Pesquisadores revelam imagens do novo coronavírus

Esta imagem do microscópio eletrônico de varredura mostra SARS-CoV-2 (amarelo) entre as células humanas (rosa). Este vírus foi isolado de um paciente nos EUA (a cor foi adicionada à imagem para mostrar melhor o vírus e seu ambiente). Crédito: NIAID-RML.

Por Yasemin Saplakoglu
Publicado na Live Science

Na quinta-feira (13 de fevereiro), o Rocky Mountain Laboratories (RML) do National Institute of Allergy and Infectious Diseases revelou algumas das primeiras imagens do SARS-CoV-2, o novo coronavírus, que infectou mais de 60.000 pessoas e matou outros 1.370 no surto que começou em Wuhan, China.

Os vírus são pequenas bolhas infecciosas que são compostas de DNA ou RNA embrulhados dentro de uma camada de proteína. Eles são pequenos demais para serem vistos por um típico microscópio óptico.

Pesquisadores do RML fotografaram amostras do vírus e células retiradas de um paciente dos EUA infectado com COVID-19 (o novo nome da doença causada pelo SARS-CoV-2) utilizando dois tipos diferentes de microscópios de alta resolução – o microscópio eletrônico de varredura e o microscópio eletrônico de transmissão. Ambos utilizam um feixe focado de elétrons em vez de um feixe de luz para amostras de imagens. (A cor é adicionada posteriormente às imagens.)

Esta imagem do microscópio eletrônico de varredura mostra o novo coronavírus (amarelo) entre as células humanas (azul, rosa e roxo). (A cor foi adicionada à imagem para mostrar melhor o vírus e seu ambiente.) Crédito: NIAID-RML.

O vírus SARS-COV-2 é semelhante ao coronavírus da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV), que surgiu em 2012, e o coronavírus da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV), que surgiu em 2002, de acordo com um comunicado.

Isso ocorre porque todos esses três vírus estão na mesma família de “coronavírus”, que são nomeados por sua aparência de coroa (mais aparente na imagem de transmissão de elétrons). A palavra “corona” em latim significa “coroa”.

Esta é uma imagem do microscópio eletrônico de transmissão mostrando o novo coronavírus emergindo da superfície das células humanas. Crédito: NIAID-RML.