Os físicos devem parar de dizer bobagens sobre filosofia

Créditos: Mind Miracles.

Por Sean Carroll
Publicado no Preposterous Universe

Nos últimos anos, tenho visto um número significativo de proeminentes cientistas depreciando o valor da filosofia. Stephen Hawking, Lawrence Krauss e Neil deGrasse Tyson são exemplos bem conhecidos. Para restabelecer o equilíbrio, um pouco, o filósofo da física Wayne Myrvold, pediu para alguns físicos explicarem o porquê deles alegarem que o trabalho dos filósofos têm sido realmente útil para eles. Eu fui um dos entrevistados, e você pode ler a minha entrevista no blog do Instituto Rotman. Eu estava pensando em republicar a minha resposta aqui, mas em vez disso, deixe-me tentar dizer a mesma coisa com palavras diferentes.

Grosseiramente falando, os físicos tendem a ter três tipos diferentes de críticas superficiais à filosofia: uma que é totalmente estúpida, uma que é frustrantemente irritante, e uma que é profundamente deprimente.

01. “A filosofia tenta entender o universo pelo pensamento puro, sem a coleta de dados experimentais.”

Esta é uma crítica totalmente estúpida. Sim, a maioria dos filósofos realmente não saem por aí coletando dados (embora existam exceções). Mas não faz sentido partir do ponto de que a filosofia ignora completamente a informação empírica que recolhemos sobre o mundo. Quando a ciência (ou observação de senso comum) revela algo interessante e importante sobre o mundo, os filósofos, obviamente, levam isso em conta. (Observação: é claro que existem filósofos ruins, que fazem todos os tipos de coisas estúpidas, assim como existem maus profissionais de todos os campos. Vamos nos concentrar nos bons, dos quais há uma abundância.)

Os filósofos, de fato, tendem a pensar muito. Isto não é uma coisa ruim. Toda prática científica envolve um certo grau de “pensamento puro”. Os filósofos são, pela sua natureza, mais interessados em questões fundamentais, onde a última ruga nos dados é de menor importância do que seria para um fenomenólogo construtor de modelos. Mas no seu melhor, a prática da filosofia da física é contínua com a prática da física em si. Muitos dos melhores filósofos da física foram treinados como os físicos e eventualmente, percebi que os problemas em que se importavam, não eram valorizados nos departamentos de física, de modo que fizeram-lhes mudar para a filosofia. Mas esses problemas – a natureza básica da última arquitetura da realidade em seus níveis mais profundos – são apenas problemas da física, realmente. E uma certa quantidade de pensamento rigoroso é necessário fazer qualquer progresso sobre elas. Se calar ou utilizar cálculos, não é o suficiente.

02. “A filosofia é completamente inútil para o trabalho diário de um físico.”

Agora, temos a crítica frustrantemente irritante. Porque: Duh. Se o seu critério para “ser interessante ou importante” se resume a “ser útil para mim em meu trabalho”, você vai estar levando uma existência bastante intelectualmente empobrecida. Ninguém nega que a grande maioria da física fica perfeitamente bem sem qualquer entrada da filosofia. (“Nós precisamos calcular este loop integral! Rápido, me traga um filósofo!”) Mas ela também fica bem sem qualquer entrada da biologia, história e literatura. A filosofia é interessante por causa de seu interesse intrínseco, e não por ser uma serva à física. Eu acho que, às vezes, eles mesmos, os filósofos, ficam na defensiva sobre isso, tentando pensar nas razões pelas quais a filosofia é útil para a física. Afinal, quem se importa?

No entanto, existem algumas questões da física onde a entrada filosófico é realmente útil. As questões fundamentais, tais como o problema da medição quântica, a flecha do tempo, a natureza da probabilidade, e assim por diante. Infelizmente, uma grande maioria dos físicos não se preocupam mais com estes problemas. Mas alguns de nós, sim! E francamente, se mais físicos escrevessem nestas áreas para falar com os filósofos, eles se salvariam de cometer muitos erros simples.

03. “Os filósofos se importam muito com meta-perguntas, em vez de se aterem ao que pode ser observado e calculado.”

