdócios em religiões ortodoxas. Eles não foram encorajados a pensar por si próprios (mesmo quando eles o fizeram), e eles não eram intelectualmente independentes. Geralmente, como os proprietários de terras livres da Grécia eram. Não havia nenhuma maneira de punir um filósofo por criticar Homero, nenhum rei ou igreja para ameaçar ou influência cética. E enquanto as culturas asiáticas prosperavam por aferrar-se a tradições e reforçando-as, os gregos tinham prosperado na experimentação e variação, mas perderam suas tradições na Idade das Trevas grega, e, em seguida, foi definitivamente transformada por inúmeros outros desenvolvimentos radicais, pesquisados ​​anteriormente, que demandava alguma nova resposta. Forçados em um sentido de começar de novo, para ajustar, agora livremente a divergir e debater, foi o que aconteceu: bem-educados, ricos, no lazer e na liberdade, no nexo de uma dúzia de culturas diferentes para desenhar ideias de contraste, ou consigo mesmo, os gregos encontraram-se em uma posição talvez nunca tenha conhecida pela humanidade antes de seu tempo, e raramente conhecida desde então.

Sociedade Grega:

Nesse meio tempo, como os valores aristocráticos e da classe média na lealdade para com o Estado e outras normas morais foram pressionadas mais e mais, para trazer ordem e direção, e para proteger seus interesses, surgiu uma cultura contrária lírica, uma explosão de uma marca provocante e popular da música, um pouco parecida com as marcas cultura do rock-and-roll na idade moderna. As pessoas começaram a questionar éticas, normas, mitos, lendas e ideais. Isso criou uma necessidade de intelectuais para substituir e criticar os mitos e as normas com qualquer outra coisa que poderia ser justificada por si próprio, defendida contra aqueles que iriam atacá-lo. Como não havia nenhuma autoridade política eficaz para obrigar a população a aceitar uma ortodoxia, seguia-se que a persuasão – e, portanto, um apelo ao que pode ser comumente observado e entrado em acordo, um apelo à lógica e fatos empíricos – tinha que ser a base de qualquer nova reivindicação à autoridade intelectual.

Entretanto, com uma política dominante do debate público, o discurso se tornou uma ferramenta crucial. Foi o veículo de autoridade. Bem-dominado, pode ser mais fácil e eficaz do que a força. E aqueles que iriam influenciar a sociedade não podiam invocar para a oscilação de um único rei ou aristocrata, mas teria de apelar para um grupo muitas vezes divergente e amplamente competitivo. Assim, retórica e lógica se transformaram em artes a serem dominadas, e este por sua vez deu origem a sérias questões de verdade e fato. Considerando que, em outras civilizações isso pode ser verificado a partir ‘do topo’ por declarações autoritárias daqueles que controlavam todo o conhecimento real no estado – e que tinham instituições e recursos em lugar de usar a força de forma eficaz para garantir que ela permanecesse assim – na Grécia o conhecimento tinha de se tornar público: o que era uma vez um palácio tornou-se um teatro de canções épicas e peças abertas a todas as pessoas; homens altamente letrados, independente de Interesses de terras privadas para si próprio, enquanto iam através de muitas repartições públicas dando-lhes uma ampla experiência e interesse além das estreitas especialidades que dominavam os sistemas no palácio, frequentemente voltavam à vida privada. Esta posição foi retomada também na escrita e publicação das leis. A informação foi tornando-se pública, não mais a prerrogativa privada de um rei ou aristocracia ou casta sacerdotal.

A ascensão da classe média e do pensamento democrático e valores, combinado com uma democratização do conhecimento e da investigação e a consequente necessidade da lógica, da ciência e do debate, levou ao amanhecer do empirismo e a origem da filosofia e da ciência.

Bibliografia:

Bryant, Moral Codes and Social Structure in Ancient Greece: a Sociology of Greek Ethics from Homer to the Epicureans and Stoics (1996).

A.R. Burn, The Penguin History of Greece: From the Neolithic Pioneers to the Closing of Athens’s Philosophic Schools (1990).

Richard Buxton, ed., From Myth to Reason: Studies in the Development of Greek Thought (1999).

Alan Cromer, Uncommon Sense: The Heretical Nature of Science (1993).

Jeffrey Hurwit, The Art and Culture of Early Greece: 1100–480 B.C. (1985).

Sarah Pomeroy, et al., Ancient Greece: A Political, Social, and Cultural History (1999).

Anthony Snodgrass, Archaic Greece: The Age of Experiment (1980).

J.-P. Vernant, Origins of Greek Thought (1982).

CONTINUAR LENDO