Por que a psicologia evolutiva (provavelmente) não é possível

Crédito: Perry Smith.

Por Subrena E. Smith
Publicado no The Evolution Institute

Os geneticistas, especializados na população humana, podem nos falar sobre os padrões de migração humana, podem nos dizer como estamos relacionados a outras espécies (por exemplo, neandertais e denisovanos). Também podem nos dizer quais doenças afligiram nossos ancestrais, quais versões antigas dessas doenças são encontradas em algumas populações contemporâneas e muito mais. O trabalho deles é uma síntese biodetectiva da filogenia humana. Uma “janela” para os processos evolutivos.

Os psicólogos evolutivos querem nos falar sobre os padrões da psicologia humana, nossos modos de “pensar” e, portanto, comportar-se em relação a certos estímulos – escolher com quem se acasalar, se envolver em xenofobia, estendendo outra consideração aos parentes e muito mais. Esse trabalho é uma fabricação inferencial e extrapolatória. Também deveria ser uma “janela” para os processos evolutivos.

Em ambos os domínios, os pesquisadores buscam entender as forças que nos moldam, tanto o homem contemporâneo, quanto nossos ancestrais. Na base de tudo isso, há um tipo de documento biohistórico, o nosso DNA, e o que se diz estar “escrito” nele.

De acordo com a minha investigação, os psicólogos evolutivos não mostraram que existem programas psicológicos específicos que estão escritos em nosso documento biohistórico. Em meu artigo recente “Is Evolutionary Psychology Possible?”, publicado na revista Biological Theory, argumento que não é possível dar explicações evolutivas verdadeiras do comportamento humano contemporâneo. O foco do meu argumento é que existe um problema de correspondência no núcleo da psicologia evolutiva que é insolúvel e, portanto, torna o projeto impossível de ser executado.

A mente humana foi formada por forças evolutivas de uma maneira que fosse permitida que nossos ancestrais tivessem sucesso. Sabemos que eles tiveram êxito porque somos os beneficiários desse sucesso. É o sucesso obtido com o empreendimento da vida: eles evitavam o risco de virarem alimentos para os outros, compravam comida suficiente para si mesmos, reproduziam-se e cuidavam dos filhotes. Esses feitos foram possíveis porque se adaptaram às contingências ambientais. Se livrar das presas e cuidar dos parentes foram respostas a eventos particulares, filtrados através da psicologia.

A visão da psicologia evolutiva é que esses programas psicológicos não apenas ajudaram nossos ancestrais e depois desapareceram. Pelo contrário, eles se tornaram parte do documento biohistórico, a nossa base genética. Portanto, estamos equipados com adaptações psicológicas herdadas geneticamente de nossos ancestrais. Essas adaptações antigas não evoluíram desde o momento em que foram estabelecidas.

O objetivo da psicologia evolutiva é fornecer explicações evolutivas verdadeiras para o comportamento humano contemporâneo. Os psicólogos evolutivos acreditam que muitos de nossos comportamentos no presente são causados por mecanismos psicológicos que operam hoje como no passado. Cada mecanismo foi selecionado por seus efeitos específicos de aprimoramento da aptidão, e cada um deles responde apenas aos tipos de entradas para os quais são uma adaptação. Para proteger suas alegações, os psicólogos evolutivos precisam mostrar quais tipos particulares de comportamento são subscritos por mecanismos específicos.

As inferências da psicologia evolutiva só podem ter sucesso se fosse possível determinar quais tipos particulares de comportamento são causados por estruturas psicológicas específicas. Essas estruturas devem ter essa função evoluída para produzir comportamentos exatamente desse tipo. Se os comportamentos humanos atuais são causados por estruturas psicológicas, e isso também se aplica aos nossos ancestrais da idade da pedra, e se existe um alto grau de concordância entre as estruturas que habitam a mente moderna e as que povoavam as mentes de nossos ancestrais pré-históricos, isso ainda estaria aquém de garantir essas inferências. Isso ocorre porque as semelhanças entre estruturas psicológicas pré-históricas e modernas podem ser devidas a processos ontogenéticos – experiências semelhantes produzindo diferenciação funcional semelhante no cérebro.

