Cientistas encontraram cristais nunca antes vistos na poeira do meteorito de Chelyabinsk

0
79
Um zoom em um dos cristais. (Créditos: Taskaev et al.)

Traduzido por Julio Batista
Original de Harry Baker para o Live Science

Pesquisadores descobriram tipos de cristal nunca antes vistos escondidos em minúsculos grãos de poeira de meteorito perfeitamente preservados. A poeira foi deixada para trás por uma enorme rocha espacial que explodiu sobre Chelyabinsk, na Rússia, há nove anos.

Em 15 de fevereiro de 2013, um asteroide medindo 18 metros de diâmetro e pesando 11.000 toneladas entrou na atmosfera da Terra a cerca de 66.950 km/h.

Felizmente, o meteoro explodiu a cerca de 23,3 quilômetros acima da cidade de Chelyabinsk, no sul da Rússia, inundando a área ao redor com minúsculos meteoritos e evitando uma colossal colisão única com a superfície.

Especialistas da época descreveram o evento como um grande alerta para os perigos que os asteroides representam para o planeta.

A explosão do meteoro de Chelyabinsk foi a maior do tipo a ocorrer na atmosfera da Terra desde o evento de Tunguska em 1908. Explodiu com uma força 30 vezes maior do que a bomba atômica que abalou Hiroshima, segundo a NASA.

Modelo da nuvem de poeira da explosão do meteoro de Chelyabinsk, 2013. (Créditos: NASA/Goddard)

Imagens de vídeo do evento mostraram a rocha espacial queimando em um flash de luz que foi brevemente mais brilhante que o Sol, antes de criar um poderoso estrondo sônico que quebrou vidros, danificou edifícios e feriu cerca de 1.200 pessoas na cidade abaixo, de acordo com o site irmão da Live Science Space.com.

Em um novo estudo, os pesquisadores analisaram alguns dos pequenos fragmentos de rocha espacial que foram deixados para trás após a explosão do meteoro, conhecidos como poeira de meteorito. Normalmente, os meteoros produzem uma pequena quantidade de poeira à medida que queimam, mas os minúsculos grãos se perdem porque são pequenos demais para serem encontrados, são espalhados pelo vento, caem na água ou são contaminados pelo ambiente.

No entanto, depois que o meteoro de Chelyabinsk explodiu, uma enorme nuvem de poeira pairou na atmosfera por mais de quatro dias antes de eventualmente chover na superfície da Terra, de acordo com a NASA.

E, felizmente, camadas de neve que caíram pouco antes e depois do evento prenderam e preservaram algumas amostras de poeira até que os cientistas pudessem recuperá-las logo depois.

Os pesquisadores se depararam com os novos tipos de cristal enquanto examinavam partículas de poeira sob um microscópio padrão.

Um zoom em um dos novos cristais sob um microscópio eletrônico. (Créditos: Taskaev et al.)

Uma dessas pequenas estruturas, que era grande o suficiente para ser vista ao microscópio, estava em foco bem no centro de um dos slides quando um membro da equipe espiou pela lente ocular. Se tivesse sido em qualquer outro lugar, a equipe provavelmente teria perdido, de acordo com o Sci-News.

Depois de analisar a poeira com microscópios eletrônicos mais poderosos, os pesquisadores encontraram muitos outros desses cristais e os examinaram com muito mais detalhes.

No entanto, mesmo assim, “encontrar os cristais usando um microscópio eletrônico foi bastante desafiador devido ao seu pequeno tamanho”, escreveram os pesquisadores em seu paper, publicado em 7 de maio no The European Physical Journal Plus.

Os novos cristais vieram em duas formas distintas; camadas quase esféricas ou “quase esféricas” e hastes hexagonais, ambas “peculiaridades morfológicas únicas”, escreveram os pesquisadores no estudo.

Análises posteriores usando raios-X revelaram que os cristais eram feitos de camadas de grafite – uma forma de carbono feita de camadas sobrepostas de átomos, comumente usadas em lápis – em torno de um nanoaglomerado central no coração do cristal.

Os pesquisadores propõem que os candidatos mais prováveis ​​para esses nanoaglomerados são o buckminsterfulereno (C60), uma bola de átomos de carbono em forma de gaiola, ou o polihexaciclooctadecano (C18H12), uma molécula feita de carbono e hidrogênio.

A equipe suspeita que os cristais se formaram nas condições de alta temperatura e alta pressão criadas pela fragmentação do meteoro, embora o mecanismo exato ainda não esteja claro. No futuro, os cientistas esperam rastrear outras amostras de poeira de meteoritos de outras rochas espaciais para ver se esses cristais são um subproduto comum de fragmentos de meteoros ou são exclusivos da explosão de meteoros de Chelyabinsk.