Rosto da antiga múmia egípcia ‘Senhora Misteriosa’ é revelado em reconstruções incrivelmente realistas

A identidade de uma múmia egípcia confundiu os arqueólogos durante séculos. Agora eles sabem como ela pode ter sido.

0
163
Reconstruções faciais lado a lado de uma mulher egípcia cuja identidade há muito tempo confunde os arqueólogos. (Créditos: Projeto Múmia de Varsóvia)

Traduzido por Julio Batista
Original de

A múmia de uma mulher que poderia estar grávida quando morreu deixou os arqueólogos perplexos em busca de pistas sobre sua verdadeira identidade. Agora, duas reconstruções faciais feitas por especialistas forenses estão oferecendo uma nova visão sobre como essa antiga mulher egípcia pode ter sido, revelando mais um segredo que ela manteve por séculos.

Usando tomografias computadorizadas e raios-X, especialistas forenses trabalharam nas reconstruções faciais da múmia, resultando em duas interpretações diferentes da semelhança da mulher. Em ambas as reconstruções, a jovem morena de olhos castanhos é vista olhando para frente, fornecendo uma imagem realista dela que estava perdida para nós.

“As técnicas modernas nos permitem realizar uma autópsia virtual da múmia”, disse Wojciech Ejsmond, co-diretor do Projeto Múmia de Varsóvia, à Live Science por e-mail. “Podemos olhar sob as ataduras e dentro de seu corpo. Pela primeira vez, seu rosto será [revelado] ao público em geral e todos poderão ver seu rosto”.

O Projeto Múmia de Varsóvia na Polônia publicou as reconstruções faciais em uma postagem no Facebook em 8 de novembro.

“Seja uma reconstrução facial arqueológica ou forense, a reconstrução facial não deve ser considerada um retrato exato do indivíduo”, disse Chantal Milani, especialista forense que trabalhou no projeto, à Live Science por e-mail. “No entanto, é baseado no princípio de que o crânio, como a maioria das estruturas anatômicas, tem detalhes, proporções e formas que são individuais para aquela pessoa e se manifestarão através dos tecidos moles, adicionando caráter pessoal à aparência final.”

Ela acrescentou: “A face que cobre a estrutura óssea segue diferentes regras anatômicas, portanto, procedimentos padrão podem ser aplicados para reconstruí-la, por exemplo, para estabelecer a forma do nariz. O elemento mais importante é a reconstrução da espessura dos tecidos moles em vários pontos da superfície dos ossos faciais. Para isso, temos dados estatísticos para várias populações em todo o mundo.”

Seu colega especialista forense e membro do projeto Hew Morrison concordou, acrescentando: “Em um contexto histórico, o processo ajuda a trazer figurativamente o falecido de volta à vida”, disse ele à Live Science em um e-mail, “assim, promovendo o respeito e a sensibilidade pelos falecidos que são objetos de pesquisa ou serão exibidos em museus.”

Os pesquisadores usaram uma tomografia computadorizada para ver mais de perto os restos mumificados. (Créditos: A. Leydo/Projeto Múmia de Varsóvia)

As reconstruções faciais fornecem mais informações sobre uma mulher cuja identidade continua a iludir o arqueólogos, que ao mesmo tempo pensavam que a múmia pertencia a um sacerdote.

No ano passado, pesquisadores do Projeto Múmia de Varsóvia divulgaram um estudo sobre a múmia, apelidando-a de “Senhora Misteriosa”, já que pouco se sabia sobre ela. No início do século 19, arqueólogos encontraram seus restos mortais dentro de um sarcófago lacrado pertencente a um sacerdote, que doaram à Universidade de Varsóvia em 1826. Depois de realizar uma tomografia computadorizada do corpo quase dois séculos depois, os pesquisadores perceberam que talvez estavam vendo a primeira múmia grávida conhecida do mundo, que parecia estar grávida de cerca de 28 semanas e na casa dos 20 anos quando morreu. Eles também concluíram que ela pode ter tido câncer.

A afirmação controversa recebeu resistência de membros da comunidade arqueológica, incluindo alguns que disseram que o “feto” – que não tinha ossos esqueléticos ou uma forma corporal definida – era na verdade objetos de embalsamamento deformados. Mas isso não impediu os pesquisadores de querer saber mais sobre a mulher que foi sepultada há tanto tempo.

“Para muitas pessoas, as múmias egípcias antigas são curiosidades de museus”, disse Ejsmond. “Gostaríamos de reumanizá-las e mostrá-las como pessoas que já viveram, tiveram sentimentos e amaram, cujas mortes foram tragédias”.

As reconstruções faciais, bem como uma representação holográfica da mulher, fazem parte de uma exposição que está sendo realizada no Museu da Silésia em Katowice, Polônia, e estará em exibição até 5 de março de 2023.