Para que um traço psicológico atual seja relacionado a um traço psicológico ancestral da maneira que a psicologia evolutiva exige, o traço atual deve ser do mesmo tipo que o ancestral. Ele também deve ter a mesma função que o ancestral e deve ser descendente dessa característica ancestral como parte de uma linhagem reprodutiva que remonta à pré-história. Além disso, é importante ressaltar que a característica atual e ancestral deve ser do mesmo tipo e ter a mesma função, porque a primeira descende da segunda. Isso é fundamental, pois pode ser que um traço atual e um ancestral sejam do mesmo tipo e tenham a mesma função sem que um seja descendente do outro. A arquitetura da mente moderna pode se parecer com a dos humanos primitivos, sem que essa arquitetura tenha sido selecionada e transmitida geneticamente através das gerações. As afirmações da psicologia evolutiva, portanto, fracassam, a menos que os profissionais possam mostrar que as estruturas mentais subjacentes aos comportamentos atuais são estruturas que evoluíram na pré-história para a realização de tarefas adaptativas que ainda é de sua função desempenhar. Esse é o problema da correspondência.

As estruturas psicológicas ancestrais e atuais precisam corresponder da maneira necessária para que as inferências sejam bem-sucedidas. Para isso, três condições devem ser atendidas. Primeiro, determinar que a função de algum mecanismo contemporâneo é aquela que um mecanismo ancestral foi selecionado para executar. Em seguida, determinar que o mecanismo contemporâneo tem a mesma função que o ancestral, por ter descendido do mecanismo ancestral. Por fim, determinar quais mecanismos ancestrais estão relacionados a quais mecanismos contemporâneos dessa maneira.

Não basta assumir que as identidades necessárias são óbvias. Elas precisam ser demonstradas. Solucionar o problema de correspondência requer conhecimento sobre a arquitetura psicológica de nossos ancestrais pré-históricos. Mas é difícil ver como esse conhecimento pode, eventualmente, ser adquirido. Não sabemos muito sobre a mente humana pré-histórica. Alguns psicólogos evolutivos contestam isso. Eles argumentam que, embora não tenhamos acesso à mente desses indivíduos, podemos “ler” os mecanismos ancestrais a partir dos desafios adaptativos que eles enfrentaram. Por exemplo, como a evasão de predadores foi um desafio adaptativo, a seleção natural deve ter instalado um mecanismo de evasão de predadores. Essa estratégia inferencial funciona apenas se todas as estruturas mentais são adaptações, se as explicações adaptacionistas são difíceis de encontrar e se as adaptações são facilmente caracterizadas. Não há razão para supor que todas as estruturas mentais são adaptações, assim como não há motivo para supor que todas as características são adaptações. Também sabemos que é fácil encontrar hipóteses adaptacionistas. E, finalmente, há o problema de como caracterizar traços. Qualquer problema adaptativo caracterizado de maneira grosseira (por exemplo, “evasão de predadores”) pode igualmente ser caracterizado como um agregado de problemas de granulação mais fina. E esses, por sua vez, podem ser caracterizados como um agregado para problemas ainda mais refinados. Isso introduz indeterminação e arbitrariedade em como os desafios adaptativos devem ser caracterizados e, portanto, quais estruturas mentais são consideradas hipóteses de serem respostas a esses desafios. Essa dificuldade gera um obstáculo adicional para resolver o problema de correspondência. Se não há fato sobre como os mecanismos psicológicos devem ser individualizados, então não há fato sobre como eles devem ser correspondidos.

Mostrei que existem obstáculos para demonstrar que os comportamentos atuais são resultados dos tipos de estruturas psicológicas evoluídas propostas pela psicologia evolutiva. Mesmo que esses obstáculos possam ser superados, o problema continua sendo a identificação desses comportamentos com tipos particulares de comportamento que se acredita existir na pré-história. As estruturas psicológicas podem ser individualizadas apenas pelos comportamentos que elas produzem, portanto, sua individualização depende da individualização dos comportamentos.

