Os dinossauros estavam morrendo antes da queda do asteroide? Novo estudo contribui com o debate

0
43
Créditos: Mark Garlick / Science Photo Library / Getty Images.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

A vida no planeta Terra é uma coisa frágil. Tudo o que precisamos é um asteroide intrometido e boom, lá se vai o grupo de animais terrestres mais dominante em nosso planeta.

Se não fosse pelo meteorito de 10 quilômetros de largura que caiu na Terra há cerca de 66 milhões de anos, os dinossauros poderiam ter continuado a dominar a terra, sugere um novo artigo. Quanto a mamíferos como nós, talvez nunca tenhamos tido a chance de se desenvolver.

Os resultados são os mais recentes em um longo e prolongado debate sobre a extinção de dinossauros não-aviários.

Embora o asteroide de Chicxulub e as consequências de seu impacto – que bloqueou os raios do Sol e desencadeou o resfriamento do clima global – sejam geralmente considerados os principais candidatos para o evento de extinção massiva do Cretáceo, algumas evidências recentes sugerem que certas espécies de dinossauros já estavam em declínio dezenas de milhões de anos antes disso.

Os autores dessas descobertas alegaram “apoio massivo para um declínio de longo prazo em todos os dinossauros e dentro de todos os três principais grupos de dinossauros”, mas entre os paleontólogos, o apoio a essa ideia dificilmente é massivo. Na verdade, é extremamente controverso.

Nos anos seguintes desde quando essa ideia foi apresentada pela primeira vez, várias outras linhas de pesquisa discordaram de suas conclusões – não necessariamente dos dados em si, mas das interpretações traçadas.

Lacunas nos fósseis de dinossauros e tendências de amostragem significam que podemos estar amostrando certos dinossauros do Cretáceo, enquanto superestimamos a presença de outros.

“Estudos anteriores feitos por outros pesquisadores usaram vários métodos para chegar à conclusão de que os dinossauros teriam morrido de qualquer maneira, já que estavam em declínio no final do período Cretáceo”, explica o paleontólogo Joe Bonsor, da Universidade de Bath (Reino Unido).

“No entanto, mostramos que se você expandir o conjunto de dados para incluir árvores filogenéticas de dinossauros mais recentes e um conjunto mais amplo de tipos de dinossauros, os resultados não apontam todos para essa conclusão – na verdade, apenas cerca de metade deles o fazem”.

Em vez de simplesmente contar o número de espécies de dinossauros presentes na época usando registros fósseis, a equipe usou métodos estatísticos para observar a taxa de especiação dentro das famílias de dinossauros.

Analisando milhares de combinações de árvores filogenéticas em 12 famílias de dinossauros, os pesquisadores testaram se a diversificação das espécies estava diminuindo, permanecendo a mesma ou acelerando antes do impacto do asteroide – uma indicação que poderia nos revelar a rapidez com que dinossauros extintos são substituídos por novos.

De todos os 2.727 modelos de especiação, apenas 518 (menos de 20 por cento) mostraram inequivocamente declínio terminal antes do impacto do asteroide.

Mesmo quando os autores consideraram aqueles na fronteira do declínio terminal e nenhum declínio, isso é pouco mais da metade dos modelos que apoiam uma extinção mais prolongada.

Dessa forma, a equipe diz que são céticos em relação à teoria da extinção terminal, sugerindo que a diversidade dos dinossauros teria permanecido alta durante todo o período do Cretáceo Superior, mesmo com a riqueza de espécies variando entre os ramos.

“O ponto principal do nosso estudo é que não é tão simples olhar para algumas árvores filogenéticas e tomar uma decisão. Os grandes vieses inevitáveis ​​no registro fóssil e a falta de dados muitas vezes podem mostrar um declínio nas espécies, mas isso pode não ser um reflexo da realidade da época”, afirma Bonsor.

“Atualmente, nossos dados não mostram que elas estavam em declínio. Na verdade, alguns grupos como os hadrossauros e ceratopsianos estavam prosperando e não há evidências sugerindo que eles teriam morrido há 66 milhões de anos se o evento de extinção não tivesse acontecido”.

Os resultados são apoiados por outro estudo recente, que descobriu que os habitats dos dinossauros norte-americanos não diminuíram durante o Cretáceo Superior.

Os afloramentos fósseis para essa região são pequenos, o que significa que, provavelmente, estamos amostrando a área e subestimando sua riqueza de espécies.

Erros sistêmicos de amostragem como esse são comuns na paleontologia e, até certo ponto, inevitáveis. Mas confiar na riqueza de espécies ao invés do número total de espécies também traz suas limitações.

Para começar, pode muito bem não haver correlação entre as taxas de especiação na evolução e extinção dos dinossauros. Essa é uma suposição que estamos fazendo em retrospecto.

“Podemos nunca saber os verdadeiros níveis de especiação e extinção dos dinossauros mesozoicos”, admitem os autores do novo estudo, “mas um maior foco no preenchimento de lacunas no registro fóssil será a principal maneira pela qual os paleontólogos continuarão a construir um imagem mais precisa da diversidade de dinossauros do passado”.

O novo estudo mais uma vez enfatiza as inúmeras lacunas e vieses em nosso conhecimento, e os autores estão pedindo a continuação da pesquisa de forma detalhada, controlada regionalmente e bem distribuída no tempo para recriar a história mais holística possível.

O estudo foi publicado na Royal Society Open Science.