Finalmente, a crítica profundamente deprimente. Aqui vemos a infeliz consequência de uma vida gasta em um sistema acadêmico/educacional que está focado em levar os sonhos ambiciosos e esmagando-os em unidades facilmente quantificadas de trabalho produtivo. A ideia é, aparentemente, que o desenvolvimento de uma nova técnica para o cálculo de uma certa função de onda é um trabalho honroso, digno de apoio, enquanto tentar entender o que as funções de onda realmente são e como elas capturam a realidade, soa como desperdício de tempo. Eu suspeito que a grande maioria dos físicos que usam a mecânica quântica em seu trabalho diário são desinteressados ​​ou francamente hostis às tentativas de entender o problema da medição quântica.

Isso me deixa triste. Eu não sei quanto a todas as outras pessoas, mas pessoalmente, eu não caio de amor pela ciência como uma criança, até porque eu sou arrebatado pelo romance de encontrar técnicas de cálculo ligeiramente mais eficientes. Não me interpretem mal – encontrar técnicas de cálculo mais eficientes é extremamente importante, e eu gosto de fazer isso sozinho quando eu acho que posso ter algo a contribuir. Mas não é o ponto – é um passo no caminho para o ponto.

O ponto, que eu busco, é entender como a natureza funciona. Parte disso é saber fazer cálculos, mas outra parte é fazer perguntas profundas sobre o que isso significa. De qualquer forma, isso é o que me interessou na ciência. E parte dessa tarefa é compreender os aspectos fundamentais da nossa imagem física do mundo, cavando profundamente em questões que vão muito além de simplesmente ser capaz de calcular as coisas. É uma pena que muitos físicos não enxergam como uma boa filosofia da ciência pode contribuir para esta missão. O universo é muito maior do que nós somos e mais estranho do que costumamos imaginar, e eu pelo menos estou aberto a toda e qualquer ajuda possível.

CONTINUAR LENDO

Deixe um comentário

28 Comentários em "Os físicos devem parar de dizer bobagens sobre filosofia"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Claudia Ninja
Visitante
Em se tratando da opinião de Sthepen Hawking a respeito da morte da filosofia, dentro do contexto científico, em nenhum momento ele falou que a filosofia é inútil! Ele ocupa o lugar de Isack Newton em Harvard! Pelo amor de Deus! A filosofia esta presente em tudo, inclusive na formação desta mente ilustre! O que ele disse que é que os grandes pensadores, os que trouxeram descobertas significantes para o estudo do universo ja se foram! Os filósofos contemporâneos ja não estão acompanhando a evolucao das novas descobertas porque elas ja entraram num patamar que apenas a tecnologia pode desvendar… Read more »
Maria Clara Fada
Visitante

A Ciência nunca teria existido sem a Filosofia.

Felipe Espinola
Visitante
tem um livro chamado The Grand Design (tem disponível em pdf e voces podem conferir) em que o Hawking e Mlodinow afirmam o seguinte logo no primeiro capítulo, p. 4: “Tradicionalmente, essas são questões para a filosofia, mas a filosofia está morta. A filosofia não tem acompanhado a evolução da ciência moderna, particularmente da física. Os cientistas se tornaram os portadores da tocha da descoberta, em nossa busca pelo conhecimento. O propósito deste livro é dar as respostas que são sugeridas por recentes descobertas e avanços teóricos”. daí logo no final deste mesmo capítulo ele afirma que para uma plena… Read more »
rafael
Visitante

tema interessante, crítica de quinta

Erick Grazina
Visitante

E…não mudei minha opinião. Filosofia é masturbação mental. E não produziu nada de útil. Fim

Anderson Lara
Visitante

Se masturbação mental é tudo o que você consegue fazer quando tenta fazer filosofia, isso é uma limitação sua, não da filosofia. E a filosofia produziu, dentre outras coisas, o próprio método científico. Fim.

Andy Bree
Visitante
É a observação mais babaca que eu já vi… a evolução do estudo científico tem raízes no desenvolvimento do processo de cunho filosófico. Não é de surpreender que milhões de pessoas são arrastadas por várias igrejas oportunistas que falam qualquer bobagem sobre a criação do mundo envolvendo “deus”. A ciência moderna virou uma máquina de analisar números e testes para servir propósitos meramente mundanos e perdeu o propósito de atender as inquietações intrínsecas de um saber mais profundo, tudo bem que os cientistas façam o seu papel analisando “números e testes” mas não tem direito de criticar aquilo que infelizmente… Read more »
Marcelo
Visitante

E acabou de fazer a mesma crítica frustrantemente irritante que o autor escreveu…