Normalmente individualizamos comportamentos atribuindo intenções a agentes que os realizam. Os psicólogos evolutivos não podem se valer desse método porque precisam oferecer explicações subpessoais do comportamento enquadradas em termos de mecanismos computacionais subjacentes. Assim, os psicólogos evolutivos precisam de alguma outra maneira de individualizar comportamentos para fazer inferências sobre a arquitetura psicológica de humanos contemporâneos e ancestrais. Existem três formas de fazer isso. Uma é individualizar comportamentos por seus efeitos. Outra é individualizá-los por suas funções. E um terceiro é individualizá-los por suas causas.

A primeira opção é individualizar comportamentos por seus efeitos. Suponha que um comportamento seja do mesmo tipo que um comportamento ancestral, porque ambos produzem os mesmos efeitos. E suponha que, de alguma forma, possa ser estabelecido que um comportamento atual tenha os mesmos efeitos e, portanto, seja do mesmo tipo que um comportamento ancestral. Isso não forneceria o que os psicólogos evolutivos precisam, porque os psicólogos evolutivos estão preocupados com a conservação das causas psicológicas do comportamento, e a igualdade de efeito não implica a igualdade de causa.

A segunda opção é individualizar comportamentos por suas funções. A função de uma característica fenotípica é o efeito dessa característica na aptidão física em uma massa crítica de causas ancestrais. Um comportamento atual é funcionalmente idêntico a um comportamento ancestral, caso os dois comportamentos tenham a mesma função. Esse critério falha porque é circular. Individualizar comportamentos por suas funções é o mesmo que dar explicações evolutivas sobre eles. Se alguém assume que um comportamento contemporâneo tem uma função, no sentido relevante de “função”, supõe-se que esse comportamento tenha uma explicação evolutiva. Simplificando, comportamentos individualizados com base em suas funções supõem ilegitimamente que um comportamento foi selecionado e, em seguida, utiliza-se essa suposição como evidência para a qual o comportamento foi selecionado.

Finalmente, pode-se individualizar comportamentos por suas causas. Essa é a opção que os psicólogos evolutivos devem buscar, porque precisam ser capazes de inferir a psicologia subjacente a partir de efeitos comportamentais, a fim de fornecer explicações evolutivas da psicologia atual. Nessa opção, se dois comportamentos têm as mesmas causas psicológicas, eles pertencem ao mesmo tipo comportamental. Se um comportamento atual é do mesmo tipo que um comportamento na pré-história, e se os comportamentos são individualizados por suas causas, então o comportamento contemporâneo que se deseja explicar e o comportamento na pré-história por meio do qual se deseja explicá-lo devem ter o mesmo tipo de causas. Mas essa estratégia deixa de ser explicativa porque é circular. Baseia-se no princípio de que os mecanismos psicológicos são individualizados pelos comportamentos que provocam, enquanto também individualizam esses comportamentos pelos mecanismos que supostamente os causam.

Alguns leitores podem pensar que estou mantendo a psicologia evolutiva em um padrão epistêmico muito mais elevado do que o normal nas ciências biológicas evolutivas. Mas esse não é o caso. Inferências da psicologia evolutiva geralmente falham em satisfazer critérios epistêmicos razoáveis. Ao fazê-las sobre traços paradigmaticamente biológicos, os biólogos utilizam manipulações experimentais, métodos comparativos, registro fóssil e modelos de otimização para determinar que a seleção ocorreu e que os itens em consideração mantiveram suas funções selecionadas.

Os psicólogos evolutivos são prejudicados pelo fato de que esses métodos não estão disponíveis para eles. As manipulações experimentais do tipo utilizadas no estudo de outros organismos são, em nosso caso, geralmente eticamente inaceitáveis ou tecnicamente inatingíveis. Os métodos comparativos não são seguramente informativos, pois não existem espécies existentes que estejam intimamente relacionadas ao Homo sapiens e os comportamentos relevantes geralmente não são altamente conservados. O registro fóssil também é improdutivo, pois os processos mentais não deixam evidências materiais inequívocas, e a modelagem de otimização é problemática porque a indeterminação do comportamento pelas estruturas psicológicas dificulta ou impossibilita a aplicação de um cálculo de otimização às estruturas psicológicas hipotéticas. Além disso, hipóteses da psicologia evolutiva incluem inferências sobre estruturas hipotéticas para as quais existe uma falta de suporte empírico, e não há nenhuma evidência de que as mentes de nossos ancestrais pré-históricos possuíam esse tipo de arquitetura.

Referência