Os ataques pós-modernos à ciência e à realidade

0
688
Michel Foucault, filósofo pós-moderno, defendeu a tese de que as doenças são construções sociais.

Por Victor J. Stenger
Publicado na Quackwatch

Tendências recentes em alguns círculos acadêmicos têm levantado questões sobre noções convencionais de verdade e realidade. A alegação feita nesses círculos é que todas as declarações, seja na ciência ou na literatura, são simplesmente narrativas – contos e mitos que fazem nada mais do que articular as opiniões preconcebidas do narrador. Nesse ponto de vista, uma narrativa é tão boa quanto a outra, uma vez cada uma é expressa na linguagem de sua cultura particular e assim contêm todas as pressuposições sobre a verdade e a realidade embutidas nessa cultura. Os textos não tem qualquer significado intrínseco. Mais exatamente, seus significados são criados pelo leitor. As conclusões são então conduzidas de modo que nenhuma narrativa pode ter validade universal e que a ciência “ocidental” não é uma exceção.

Os estudantes universitários de hoje, nos Estados Unidos e em qualquer outro lugar, ouvem essa linha de raciocínio de muitos de seus professores de ciências sociais e humanas. Proponentes da “medicina alternativa” frequentemente utilizam argumentos similares para rejeitar a ciência como um método de determinar verdades relacionadas à saúde.

A afirmação de que a ciência “ocidental” não é excepcional começa com uma noção plausível, apesar de que ultimamente corrompida, de que nós humanos carecemos de acesso a qualquer mecanismo pelo qual possamos descobrir a verdade sobre uma realidade objetiva que existe independente dos processos mentais humanos. Certamente, a ciência conta com os processos mentais e nem sempre segue um caminho claro, lógico para chegar a conclusões que faz a respeito da realidade. Realmente, nunca prova a exatidão dessas conclusões. A ciência não têm certeza de nada sobre o mundo e deve sempre expor seus resultados em termos de probabilidades ou indícios. Frequentemente, a escolha entre teorias científicas competitivas é baseada na preferência, moda ou noções subjetivas de simplicidade ou apelo estético.

De acordo. Os cientistas podem nunca ter certeza da “veracidade” de suas teorias. Todavia, as previsões das teorias científicas são muitas vezes suficientemente próximas da certeza que nós todos confiamos nossa vida nelas, como quando estamos em um avião ou em uma mesa de cirurgia. Quando as previsões são tão fidedignas, podemos racionalmente concluir, se não provar, que os conceitos nos quais estão fundamentadas devem ter alguma validade universal. Ou seja, devem de alguma forma estar conectadas com a maneira com que as coisas realmente são.

Por exemplo, não podemos prever com certeza absoluta o que acontecerá se pularmos de um edifício alto. É sempre possível que possamos cair em um cesto de penas que, por sorte, simplesmente veio a se projetar de uma janela no andar de baixo. Entretanto, baseado na lei da gravidade, podemos prever com alta probabilidade que passaremos por aquele andar e acertaremos o chão de uma forma nada saudável. A lei da gravidade foi testada o suficiente com experimentos para seguramente concluir que o conceito de gravidade é “real”.

A realidade age para reprimir nossas observações sobre o mundo, prevenindo ao menos que algumas dessas observações sejam completamente aleatórias, arbitrárias ou simplesmente da maneira que gostaríamos que elas fossem. Apesar de que muito do que realmente observamos é aleatório – mais do que a maioria das pessoas percebem – não são todas as coisas. E ainda que nós humanos possamos exercer um certo controle sobre a realidade, mesmo assim a realidade não é meramente a criação de nossos processos mentais. Quando sonhamos que estamos saltando de um prédio, podemos flutuar até o chão sem se machucar. Quando pensamos que estamos saltando de um prédio, podemos imaginar qualquer coisa que quisermos a respeito do desfecho. O super-homem pode voar para nos salvar, em nossas fantasias. Um avião com um colchão em suas asas pode aparecer no último minuto. Porém, na realidade, caímos no chão não importa o quanto possamos desejar o oposto.

Sem ficar muito pedante a respeito da definição de realidade, deixe-me apenas dizer que nossas próprias observações da vida cotidiana deixam muito claro que nós e os objetos ao nosso redor somos sujeitos a coações impostas externamente que nem nós e nem os objetos podem completamente controlar. Se pudesse controlar a realidade com meus pensamentos, gostaria de ter a mesma aparência que tinha quando estava com vinte anos e ainda ser tão esperto como sou agora. Porém, não posso. Na ciência, utilizamos nossas observações sobre o que acontece quando não estamos sonhando ou fantasiando para fazer inferências razoáveis sobre a natureza do que fornece o ímpeto para as coações que gravamos com nossos aparelhos de mensuração.

A física moderna solidamente sugere uma “realidade definitiva” surpreendentemente simples, não misteriosa que pode não ser o que desejaríamos que fosse, mas é corroborada por todos dados conhecidos. Além disso, essa realidade é muito mais parecida com o que foi inferido por alguns dos pensadores mais notáveis no mundo antigo: um universo composto de objetos elementares que se movem ao redor de um espaço que fora isso está vazio. Chamo isso de realidade atômica.

Essa proposição vai contra a moda atual. Essa moda que repudia todas as tentativas, de dentro da ciência ou sem a ciência, de descrever uma realidade objetiva, universal. Repudio essa moda. Onde a validade de certos conceitos antigos e modernos de verdade e realidade são negados, eu os ratifico. Onde são feitos argumentos de que a ciência ocidental não nos conta nada de profundo significado, asseguro que permanece como a nossa principal ferramenta para a descoberta de verdades fundamentais.

Muitos professores de ciências naturais, com suas atenções voltadas principalmente para as pesquisas, ignoram os ataques sobre a ciência e o pensamento racional. Quando têm a oportunidade de ouvir asserções de que a ciência é apenas outra história extravagante, eles tipicamente refutam a noção considerando-a um absurdo. Em vez disso, eles deveriam estar falando mais abertamente a respeito do problema.