Qual era o lanchinho favorito do megalodonte? Os rostos de baleias cachalotes

O implacável megalodonte comia os narizes ricos em gordura das baleias, mostram os fósseis de crânios.

0
79
Nesta ilustração, tubarões gigantes vasculham o enorme cadáver de Livyatan, uma enorme cachalote extinta que viveu cerca de 12 milhões de anos atrás. (Créditos: Jaime Bran)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Se o tubarão gigante e extinto megalodonte tivesse que escolher uma refeição favorita, o vencedor provavelmente seria… nariz de cachalote.

Na verdade, os narizes de cachalotes eram petiscos populares não apenas para o megalodonte, mas também para outros tubarões antigos que caçavam cachalotes, de acordo com uma nova análise de fósseis de crânios de baleias.

Quando cientistas no Peru examinaram uma série de crânios pertencentes a baleias extintas que viveram durante a última parte do Mioceno (23 milhões a 5,3 milhões de anos atrás), eles encontraram inúmeras marcas de mordidas deixadas por várias espécies de tubarões, incluindo o enorme megalodonte (Otodus megalodon) e tubarões que ainda existem hoje, como grandes tubarões brancos (Carcharodon carcharias) e tubarões-mako (Isurus).

Em alguns casos, várias espécies de tubarões se alimentaram do crânio de uma única baleia em “uma série de eventos consecutivos de alimentação” que deixaram o crânio marcado por mais de uma dúzia de mordidas. Além disso, a localização das marcas de mordida revela aos cientistas que os tubarões estavam mirando na testa e no nariz das baleias, provavelmente para que os peixes predadores pudessem se deliciar com os generosos estoques de gordura e óleo nutritivos dos órgãos gordurosos.

As baleias cachalotes são as maiores predadoras com dentes vivas hoje. Elas são conhecidas por suas cabeças volumosas, e grande parte do espaço interno é ocupado por órgãos nasais enormes que as baleias usam para a produção de som, relataram os cientistas em 29 de junho na revista Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences. Duas estruturas dessa rede nasal, o melão e o espermacete, são ricas em óleos e gorduras. E marcas de mordidas nos crânios de baleias do Mioceno correspondiam às posições dessas estruturas em cachalotes modernos, descobriram os cientistas.

“Muitos tubarões estavam usando esses cachalotes como um depósito de gordura”, disse o principal autor do estudo, Aldo Benites-Palomino, doutorando no Museu Paleontológico da Universidade de Zurique, na Suíça. “Em um único espécime, acho que temos pelo menos cinco ou seis espécies de tubarões mordendo a mesma região – o que é insano”, disse ele à Live Science.

Crânios de cachalotes do Mioceno mostraram várias marcas de mordidas; em alguns casos, mais de uma dúzia de marcas foram deixadas por uma variedade de espécies de tubarões. (Créditos: Aldo Benites-Palomino)

Três espécies de cachalote nadam nos oceanos hoje: o grande cachalote (Physeter macrocephalus), o cachalote-pigmeu (Kogia breviceps) e o cachalote-anão (Kogia sima). Mas cerca de 7 milhões de anos atrás, havia pelo menos sete espécies de cachalotes, variando de espécies pequenas dos gêneros Kogia e Scaphokogia, que não tinham mais de 4 metros de comprimento, a criaturas enormes, como Livyatan, que media até 18 m de comprimento.

E atrás desses cachalotes do Mioceno havia muitas espécies de tubarões famintos, apenas esperando uma oportunidade para comer os rostos das baleias.

Para o estudo, os cientistas analisaram crânios de cachalote na coleção do Museu de História Natural de Lima. Os crânios foram coletados da Formação Pisco no sul do Peru e foram datados de cerca de 7 milhões de anos atrás; durante o Mioceno, esta região costeira desértica foi um ponto rico para a biodiversidade marinha, relataram os pesquisadores.

Os enormes dentes de megalodontes deixaram cicatrizes distintas nos fósseis dos crânios. (Créditos: Aldo Benites-Palomino)

A equipe descobriu padrões de marcas de mordida em seis crânios. Alguns tinham apenas algumas marcas de mordidas, enquanto outros exibiam até 18 perfurações agrupadas ao redor dos rostos das baleias. “Ficou claro para nós que algo estava acontecendo – os tubarões estavam de alguma forma predando esses animais e tentando se alimentar de seus narizes”, disse Benites-Palomino.

Variações no tamanho e na forma das marcas de mordida sugeriram que várias espécies de tubarões estavam fazendo fila para dar uma mordida. Grandes marcas de mordida com um pouco de serrilhado eram “típicas de megalodontes”, enquanto mordidas profundas que pareciam ter sido feitas com uma faca afiada “podem ser tubarões-mako ou areia”, explicou ele. “E então, se você tem algo no meio – um pouco mais raso e o serrilhado é irregular – isso é causado principalmente por membros da linhagem de tubarão branco”.

Os tubarões modernos são conhecidos por comer muitas coisas (incluindo pássaros canoros, tartarugas marinhas e até carcaças de baleias jubarte), mas não cachalotes, de acordo com o estudo. Isso levanta questões sobre o que pode ter levado esses predadores vorazes a mudar sua dieta se distanciando de sua refeição favorita: os deliciosos narizes dos cachalotes.

“Você começa a imaginar como isso mudou, por que isso mudou, houve alguma implicação no meio ambiente”, disse Benites-Palomino. “Mais do que realmente responder a perguntas, acho que isso está me fazendo ter mais perguntas sobre todas essas descobertas.”