Por que os vikings deixaram a Groenlândia misteriosamente? Podemos finalmente ter descoberto

0
401
Ruínas de uma igreja nórdica em Hvalsey, Groenlândia. Créditos: Cavan Images / Cavan / Getty Images.

Por Mike McRae
Publicado na ScienceAlert

Durante quase quatro séculos, a costa sul da Groenlândia definiu o limite mais ocidental da ocupação viking.

Seduzidos por visões de colinas verdejantes e terrenos férteis, no final do século X, ondas de migrantes nórdicos partiram na esperança de uma vida mais fácil no exterior. No seu auge, a população da colônia era de milhares, espalhada por três grandes assentamentos.

E então acabou. Nada escrito relatando dificuldades. Nenhum registro de luta. Em meados do século XV, o experimento nórdico na Groenlândia foi um fracasso.

Novas pesquisas sugerem que podemos ter entendido tudo errado sobre a principal causa do colapso, mudando o foco do frio extremo para a seca extrema.

Os historiadores especulam que a causa do colapso da colônia pode ter sido qualquer coisa, desde violência repentina nas mãos de uma cultura invasora até um declínio gradual nas taxas de natalidade, até dificuldades causadas por mudanças climáticas.

Há pouca dúvida de que uma variedade de fatores estava em ação, mas o consenso tende a ver um como crítico – uma queda duradoura nas temperaturas referida como a Pequena Idade do Gelo.

É uma ideia que uma equipe de pesquisadores da Universidade de Massachusetts Amherst e da Universidade de Buffalo, nos EUA, agora encontrou falta de evidências.

Apontando para registros de temperatura e precipitação revelados nos sedimentos de um local perto dos restos de uma antiga fazenda nórdica, a equipe sugere que foi um declínio acentuado nas chuvas de verão que tornou a vida na Groenlândia cada vez mais inviável.

O próprio nome da Groenlândia é um nome impróprio, intencionalmente criado pelo fundador das colônias vikings da ilha, Érico Torvaldsson, o Vermelho, como propaganda para atrair colonos dispostos de longe.

Ainda assim, aqueles que vieram rapidamente se acostumaram aos longos invernos gelados e ao extremo distanciamento de tudo, encontrando riquezas na forma de peles de morsa e marfim para negociar com os que voltavam para casa por frutas secas e madeira.

A sobrevivência dependia do conhecimento herdado de criar colheitas e gado em condições extremas e escassas, complementando com alimentos do oceano.

Por mais difícil que pareça a vida viking na Groenlândia, desde seu estabelecimento em 985 d.C., a população prosperou e se expandiu ao longo de várias gerações, antes de desaparecer dos registros históricos em meados de 1400.

O período de povoamento também passa a ser um período da história que abrange o início de um resfriamento regional no Atlântico Norte, levando alguns historiadores a suspeitar que o estabelecimento da colônia só foi possível graças ao relativo calor anterior a esse período de resfriamento.

No entanto, a evidência para isso tem sido bastante escassa, com base em dados de núcleos de gelo de locais de grande altitude a mais de 1.000 quilômetros de distância da colônia Viking mais próxima da época. Além disso, há boas razões para pensar que a vida era tão fria por volta do século X quanto era no século XV.

“Antes deste estudo, não havia dados do local real dos assentamentos vikings. E isso é um problema”, disse Raymond Bradley, geocientista da UMass Amherst.

A equipe de Bradley, em vez disso, foi ao local de uma das maiores fazendas do assentamento oriental da colônia e passou três anos cavando amostras de material de um lago próximo.

Este sanduíche de lama envolvendo sedimentos, bactérias e matéria vegetal em decomposição contou uma história de 2.000 anos de temperaturas estáveis ​​e chuvas cada vez menores.

“O que descobrimos é que, embora a temperatura mal tenha mudado ao longo do assentamento nórdico do sul da Groenlândia, tornou-se cada vez mais seco ao longo do tempo”, disse o principal autor e geocientista Boyang Zhao, também da UMass Amherst e agora na Universidade Brown.

Quando a vida já está à beira do precipício, cada ano de seca é mais um prego no caixão.

Potenciais rupturas nos laços sociais, uma tendência a ter famílias menores e até mesmo uma queda no valor das presas de morsa com o crescente comércio de marfim de elefante de outros lugares podem ter tornado os tempos de seca muito mais difíceis de suportar. Afinal, o colapso social é um negócio complicado.

Mas quando você está vivendo em uma terra que não é tão verde quanto prometido, mesmo os vikings mais resistentes achariam anos de seca demais para suportar.

Esta pesquisa foi publicada na Science Advances.