Se os seres humanos de repente desaparecessem, o que aconteceria com nosso planeta?

9
2290

Artigo traduzido e originalmente publicado em Quora.

O que aconteceria com o mundo sem nós humanos, supondo que desaparecêssemos por uma razão não destrutiva (como uma guerra nuclear ou algo assim), seria muito semelhante ao seguinte:

*Humanos magicamente desaparecerem ou caem mortos no chão *

2 dias após o desaparecimento dos humanos

Sem bombeamento, muitos sistemas de metrô incluindo aqueles em Nova York irão calmamente serem inundados.

7 dias

O fornecimento de combustível de emergência a geradores a diesel que circulam água de resfriamento para núcleos de reatores nucleares acabaria.

Um pouco semelhante ao que aconteceu com o reator nuclear de Fukushima no Japão, as consequências disso podem variar, uma vez que nenhuma mão humana vai estar lá para evitar uma catástrofe.

1 ano

Em todo o mundo, um bilhão de pássaros anualmente condenados viveriam quando as luzes de advertência de rádios e torres de comunicação cessassem de piscar e os fios de alta tensão ficassem frios.

Os animais começariam a retornar aos locais dos reatores nucleares, onde tudo seria derretido ou queimado. Pelos humanos e piolhos iriam se extinguir.

3 anos

Sem o aquecimento de tubos e canos, tudo iria explodir sobre as cidades em zonas temperadas ou mais frias. Os edifícios iriam gemer como se suas entranhas se expandissem e se contraíssem; junções entre as paredes e o telhado seriam separadas. Sem abrigos aquecidos, baratas nas cidades temperadas morreriam após um ou dois invernos (finalmente boas notícias!).

10 anos

O telhado do celeiro com um furo de 18 x 18 que já estava vazando uma década antes está desaparecido há muito tempo. Agora, um enorme buraco está tomando seu lugar, se estendendo de canto a canto.

20 anos

As colunas de aço embebidas em aço que suportam as ruas acima dos trens de East Side em Nova York corroem e se curvam. O Canal do Panamá terá fechado, reunindo as Américas.

Os vegetais comuns do jardim terão se transformado em tensões selvagens intragáveis.

100 anos

Sem comércio de marfim, meio milhão de elefantes restantes aumentariam vinte vezes. Populações de pequenos predadores, guaxinins, doninhas e raposas diminuem devido à concorrência de um legado humano – os imensamente bem-sucedidos e ferozes gatos de estimação. Eles seriam os novos governantes do mundo!!

300 anos

As pontes de Nova York cairiam. As represas em todo o mundo teriam assentado, transbordado e depois derrubadas. Cidades como Houston, construídas em deltas de rios, seriam alagadas.

500 anos

Se o clima fosse temperado, uma floresta ficaria no lugar de um subúrbio; com exceção de alguns montes, tudo começaria a se assemelhar à época de que os fazendeiros a viram pela primeira vez.

Milhares de anos

Quaisquer paredes de pedra ainda de pé na cidade de Nova York iriam finalmente cair. As únicas estruturas humanas intactas seriam aquelas construídas profundamente no subsolo, como o Eurotúnel do Canal Inglês.

3.500 anos

O chumbo depositado durante a era da chaminé seria finalmente purificado do solo (cádmio em 7.500 anos).

10.000 anos

O nível de gás carbônico seria o mesmo dos níveis pré-humanos (embora isso possa demorar ainda mais para acontecer).

25.000 anos

Os níveis de plutônio em bombas de plutônio, cujo invólucro metálico muito antes havia corroído, seriam perdidos na radiação de fundo natural da Terra.

Centenas de milhares de anos

Os micróbios evoluiriam para biodegradar plástico.

720.000 anos

Vestígios do Monte Rushmore continuariam a existir, exceto um asteroide ou terremoto violento. Compostos químicos tóxicos sintéticos, tais como PCB e dioxinas, também provavelmente ainda estarão intactos, embora possivelmente enterrados.

1.200.000 anos

Esculturas de bronze ainda seriam reconhecíveis (você realmente deveria tentar fazer uma de si mesmo agora e colocá-la em seu quintal, para que talvez estrangeiros a encontrassem no futuro e achassem que você era algum tipo de deus!).

3.000.000.000 anos

A vida, embora em formas que nós nem sequer sonhamos, ainda prosperaria na Terra.

4.500.000.000 anos

O meio milhão de toneladas de urânio-238 nos EUA teriam atingido sua meia-vida. A Terra começaria a aquecer enquanto o Sol se expande. Por pelo menos mais um bilhão de anos, a vida microbiana semelhante à primeira vida na Terra duraria mais do que todas as outras formas de vida.

+5.000.000.000 anos

A Terra queimaria quando o Sol moribundo inchar e engolir os planetas interiores. Esta também é uma das razões apontadas pelos cientistas para procurar uma maneira de viajar para outros planetas e galáxias (embora alguns considerem que ainda temos uma margem de tempo muito boa para tornar essas viagens possíveis).

Para sempre

Agora, isso é bastante impressionante: as impressões de rádio e televisão, por mais fragmentadas que fossem, ainda estariam viajando para fora da Terra. Por isso, se uma civilização alienígena realmente viajar para a direção da Terra, elas poderiam receber essas transmissões e tentar entender como nossa civilização era e por que nós desaparecemos (se houvesse qualquer razão).

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorNa Prática: Qual é o futuro da física experimental?
Próximo artigoVera Rubin, a “mãe da matéria escura”
Ruan Bitencourt Silva
Nativo de Lages, Santa Catarina, eu sou cético, liberal, secularista, humanista, ateísta, roqueiro punk, flamenguista e um fã assíduo da ciência, da música, do esporte, da literatura e da cinematografia. Apaixonado por rock e pelo Universo, sonho em me tornar um guitarrista e astrofísico profissional (e, quem sabe, ser premiado com um Nobel e/ou um Grammy). Sou constantemente inspirado todos os dias por bandas como Nirvana, Legião Urbana e Green Day, por músicos como Kurt Cobain, Renato Russo e Billie Joe Armstrong, e por personalidades históricas como Carl Sagan, Isaac Newton e Albert Einstein. Atualmente ocupo meu tempo compondo músicas, escrevendo textos, lendo, tocando guitarra, e assistindo minhas séries preferidas. Pretendo, nos próximos anos, iniciar um bacharelado no ramo da Física, e após o término deste, construir uma pós-graduação voltada ao ramo da Astronomia. Se por ventura esse plano não der certo, seguirei a carreira como guitarrista e compositor, seja em uma banda completa ou até mesmo em uma carreira solo.