Raro navio de 400 anos encontrado em rio alemão é uma ‘cápsula do tempo’ incrivelmente preservada

O navio não virou, mas "afundou quase de pé".

0
69
Mergulhadores fizeram 13 mergulhos no navio afundado, totalizando 464 minutos, para fazer um primeiro relatório sobre o naufrágio de 400 anos. (Créditos: Christian Howe)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Arqueólogos marítimos no norte da Alemanha descobriram os destroços de um navio cargueiro de 400 anos que “afundou quase de pé”, escapou da decomposição de vermes famintos e ainda tem os barris de cal que carregava para a indústria de construção de pedra séculos atrás.

O navio, uma descoberta rara, é do período hanseático, quando um grupo de guildas comerciais do norte da Europa dominou os mares Báltico e do Norte dos séculos XIII a XVII, informou a Live Science anteriormente. A madeira apodrece rapidamente debaixo d’água nesta região, e poucos naufrágios dessa idade já foram encontrados. Mas os arqueólogos marítimos pensam que o naufrágio sobreviveu sob as ondas porque foi rapidamente engolido e protegido por uma camada de lama fina transportada pelo rio Trave, que leva à cidade de Lübeck, a cerca de 8 quilômetros do interior.

Os restos do navio foram encontrados pela primeira vez em 2020 durante uma pesquisa de sonar de rotina pelas autoridades do canal navegável no Trave. O navio encontra-se a uma profundidade de cerca de 11 metros no trecho externo predominantemente de água salgada do rio, entre Lübeck e o porto de Travemünde, na foz do Mar Báltico.

O navio naufragado tinha entre 20 a 25 m de comprimento e pode ter sido uma galeota, um navio de carga de mastro único comum durante o período hanseático, disse Fritz Jürgens, o principal arqueólogo marítimo do projeto e assistente de proto-história, arqueologia medieval e pós-medieval na Universidade de Kiel, na Alemanha, ao Live Science. Naquela época, as cidades e guildas do norte da Alemanha e de outras partes da Europa formavam um bloco de sucesso – o Hansa – que dominava o comércio em todo o Báltico e no Mar do Norte.

A camada de lama do rio sobre o naufrágio pode ter impedido que ele fosse colonizado por Teredo navalis, um tipo de molusco de água salgada chamado “verme do navio” que rapidamente come madeira submersa, disse Jürgens. O bivalve destrói rapidamente destroços de madeira na região do Báltico ocidental, mas não vive nas águas mais frias do Báltico oriental; como resultado, destroços de madeira com séculos de idade, como o do Trave, quase nunca são encontrados no oeste, disse ele.

Carga de cal sobreviveu

Arqueólogos marítimos acreditam que o casco de madeira e os barris de carga do navio foram protegidos por uma camada de lama do rio Trave contra uma infestação destrutiva de vermes. (Créditos: Christian Howe)

Cerca de 150 barris de madeira encontrados quase intactos sobre ou perto do naufrágio indicam que o navio transportava uma carga de cal viva quando afundou no final do século XVII. A cal viva é feita pela queima de calcário e é um ingrediente crucial para a argamassa usada em alvenaria.

“A fonte dessa cal teria sido a Escandinávia – no meio da Suécia ou no norte da Dinamarca”, disse Jürgens. “Sabemos que essa carga vinha de lá, provavelmente para Lübeck, porque o norte da Alemanha não tem grandes fontes de calcário.”

A pesquisa histórica pode ter apontado a data do naufrágio para dezembro de 1680. Uma carta dessa data nos arquivos históricos de Lübeck mostra que o voight, ou oficial de justiça, de Travemünde pediu a um destinatário desconhecido para recuperar a carga de uma galeota que encalhou em o Rio. Isso se encaixa com o que se sabe sobre o naufrágio do Trave, disse Jürgens, incluindo os resultados de uma técnica de datação chamada dendrocronologia, que revelou que os padrões de anéis de árvores visíveis em suas madeiras eram de árvores derrubadas na década de 1650.

É provável que o navio estivesse fazendo uma curva antes de sua entrada em Lübeck, quando encalhou em um baixio no rio – uma área rasa que ainda existe hoje e ainda ameaça navios que não sabem disso. É possível que trabalhadores do século XVII tenham recuperado parte da carga dos navios, fazendo com que o navio flutuasse; mas o navio logo afundou devido a vazamentos causados ​​quando atingiu o baixio, disse ele.

O naufrágio submerso e sua carga já foram fotografados no local por Christian Howe, um mergulhador científico baseado em Kiel, e espera-se que todo o navio seja levantado do leito do rio nos próximos anos para que não se mova novamente e apresente um perigo para o transporte moderno na região, disse Jürgens.

Naufrágio histórico

O navio pode ser uma galeota, um navio de carga de mastro único que era comum no Mar Báltico na época em que afundou por volta da segunda metade do século XVII. (Créditos: Dr Fritz Jürgens, Universidade de Kiel)

Lübeck era famosa pela construção naval no período hanseático, então é possível que o navio tenha sido construído lá. Mas esses navios eram comuns em toda a região na época em que o navio afundou no Trave, então talvez tenha sido construído em outros lugares da Europa, disse Manfred Schneider, chefe do departamento de arqueologia de Lübeck e líder do projeto para salvar o navio.

O naufrágio destaca-se pelo seu notável estado de conservação, não só pela ausência de infestação por vermes e outros organismos marinhos, mas também pelo peso da sua carga.

“Ainda existem cerca de 70 barris em sua localização original no navio e outros 80 barris nas imediações”, disse Schneider à Live Science por e-mail. “O navio, portanto, afundou quase de pé e não virou.” Ele acrescentou que os arqueólogos podem descobrir mais achados arqueológicos no sedimento que preenche o interior do navio.

Levantar o navio do leito do rio dará aos arqueólogos a chance de investigar completamente o casco e sua construção, e talvez identificar sua origem. “O resgate provavelmente também descobrirá partes anteriormente desconhecidas do naufrágio que ainda estão escondidas no sedimento”, disse Schneider, como quartos para a tripulação do navio na popa que ainda podem conter objetos cotidianos do século XVII.

Embora Lübeck tenha sido um centro de comércio báltico durante o período hanseático, muito poucos objetos marítimos autênticos daquela época sobreviveram, disse Schneider, então a descoberta de quase um navio inteiro dessa época é notável. “Temos algo como uma cápsula do tempo que transmite tudo o que estava a bordo naquele momento”, disse ele. “Ele destaca as rotas comerciais e as opções de transporte no final do período hanseático.”