Poeira do asteroide que dizimou os dinossauros encerra questão sobre a extinção por impacto

0
413
Créditos: Mark Garlick / Science Photo / Getty Images.

Por MikeMcRae
Publicado na ScienceAlert

Tendo dominado a superfície do planeta por centenas de milhões de anos, a diversidade dos dinossauros chegou a uma conclusão dramática há cerca de 66 milhões de anos, com o impacto de um asteroide onde hoje é a Península de Iucatã, no México.

É uma teoria tão carregada de evidências que é difícil imaginar que ainda haja espaço para dúvidas de que foi isso que realmente aconteceu. Se fosse um caso arquivado, estaria nos arquivos e carimbado como ‘resolvido’.

Mas os cientistas são bastantes minuciosos. Uma pequena lacuna na cadeia de evidências que liga os sinais desse apocalipse global à cena do crime estava implorando para ser preenchida.

Uma equipe internacional de pesquisadores que colabora em um estudo do material da famosa cratera de impacto de Chicxulub da Península de Iucatã finalmente combinou a assinatura química da poeira meteorítica dentro de sua rocha com a do limite geológico que representa o evento de extinção dos dinossauros.

Parece ser um sinal claro de que a fina camada de poeira depositada na crosta terrestre há 66 milhões de anos se originou de um evento de impacto neste mesmo local.

“Estamos agora no nível de coincidência que geologicamente não acontece sem causa”, disse o geocientista Sean Gulick, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Junto com sua colega geocientista Joanna Morgan do Imperial College London, Gulick liderou uma expedição em 2016 para recuperar uma amostra de rocha que estava a mais de meio quilômetro no anel do centro da cratera.

Quatro laboratórios diferentes realizaram medições na amostra. Os resultados não apenas ajudam a ligar uma grande transição no registro fóssil com o local, mas também sugerem uma linha do tempo que suporta uma queda rápida nas populações de dinossauros em apenas uma ou duas décadas.

“Se você realmente programasse um relógio no evento da extinção há 66 milhões de anos, pode facilmente argumentar que tudo aconteceu em algumas décadas, que é basicamente o tempo que leva para que todos morram de fome”, disse Gulick.

Meio século atrás, a questão de por que a diversidade de fósseis que representa a era Mesozoica chegou a um fim tão abrupto no registro geológico era uma questão em aberto. O que quer que tenha sido responsável pela perda repentina de 75% da vida na Terra, tinha que ser ter sido um processo relativamente rápido e global.

As hipóteses de tal violência cataclísmica eram principalmente centradas em duas possibilidades – uma emergindo do subsolo como uma onda de atividade vulcânica, a outra vinda de cima na forma de um cometa ou impacto de asteroide que perturbou radicalmente o clima global.

Em 1980, o físico americano Luis Alvarez e seu filho, um geólogo chamado Walter, publicaram um estudo sobre uma fina camada de sedimento que divide o período Cretáceo povoado por dinossauros do mundo pós-dinossauro do Paleogeno.

Uma característica definidora dessa fina faixa de rocha sedimentar de um milímetro a um centímetro de espessura era uma quantidade incomumente alta do elemento irídio, um metal que não é encontrado em abundância na crosta terrestre.

Um lugar onde você encontrará bastante irídio é nos meteoritos. Assim, a descoberta de Alvarez e filho marcou a primeira evidência sólida de que algo do espaço espalhou seus restos por todo o planeta na época em que a biodiversidade dos dinossauros se reduziu drasticamente.

Coincidentemente, o local da colisão colossal era foco de pesquisas na mesma época, embora a conexão clara entre a cratera de 180 a 200 quilômetros de comprimento na fronteira ao sul do Golfo do México com o asteroide assassino não tenha acontecido até a década de 1990.

Desde então, as evidências que apoiam o impacto de um asteroide só ficaram mais fortes, com modelos indo tão longe ao ponto de sugerir que o ângulo, bem como a localização do impacto de Chicxulub, desempenharam papéis cruciais na magnitude do evento de extinção.

Evidências de que uma zona de intensa atividade geológica no oeste da Índia chamada de Basaltos de Decão estava contribuindo com grandes quantidades de gases de efeito estufa na época, significando que a hipótese do vulcanismo nunca foi totalmente descartada, pelo menos como um possível fator contribuinte.

Se esse cenário tectônico desempenhou algum papel no famoso evento de extinção, ou mesmo ajudou a biodiversidade a se recuperar dele depois, ainda está em debate.

O que não é mais um ponto de discussão séria é se o pedaço de rocha de 12 quilômetros de largura que atingiu a costa de onde agora é o México há cerca de 66 milhões de anos é o que contribuiu para o fim a incontáveis dinossauros.

“O círculo está finalmente completo”, disse o líder do estudo Steven Goderis, geoquímico da Vrije Universiteit Brussel, na Bélgica.

Caso encerrado.

Esta pesquisa foi publicada na Science Advances.