Por que a descoberta da tumba de Cleópatra reescreveria a história

0
170
A parede sul do templo de Hathor em Dendera. Cleópatra e seu filho Cesarião são representados no lado esquerdo. (Créditos: www.shutterstock.com)

Traduzido por Julio Batista
Original de Jane Draycott para a The Conversation

Não poderia ter sido um caso de timing melhor. Os egiptólogos que comemoram o centenário da descoberta da tumba de Tutancâmon agora têm uma nova e promissora descoberta arqueológica que parece ter sido feita no Egito. Escavadores descobriram um túnel sob o templo de Taposiris Magna, a oeste da antiga cidade de Alexandria, que eles sugeriram que poderia levar ao túmulo da rainha Cleópatra. A evidência de que este é realmente o caso ainda está para ser confirmada, mas tal descoberta seria um achado importante, com o potencial de reescrever o que sabemos sobre a rainha mais famosa do Egito.

De acordo com o antigo escritor grego Plutarco – que escreveu uma biografia do marido de Cleópatra, o general romano Marco Antônio, e é responsável pelo relato mais longo e detalhado dos últimos dias do reinado de Cleópatra – tanto Antônio quanto Cleópatra foram enterrados no mausoléu de Cleópatra.

De acordo com Plutarco, no dia em que Augusto e suas forças romanas invadiram o Egito e capturaram Alexandria, Antônio foi ferido mortalmente em batalha, morreu nos braços de Cleópatra e foi enterrado no mausoléu. Duas semanas depois, Cleópatra foi ao mausoléu para fazer oferendas e derramar libações, e tirou a própria vida de uma forma ainda desconhecida (um equívoco popular é que ela foi mordida por uma víbora-áspide). Ela também foi enterrada no mausoléu.

Nos dias que se seguiram, o filho de Antônio, Marco Antônio Antilo, e o filho de Cleópatra, Ptolomeu XV Cesarião (também conhecido como Cesário, “Pequeno César”), foram ambos assassinados pelas forças romanas, e os dois jovens também podem ter sido enterrados lá.

Se o mausoléu de Cleópatra não desapareceu sob as ondas do Mediterrâneo junto com a maior parte da cidade helenística de Alexandria, e um dia for encontrado, seria uma descoberta arqueológica quase sem precedentes.

Uma descoberta que pode reescrever a história

Enquanto os túmulos de muitos governantes históricos famosos ainda estão de pé – o mausoléu de Augusto, inimigo mortal de Antônio e Cleópatra, em Roma, é um exemplo – seu conteúdo foi frequentemente saqueado e perdido séculos atrás.

Uma exceção notável é a tumba de Filipe II da Macedônia, pai de Alexandre, o Grande, descoberta em Vergina no final dos anos 1970. A tumba foi encontrada intacta e isso permitiu décadas de investigação científica sobre seu conteúdo, avançando nosso conhecimento sobre os membros da família real macedônia e sua corte. O mesmo seria verdade se a tumba de Cleópatra fosse descoberta e encontrada intacta.

A quantidade de novas informações que egiptólogos, classicistas, historiadores antigos e arqueólogos poderiam extrair de seu conteúdo seria imensa. Na maior parte, nosso conhecimento de Cleópatra e seu reinado vem de antigas fontes literárias gregas e romanas, escritas após sua morte e inerentemente hostis à rainha egípcia. Não temos muitas evidências que revelem a perspectiva egípcia de Cleópatra, mas o que temos, como relevos honoríficos nos templos que ela construiu e votos dedicados por seus súditos, nos dá uma visão muito diferente dela.

A ética de desenterrar os restos mortais de Cleópatra

Até o momento, nenhuma tumba de outro governante ptolomaico foi encontrada. Eles estariam todos situados no bairro do palácio de Alexandria e acredita-se que estejam abaixo do mar com o resto dessa parte da cidade.

A arquitetura e o conteúdo material da tumba por si só manteriam os historiadores ocupados por décadas e forneceriam quantidades sem precedentes de informações sobre o culto real ptolomaico e a fusão da cultura macedônia e egípcia. Mas se os restos mortais de Cleópatra também estivessem lá, eles poderiam nos dizer muito mais, incluindo a causa de sua morte, sua aparência física e até mesmo responder à espinhosa questão de sua raça e etnia.

Mas deveríamos esperar encontrar os restos mortais de Cleópatra e analisá-los? De Tutancâmon aos antigos egípcios comuns, cujas múmias foram escavadas ao longo dos séculos, houve uma longa história de má administração e maus-tratos.

Embora os dias em que as múmias eram desembrulhadas como uma forma de entretenimento em jantares vitorianos felizmente tenham passado, as preocupações estão sendo cada vez mais levantadas por aqueles que trabalham com patrimônio sobre o tratamento adequado de nossos ancestrais.

Ainda que a descoberta da tumba de Cleópatra seja inestimável para os egiptólogos e outros estudiosos, é justo negar à rainha a oportunidade de paz e privacidade na morte que ela não recebeu em vida?