Pegadas fósseis incríveis são os primeiros vestígios humanos conhecidos na América do Norte

0
81
Algumas das pegadas fósseis descobertas no Parque Nacional de White Sands. Créditos: Reynolds et al., Science, 2021.

Por Aylin Woodward
Publicado no Business Insider

Uma nova descoberta oferece evidências definitivas de que os humanos estiveram na América do Norte muito antes do que os arqueólogos pensavam – incríveis 7.000 anos antes.

Pegadas fósseis encontradas na margem de um antigo leito de lago no Parque Nacional de White Sands do Novo México datam de 23.000 anos atrás, tornando-as as mais antigas já encontradas na América do Norte.

Esse tempo significa que os humanos ocuparam as regiões do sul do continente durante o pico da idade do gelo final, o que altera nossa compreensão anterior de quando e como eles se moveram para o sul.

A ideia anterior era que as primeiras pessoas a ocupar a América do Norte cruzaram uma ponte de terra que existia entre a Sibéria moderna e o Alasca durante a última era do gelo, entre 26.500 e 19.000 anos atrás.

De acordo com essa teoria, eles teriam que se estabelecer perto do Ártico porque os mantos de gelo que cobriam o Canadá impossibilitaram que eles fossem para o sul.

Mais tarde, depois que essas geleiras derreteram entre 16.000 e 13.500 anos atrás, a migração em direção à América do Sul começou.

Uma das pegadas. Créditos: Reynolds et al., Science, 2021.

Esta nova descoberta, no entanto, “definitivamente coloca os humanos na América do Norte em um momento em que as cortinas do manto de gelo estavam firmemente fechadas”, disse Sally Reynolds, paleoecologista da Universidade de Bournemouth na Inglaterra e coautora do novo estudo, à Insider.

Então, provavelmente, Reynolds disse, os humanos migraram para o sul em várias ondas, e uma delas foi antes da última era do gelo. Essas pessoas podem até ter navegado pela costa do Pacífico.

“Então, mais pessoas desceram depois que o gelo recuou”, disse Reynolds.

A descoberta foi publicada na quinta-feira na revista Science, e o estudo também descreve rastros próximos encontrados de mamutes, lobos-terríveis e preguiças gigantes – presas de humanos antigos.

As pegadas mais antigas conhecidas nas Américas

A equipe de Reynolds encontrou 60 pegadas humanas entre 21.000 e 23.000 anos. Os pesquisadores estimaram a idade dos rastros datando sementes microscópicas de uma planta aquática encontrada em camadas de sedimento de lago que imprensavam as pegadas.

“É uma evidência inequívoca”, disse Reynolds. “As camadas são de sementes, pegadas, mais sementes [e assim por diante]”.

As pegadas são agora as mais antigas das Américas, anteriormente um posto ocupado por uma pegada de 15.600 anos encontrada no Chile há uma década.

A maioria das faixas pertencia a adolescentes e crianças, constatou a equipe, possivelmente indicando que os jovens brincavam na área enquanto os adultos caçavam e coletavam.

Reynolds disse que antes desta descoberta, a estimativa mais antiga de quando os humanos começaram a ocupar a América do Norte foi há 16.000 anos.

A única pista de que as pessoas podem ter chegado antes é um conjunto de ferramentas e artefatos de pedra encontrados na remota caverna mexicana. Os arqueólogos estimaram que o sedimento que abriga esses artefatos tinha 32.000 anos, mas essa não é uma medição confiável, disse Reynolds. Os artefatos podem migrar para cima e para baixo através das camadas de sedimentos ao longo do tempo.

“As pegadas, em contraste, são fixadas na paisagem”, disse Reynolds.

Algumas das pegadas fósseis descobertas no Parque Nacional de White Sands. Créditos: Reynolds et al., Science, 2021.

Os humanos poderiam ter viajado para o sul de barco

Reynolds disse que ainda não está claro como, exatamente, os humanos viajaram para o sítio arqueológico de White Sands – embora existam várias teorias importantes.

Uma sugere que eles viajaram pela costa oeste através de uma passagem de terra sem gelo. Outra propõe que eles vieram de barco, possivelmente navegando da Rússia ou do Japão dos dias modernos e, em seguida, expandindo para o sul ao contemplar toda a costa do Pacífico.

Reynolds disse que também acha que é possível que nossos ancestrais tenham cruzado o continente e navegado pela costa do Atlântico, antes de viajar para o Novo México.

“Há um ponto de interrogação pairando sobre o papel de suas habilidades marítimas”, disse ela.

Os antigos humanos na América do Norte caçavam preguiças gigantes

Esta não é a primeira descoberta notável proveniente do sítio arqueológico de White Sands.

“Seu valor vai muito, muito além da data dessas novas pegadas”, disse Reynolds.

Três anos atrás, sua equipe descobriu um conjunto diferente de pegadas de humanos e de animais no local, datando de cerca de 15.500 anos atrás. Essas pegadas revelaram uma batalha épica entre predador e presa: um humano estava perseguindo uma preguiça gigante.

“O humano estava andando bem atrás dela”, disse Reynolds, acrescentando, “e a preguiça absolutamente não estava gostando”.

As preguiças gigantes foram extintas há cerca de 12.000 anos. Na mesma época, até 90 por cento de todos os animais de grande porte do mundo, incluindo mastodontes, cavalos pré-históricos e antigos tatus gigantes, também foram extintos.

Muitos arqueólogos pensam que os primeiros humanos nas Américas desempenharam um papel desproporcional na extinção em massa ali, visto que aconteceu alguns milênios após sua chegada.

“Os humanos aparecem e a megafauna começa a morrer”, disse Reynolds. “Parece uma relação óbvia de causa e efeito”.