Os antigos maias usavam cinzas de governantes para fazer bolas de borracha, sugerem alguns pesquisadores

0
58
(Créditos: D. Sharon Pruitt Pink Sherbet Photography/Moment/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Owen Jarus para a Live Science

O povo maia cremava seus governantes e usava as cinzas para fazer bolas de borracha que eram usadas em jogos de bola, afirmou um arqueólogo.

O pesquisador e sua equipe acreditam ter encontrado evidências dessa prática ao escavar a cidade maia de Toniná, no sul do México.

Os pesquisadores se referem a atividade como o “jogo de bola”, pois suas regras e nome podem ter mudado ao longo do tempo.

Muitas vezes, era jogado por duas equipes usando uma bola de borracha em uma quadra em forma de I maiúsculo.

O jogo foi popular nas Américas por milhares de anos. Numerosas quadras de bola foram encontradas em antigas cidades maias, incluindo Toniná.

A teoria sobre as bolas de borracha foi apresentada por Juan Yadeun Angulo, arqueólogo do Instituto Nacional de Antropologia e História do México.

Em 2020, a equipe de Angulo descobriu uma cripta de 1.300 anos em Toniná sob uma pirâmide chamada Templo do Sol.

A cripta continha os restos de cerca de 400 embarcações que continham materiais orgânicos, incluindo cinzas, carvão e borracha natural, disse a equipe em um comunicado em espanhol.

Agora, depois de analisar os frascos e o local, a equipe acredita que as cinzas são os restos cremados dos governantes.

Eles observaram que os outros materiais nos vasos também eram ingredientes necessários para o processo de vulcanização.

A equipe também analisou os entalhes em esculturas em uma antiga quadra de bola localizada perto da pirâmide e descobriu que eles retratam um governante chamado Wak Chan Káhk, que, de acordo com os hieróglifos maias, morreu em 1º de setembro de 775 d.C., bem como uma mulher chamada Senhora Káwiil Kaan, que teria sido alguém de alto escalão, que morreu em 722 d.C.

Os arqueólogos acreditam que estes foram dois dos indivíduos cujos restos mortais foram cremados e usados ​​em bolas de borracha.

Angulo disse à Live Science em um e-mail que no “Popol Vuh”, um texto que conta a história da criação maia, o submundo tinha uma quadra de bola na qual o jogo era jogado com as cabeças de humanos ou deuses.

Angulo também observou que há esculturas no local próximo de Yaxchilán representando prisioneiros dentro de bolas de borracha sendo jogadas por um homem vestido com uma vestimenta rica em detalhes – o que ele acredita ser evidência de que restos humanos foram usados ​​para fazer bolas de borracha.

Os estudiosos reagem

A Live Science entrou em contato com vários estudiosos que não estavam envolvidos com a pesquisa e descobriu que eles tiveram reações mistas à alegação.

Alguns estavam cautelosamente otimistas de que a alegação sugerindo que cinzas humanas foram usadas para fazer bolas de borracha poderia ser precisa.

“Certamente é plausível que restos humanos tenham sido incluídos em bolas de borracha”, disse William Duncan, professor de antropologia biológica da Universidade Estadual do Leste do Tennessee (EUA), por e-mail. “Os restos humanos foram usados ​​em uma variedade incrivelmente ampla de contextos e práticas para os antigos maias.”

De fato, “tal prática é certamente consistente com os rituais mortuários complexos e muitas vezes prolongados dos maias que foram documentados”, disse Gabriel Wrobel, professor de antropologia da Universidade Estadual do Michigan (EUA), à Live Science em um e-mail.

No entanto, mesmo que os restos humanos fossem usados ​​para fazer as bolas de borracha, “é muito improvável que fossem os restos de governantes, por si só”, disse James Fitzsimmons, professor de antropologia do Colégio Middlebury, em Vermont (EUA), à Live Science em um e-mail, acrescentando que os restos mortais de prisioneiros de guerra eram mais prováveis.

Outros estudiosos expressaram fortes dúvidas sobre os resultados.

“Olhando através das informações que encontrei, não há nenhuma evidência real apresentada de que as bolas de borracha foram feitas para incluir os restos cremados de governantes maias”, disse Susan Gillespie, professora de antropologia da Universidade da Flórida, em um e-mail à Live Science.

“Eu não estou ciente de que eles encontraram bolas de borracha e as analisaram para essas inclusões.”

Todos os especialistas concordaram que são necessárias mais informações, com alguns se recusando a comentar as descobertas até que um relatório científico seja divulgado.

“Quando os dados estiverem disponíveis, ficarei muito empolgado para ver como eles identificaram o que estava nas embarcações”, disse Carolyn Freiwald, professora associada de antropologia da Universidade do Mississippi (EUA), à Live Science por e-mail.