Reservatório profundo no Canadá tem água de bilhões de anos de idade

Publicado na Nature

Pesquisa sobre prováveis sinais de atividade microbiana isolados na crosta da Terra.

Os cientistas que trabalham há 2,4 quilômetros abaixo da superfície da Terra, em uma mina canadense, descobriram uma fonte de água que se manteve isolado por pelo menos um bilhão de anos. Os pesquisadores dizem que ainda não sabem se há alguma coisa vivendo nesse ambiente em todo esse tempo , mas a água contém altos níveis de metano e hidrogênio – o material certo para sustentar a vida.

Bilhões de anos de idade “prenderam” a água durante a formação dos minerais. Mas nenhuma fonte de água de fluxo livre de passagem interligada de fissuras ou poros na crosta terrestre anteriormente, mostrou ter ficado isolada por mais de dezenas de milhões de anos.

“Nós estávamos esperando que esses fluidos teriam, possivelmente, dezenas, talvez até centenas de milhões de anos de idade”, diz Chris Ballentine, geoquímico da Universidade de Manchester, Reino Unido. Chris Ballentine, e sua equipe capturaram cuidadosamente amostras de água que fluiram através de fisurras nos depósitos de 2,7 bilhões de anos de idade em sulfureto de cobre, na mina de zinco perto de Timmins, Ontário, garantindo que a água não tivesse entrando em contato com o ar.

Até o momento, a equipe usou três linhas de evidências, todos baseados na abundância relativa dos vários isótopos de gases nobres presentes na água. Os autores determinaram que o fluido não teve contato com a atmosfera da Terra – e assim foi na superfície do planeta – por pelo menos 1 bilhão de anos, e possivelmente, enquanto 2,64 bilhões de anos, não muito tempo depois que começou o fluido nas rochas.

Muito Estranho

“As composições isotópicas que vêem nestas amostras são extremamente estranhas, e a explicação plausível no artigo me parece a mais provável,” diz Pete Burnard, geoquímico no Centro de Pesquisa Petrográfica e Geoquímica em Vandœuvre-les-Nancy, França. “No momento, eu acho que nós temos que concluir que existem líquidos de 1,5 bilhões de anos de idade, preso na crosta.”

Os resultados são “duplamente interessantes”, diz Ballentine, porque o fluido carrega os ingredientes necessários para suportar a vida. O abastecimento de água isolado, diz ele, fornece “biomas isolados, ecossistemas, em que a vida poderia se originar.” Seus colegas estão trabalhando agora para determinar se a água pode abrigar vida.

Os resultados também podem ter implicações para a vida em Marte, diz Ballentine, embora ele reconheça que a ideia é especulativa. Na superfície de Marte, já teve água, e suas rochas são quimicamente diferentes daqueles na Terra, diz ele. “Não há nenhuma razão para pensar que os mesmos sistemas de fluidos interligados não existem lá.”

CONTINUAR LENDO