Os efeitos do álcool no organismo

3
3518

Imagem maior para facilitar a visualização: http://goo.gl/0Mh61e. Créditos de edição: Rafael Andrette. Imagem original: http://goo.gl/2cVAug

O artigo todo foi feito em uma parceria entre três membros da equipe (Josikwylkson Costa Brito, Pedro Henrique Costa e Rafael Andrette). Seu objetivo é puramente didático e informativo e não tem propósito de atacar a liberdade individual que as pessoas possuem para ingerir álcool.

O álcool, como droga que possui efeitos depressores do sistema nervoso central, é uma das principais substâncias psicoativas consumidas no mundo e na história da humanidade. Sua epidemiologia está relacionada, dentre outros fatores, a questões:

Socioculturais: O incentivo ao consumo social e a depender de algumas tradições culturais, é fortemente estimulado. O álcool está presente em festas, reuniões de família, encontros de amigos, nos mais variados contextos, seja puro ou em drinques, fermentado ou destilado.

Econômicas: Devido ao custo ser relativamente acessível para a maioria dos públicos, estando sob a forma de vários produtos, nas mais variadas formas. O álcool é uma das substâncias psicoativas consideradas lícitas, tendo poucas restrições para o seu consumo.

Da ingestão aos efeitos psíquicos e físicos, o álcool quando em doses elevadas pode prejudicar a interação social e a saúde individual como um todo. Por ser volátil, alcança rapidamente o cérebro e se difunde a todos os tecidos do corpo.

Moderadamente e quando associado a determinadas formas de apresentação, envolvendo outros compostos químicos, pode ser benéfico para o bem-estar e para a manutenção do equilíbrio do organismo.

O álcool não produz bons efeitos quando consumido por jovens ainda em desenvolvimento, por pessoas com saúde vulnerável (idosos, pacientes crônicos) e por gestantes – podendo levar à chamada Síndrome Alcoólica Fetal (SAF) e prejudicando o desenvolvimento do feto.

Metabolização do álcool

O álcool sofre metabolização no fígado inicialmente por meio de uma enzima, a álcool-desidrogenase (ADH), que o converte em acetaldeído, um metabólito tóxico para o organismo. O trabalho do metabolismo segue com a ação da enzima aldeído-desidrogenase. Em geral, o corpo de homens e mulheres possui diferença estrutural e em termos de proporção de água, além de ter menos da enzima ADH, o que torna o metabolismo do álcool mais lento em mulheres, tipicamente, podendo variar com a constituição física de homens e mulheres.

No caso típico, o álcool em menores concentrações pode ter um efeito proporcionalmente grande no organismo da mulher. Isso leva a uma toxicidade do álcool mais rapidamente e com maior duração – o que explica o efeito alcoólico aparentemente maior nas mulheres.

Referências didáticas:
http://cisa.org.br/artigo.php?FhIdTexto=233
http://www.cebrid.epm.br/folhetos/alcool_.htm
http://apps.einstein.br/alcooledrogas/novosite/drogas_alcool.htm
https://drauziovarella.com.br/dependencia-quimica/acao-e-efeitos-do-alcool/

Artigos e materiais técnicos:
http://www.scielo.br/pdf/rboto/v73n1/a19v73n1.pdf
http://www.scielo.br/pdf/rbp/v26s1/a17v26s1.pdf
http://www.uff.br/cienciaambiental/mv/mv1/MV1(1-2)21-27.pdf
http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbgo/v27n7/a02v27n7.pdf
http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbp/v26n1/a08v26n1.pdf
http://uniad.org.br/desenvolvimento/images/stories/publicacoes/suplemento/O%20custo%20social%20do%20alcool.pdf
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relatorio_padroes_consumo_alcool.pdf

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorToda física é local
Próximo artigoPotencial farmacológico de fungos e bactérias para remédios contra doenças cardiovasculares
Josikwylkson Costa Brito
Olá, meu nome é Josikwylkson Costa Brito (não, meu pai não deu uma cabeçada no teclado), mais conhecido como o Príncipe do Cosmos Nordestino, e nasci na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde moro atualmente. Tenho 18 anos atualmente, estou no segundo ano do curso de medicina e publico textos de cunho científico ou filosófico para o presente site, porém, em virtude dos estudos, não estou a fazê-lo com muita frequência. De todas as minhas publicações, gosto de publicar no âmbito de minha área (saúde), mas também arrisco em postar textos que contradigam o senso comum e que criticam as pseudociências, o que me faz ser esquartejado por muitos irracionalistas (que, inclusive, andam vagando por essa página). As críticas que mais recebo desses senhores são as de que não tenho autoridade o suficiente para falar de determinado assunto (mesmo que eu poste artigos científicos advindos de sites e/ou universidades de confiança). Então, em razão dos 'amigáveis' seguidores que se travestem de conhecedores de argumentação lógica e que rejeitam qualquer postagem minha por tal status, por favor, finjam que eu sou uma pessoa com 40 anos doutor em filosofia, cosmologia, biologia e medicina.