Restos únicos do que poderia ser a maior ave do mundo são encontrados na Austrália

0
175
A perna gigante de Deb. (Créditos: Museu e Galeria de Arte do Território do Norte)

Traduzido por Julio Batista
Original de Tessa Koumoundouros para o ScienceAlert

Um par de pernas pertencentes ao que poderia ser a maior espécie de ave que já andou por nosso planeta foi desenterrado de um sítio de fósseis no interior da Austrália central. Emocionantemente, mais restos ainda podem estar por perto, esperando para serem desenterrados.

Descrito por um paleontólogo como um “experimento evolutivo extremo“, o pássaro-trovão-de-stirton (Dromornis stirtoni) é uma colcha de retalhos de traços anatômicos estranhos. Seu bico superdimensionado se projeta de um crânio subdimensionado, todo empoleirado em um corpo que se eleva a 3 metros e pesa até meia tonelada.

Apenas para tornar o animal ainda mais incrível, esses gigantes pesados ​​de 8 milhões de anos estão na verdade relacionados às aves modernas, como galinhas e patos.

Embora os ‘patos demoníacos’ superdimensionados sejam, sem dúvida, pesos pesados, obter uma medida precisa de seu tamanho a partir de amontoados de ossos é mais fácil dizer do que fazer. Esta última descoberta pode tirar algumas das suposições dos modelos que tentam descrever as verdadeiras faixas de tamanho das espécies de Dromornis.

Pela primeira vez, restos dessas enormes aves que não voam foram encontrados articulados, dispostos mais ou menos como eles existiam dentro do outrora animal vivo.

(Créditos: Museu e Galeria de Arte do Território do Norte @MAG_NT/Twitter)

“O que isso significa é que a carcaça estava inteira quando foi enterrada”, disse o paleontólogo e curador de ciências da Terra do Museu e Galeria de Arte do Território do Norte, Adam Yates, ao ScienceAlert.

“Só temos a parte inferior das pernas porque foi até onde cavamos. Há toda a expectativa de que uma grande parte do resto do esqueleto – se não o esqueleto inteiro – possa estar na próxima escavação à medida que cavamos mais na margem de onde as pernas estão.”

Os ossos fossilizados foram descobertos na Reserva de Alcoota, um denso sítio de fósseis a 190 km a nordeste de Alice Springs, com uma das maiores concentrações de restos de vertebrados terrestres na Austrália. Embora este local tenha rendido milhares de espécimes fossilizados desde que as escavações começaram lá em 1986, a maioria deles foram fragmentos misturados de diferentes espécies graças ao registro de inundações que misturou os restos.

Assim, a maioria dos fósseis de Alcoota exigiu uma triagem meticulosa em espécies e reconstruções envolvendo partes de vários animais individuais. Tais reconstruções compostas necessariamente envolvem um grau de pensamento criativo que introduz erros ocasionais.

“Mesmo se você acertar todas as espécies – você juntar os ossos certos com as espécies certas – você ainda terá erros proporcionais porque é claro que há variação natural entre os indivíduos”, explicou Yates.

As novas pernas são uma descoberta emocionante porque podem fornecer aos pesquisadores uma ideia muito mais precisa das verdadeiras proporções desses animais. Também ajudará os paleontólogos a identificar melhor mais ossos de D. stirtoni dos outros fósseis misturados em Alcoota.

(Créditos: Sam Arman @Samosthenurus/Twitter)

O paleontólogo da Universidade Flinders Warren Handley, Yates e colegas já haviam comparado uma variedade de ossos de D. stirtoni misturados descobertos na região e foram capazes de identificar uma diferença de tamanho entre machos e fêmeas.

Eles coletaram amostras dos ossos e identificaram um tipo de tecido chamado osso medular nos espécimes menores. Esta é uma reserva temporária de cálcio que as fêmeas extraem para formar as cascas de seus ovos, uma característica que os machos não têm, explicou Yates.

A julgar pelo tamanho dos ossos da perna recém-descobertos, os pesquisadores suspeitam que os restos pertençam a uma fêmea de D. stirtoni, que a equipe apelidou de Deb. Eles pretendem fazer um exame histológico para confirmar suas suspeitas.

Enquanto isso, os fósseis de Deb estão sendo preparados para exibição temporária no museu no final deste ano. Cuidadosamente limpos e endurecidos com acetato de plástico preenchendo eventuais lacunas, os ossos serão preservados para estudo futuro.

Traços de pássaros-trovão só foram encontrados na Austrália, datando do final do Mioceno. Essas galinhas absurdamente gigante com asas pequenas e curtas não tinham o parte externa especializada para seus grandes anexos musculares de voo. Eles espreitavam por florestas secas e provavelmente usavam seus enormes bicos para devorar frutas e outras vegetações.

Outros herbívoros encontrados em Alcoota datados do mesmo período incluem marsupiais, como cangurus e parentes de vombates do tamanho de vacas antigas.

Esses achados sugerem que D. stirtoni era o grande forrageador desse ecossistema seco, semelhante aos camelos de hoje – usando sua altura para alcançar a vegetação além do alcance de seus companheiros herbívoros menores, explicou Yates.

Naquela época, “não foi um mamífero que assumiu esse papel, foi uma ave”, disse Yates.

Registros fósseis sugerem que essas aves épicas e seus parentes existiram por um período incrível de 25 milhões de anos. Mas no final da época do Mioceno, a Austrália estava secando, talvez rápido demais para D. stirtoni se adaptar.

Yates observa que fósseis de pássaros-trovão jovens são extremamente raros de encontrar, sugerindo que esses animais não tiveram uma taxa de reprodução rápida, produzindo possivelmente apenas um ou dois filhotes por ano. Além disso, “levava um tempo extraordinariamente longo para amadurecer. Dromornis levou 15 anos para atingir o tamanho adulto e a maturidade sexual”.

Essas características são bem conhecidas por deixar os animais vulneráveis ​​às mudanças nas condições ambientais.

A região do depósito de fósseis onde o paleontólogo encontrou Deb também continha um canguru articulado, então Yates está ansioso para voltar ao campo no próximo ano. Ele está confiante de que mais de Deb está esperando para ser descoberto dentro da área de terra, e há uma possibilidade atraente de que este local também contenha fósseis articulados de espécies desconhecidas.