Quer passar um ano em Marte? Esta nova missão épica da NASA pode ajudar com esse sonho

0
74
Renderização conceitual do Mars Dune Alpha. Crédito: ICON.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

A NASA está recrutando candidatos agora para uma simulação de um ano de estadia em Marte, na qual os candidatos bem-sucedidos terão uma noção totalmente imersiva de como é ser um astronauta vivendo no planeta vermelho para uma missão remota de longa duração.

Este não é um campo de fantasia ocioso para os aspirantes a turistas espaciais, no entanto.

As missões de simulação – chamadas Crew Health and Performance Exploration Analog (CHAPEA) – são coisas sérias, projetadas como testes desafiadores que reproduzem todos os obstáculos e dificuldades que podem ser esperados em um posto avançado marciano isolado.

“A misssão analógica é fundamental para testar soluções que atendam às necessidades complexas de vida na superfície marciana”, disse a cientista-chefe de tecnologia de alimentos Grace Douglas, do Centro Espacial Lyndon B. Johnson da NASA em Houston.

“Simulações na Terra nos ajudarão a compreender e combater os desafios físicos e mentais que os astronautas enfrentarão antes de partirem para o planeta”.

Marte está chamando! As inscrições estão abertas para participar de uma oportunidade rara e única: a primeira missão analógica de um ano em um habitat para simular a vida em um mundo distante, começando no outono do hemisfério norte de 2022. Acha que tem o que é preciso? Créditos: NASA / Twitter.

O programa CHAPEA abrange três missões analógicas, a primeira das quais está agora em fase de recrutamento, com a missão marcada para começar no outono de 2022 no Hemisfério Norte. As missões análogicas de acompanhamento ocorrerão em 2024 e 2025.

Em cada simulação de um ano, quatro membros da tripulação viverão e trabalharão no Mars Dune Alpha, um habitat de 160 metros quadrados localizado isoladamente no Centro Espacial Lyndon B. Johnson.

O habitat, um módulo gigante impresso em 3D projetado pela empresa de arquitetura BIG-Bjarke Ingels Group, hospedará os membros da tripulação enquanto eles lidam com uma série de tarefas e problemas: conduzir pesquisas científicas, consertar coisas que não funcionam e gerenciar recursos limitados da estação.

Outras demandas em seu tempo incluirão a troca de comunicações (experimentando até os atrasos de comunicação), experiências com realidade virtual e sistemas robóticos, e até mesmo potencialmente simulando caminhadas espaciais como parte de sua missão.

A NASA tem uma longa história de execução de missões analógicas, com sua primeira simulação terrestre ocorrendo no Arizona no final dos anos 1990, e Marte é um cenário comum para esses tipos de experimentos em isolamento de longa distância.

Mas as novas missões analógicas do CHAPEA levarão as coisas mais longe do que nunca, de acordo com Jason Ballard, cofundador e CEO da empresa de construção e tecnologia ICON, que está construindo o lar longe do lar marciano.

“Este é o habitat simulado de maior fidelidade já construído por humanos”, disse Ballard.

“Mars Dune Alpha se destina a servir a um propósito muito específico – preparar os humanos para viver em outro planeta. Queríamos desenvolver o ambiente análogo mais fiel possível para ajudar no sonho da humanidade de se expandir para as estrelas”.

Em Mars Dune Alpha, cada membro da tripulação terá seus próprios aposentos privados em uma extremidade do habitat. Em outros lugares, o layout inclui áreas de trabalho, estações de cultivo de alimentos para plantações, uma sala médica, cozinha, espaço para exercícios e áreas de estar compartilhadas.

Os sistemas de iluminação, temperatura e som podem ser personalizados, e grande parte da mobília é móvel, para ajudar a equipe a ajustar as coisas às suas necessidades e requisitos.

Renderização conceitual do Mars Dune Alpha. Crédito: ICON.

Parece ótimo, mas não se engane: esta não é uma viagem de férias. Nem tudo no Mars Dune Alpha pode ser ajustado por conveniência, e nem todas as experiências são opcionais.

“Para obter os dados mais precisos durante a missão analógica, o habitat será tão realista quanto possível a Marte, o que pode incluir fatores estressantes ambientais, como limitações de recursos, isolamento, falha de equipamento e jornadas de trabalho significativas”, explica uma página da missão no site da NASA.

Para estar à altura da tarefa, a NASA diz que está procurando cidadãos estadunidenses saudáveis ​​e motivados ou residentes permanentes, com idade entre 30 e 55 anos, com um forte desejo por aventura.

Os candidatos aprovados serão não fumantes, proficientes em inglês e possuirão vasta experiência em um campo relevante de STEM (incluindo um diploma de mestrado ou equivalente, além de dois anos de experiência profissional), ou ter pelo menos experiência de 1.000 horas como piloto em comando de aeronaves a jato.

Você também precisará estar em boa forma para passar no exame físico de astronauta do voo de longa duração da agência espacial.

Dito isso, é um nível muito alto para entrar neste programa, mas isso reflete o quão desafiadoras essas missões analógicas do CHAPEA serão – e quão seriamente a NASA leva essa pesquisa.

Mas convenhamos: a menos que você seja um bilionário, este aqui é o seu melhor ingresso para o espaço agora. Será um tipo de isolamento muito diferente do que estamos enfrentando na pandemia, pelo menos.

Instruções completas sobre como se inscrever, incluindo detalhes adicionais sobre os critérios de elegibilidade, estão disponíveis aqui.