Pesquisadores estão descobrindo por que algumas pessoas ‘ouvem as vozes’ dos mortos

0
394
Um exemplo da chamada 'fotografia espírita' vitoriana. Créditos: William Hope / National Media Museum / Flickr.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

Cientistas identificaram as características que podem tornar uma pessoa mais propensa a alegar que ouve as vozes dos mortos.

De acordo com a pesquisa publicada no início deste ano, uma predisposição a altos níveis de absorção em tarefas, experiências auditivas incomuns na infância e uma alta suscetibilidade a alucinações auditivas ocorrem mais fortemente em autodenominados médiuns clariaudientes do que na população em geral.

A descoberta pode nos ajudar a entender melhor as perturbadoras alucinações auditivas que acompanham doenças mentais como a esquizofrenia, disseram o pesquisadores.

As experiências espíritas de clarividência e clariaudiência – a experiência de ver ou ouvir algo na ausência de um estímulo externo que é atribuída aos espíritos dos mortos – são de grande interesse científico, tanto para antropólogos que estudam experiências religiosas e espirituais, quanto para cientistas que estudam experiências alucinatórias patológicas.

Em particular, os pesquisadores gostariam de entender melhor por que algumas pessoas com experiências auditivas relatam uma experiência espírita, enquanto outras as acham mais angustiantes e recebem um diagnóstico de saúde mental.

“Os espíritas tendem a relatar experiências auditivas incomuns que são positivas, que começam cedo na vida e que muitas vezes são capazes de controlar”, explicou o psicólogo Peter Moseley, da Universidade de Northumbria, no Reino Unido, quando o estudo foi publicado.

“Entender como elas se desenvolvem é importante, porque pode nos ajudar a entender mais sobre experiências angustiantes ou não controláveis ​​de ouvir vozes também”.

Ele e seu colega psicólogo Adam Powell, da Universidade de Durham, no Reino Unido, recrutaram e pesquisaram 65 pessoas que se autodenominam médiuns clariaudientes da União Nacional dos Espíritas do Reino Unido e 143 membros da população em geral recrutados através da mídia social, para determinar o que diferenciava os espíritas do público em geral, ou seja, os que não (normalmente) relatam ouvir as vozes dos mortos.

No geral, 44,6 por cento dos espíritas relataram ouvir vozes diariamente, e 79 por cento disseram que as experiências faziam parte de suas vidas diárias. E embora a maioria tenha relatado ouvir as vozes dentro de suas cabeças, 31,7% relataram que as vozes também eram externas.

Os resultados da pesquisa foram impressionantes.

Em comparação com a população em geral, os espíritas relataram uma crença muito maior no paranormal e eram menos propensos a se importar com o que as outras pessoas pensavam deles.

Os espíritas em geral tiveram sua primeira experiência auditiva na juventude, com idade média de 21,7 anos, e relataram alto nível de absorção. Esse é um termo que descreve a imersão total em tarefas e atividades mentais ou estados alterados, e quão eficaz o indivíduo é para se desligar do mundo ao seu redor.

Além disso, eles relataram que eram mais propensos a experiências semelhantes a alucinações. Os pesquisadores notaram que geralmente não tinham ouvido falar do espiritismo antes de suas experiências; em vez disso, eles o encontraram enquanto procuravam respostas.

Na população em geral, altos níveis de absorção também foram fortemente correlacionados com a crença no paranormal – mas pouca ou nenhuma suscetibilidade a alucinações auditivas. E em ambos os grupos, não houve diferenças nos níveis de crença no paranormal e suscetibilidade a alucinações visuais.

Esses resultados, disseram os pesquisadores, sugerem que ter experiências com as ‘vozes dos mortos’ é, portanto, improvável de ser resultado da pressão dos colegas, de um contexto social positivo ou de sugestionabilidade devido à crença no paranormal. Em vez disso, esses indivíduos adotam o espiritismo, porque se alinha com sua experiência e é pessoalmente significativo para eles.

“Nossas descobertas dizem muito sobre ‘aprendizado e anseio’. Para nossos participantes, os princípios do espiritismo parecem dar sentido tanto às experiências extraordinárias da infância quanto aos fenômenos auditivos frequentes que experimentam como médiuns praticantes”, disse Powell quando o estudo foi publicado.

“Mas todas essas experiências podem resultar mais de certas tendências ou habilidades iniciais do que simplesmente acreditar na possibilidade de contatar os mortos se tentarmos o suficiente”.

Pesquisas futuras, segundo suas conclusões, devem explorar uma variedade de contextos culturais para entender melhor a relação entre absorção, crença e a estranha experiência espiritual de fantasmas sussurrando no ouvido de alguém.

A pesquisa foi publicada na revista Mental Health, Religion and Culture.