Seres fantásticos e onde habitam: cientistas encontraram uma nova espécie de tardígrado

0
241
Macrobiotus naginae revela suas garras. (Créditos: Vecchi et al., Zoological Studies, 2022)

Traduzido por Julio Batista
Original de Russell McLendon para o ScienceAlert

Tardígrados são animais minúsculos e incrivelmente resistentes que podem suportar uma ampla gama de perigos, incluindo muitos que destruiriam a maioria das outras criaturas conhecidas pela ciência.

Diferentes espécies de tardígrados se adaptaram a habitats específicos em toda a Terra, de montanhas a oceanos e mantos de gelo. Sua resiliência também pode ajudá-los a sobreviver a aventuras extremas além da segurança de seus habitats nativos, o que pode levar a oportunidades de estudo.

Em um par de estudos, pesquisadores revelam um novo exemplo de biodiversidade de tardígrados – uma espécie previamente desconhecida adaptada para dunas de areia – e oferecem novas evidências sugerindo que alguns tardígrados encontram habitats para colonizar montando em caracóis.

Macrobiotus naginae. (Créditos: Vecchi et al., Zoological Studies, 2022)

O tardígrado recém-descoberto vem do Parque Nacional de Rokua, na região de Ostrobótnia do Norte, na Finlândia, onde os pesquisadores o encontraram vivendo em líquen e musgo em uma floresta de dunas.

A paisagem de Rokua foi moldada por geleiras e pelo vento, formando dunas e originando outras formações distintas: eskerskameschaleiras. É também o lar de uma floresta de dunas interior rica em liquens, um habitat ameaçado pela atividade humana.

Liderados por Matteo Vecchi, biólogo da Universidade de Jyvaskyla, uma equipe de cientistas visitou Rokua para coletar musgo, líquen, serrapilheira e raízes de grama da areia.

Eles não apenas encontraram tardígrados, mas também encontraram uma nova espécie. Torna-se apenas o quinto membro conhecido do complexo Macrobiotus pseudohufelandi, um pequeno grupo de tardígrados com adaptações como pernas reduzidas e garras para viver no subsolo.

Os pesquisadores batizaram a espécie de Macrobiotus naginae, uma referência a cobra verde Nagini, personagem dos livros da franquia “Harry Potter”.

“Anteriormente uma mulher amaldiçoada que é irreversivelmente transformada em um animal sem membros, esta personagem fictícia fornece um nome adequado para a nova espécie no complexo pseudohufelandi, que por sua vez é caracterizado por pernas e garras reduzidas”, escreveram eles.

Como muitos animais subterrâneos, esses tardígrados podem ter evoluído membros menores para uma forma mais aerodinâmica para rastejar pelo solo ou areia, observaram os pesquisadores.

E embora todos os tardígrados precisem de água, eles também têm um superpoder para sobreviver a longos períodos de seca, o que pode ser útil em ambientes mais áridos.

Com a anidrobiose, os tardígrados ejetam água de seus corpos para se tornarem uma partícula seca e virtualmente indestrutível chamada de tonel. Nesse estado suspenso, um tardígrado pode sobreviver por anos ou décadas, e então reanimar-se abruptamente na presença de água.

O estado suspenso também pode proteger os tardígrados de uma variedade de outros perigos, incluindo temperatura extrema, alta pressão, privação de oxigênio, bombardeio de raios-Xdisparo de uma armaexposição ao vácuo do espaço.

Essa habilidade pode ajudar os tardígrados a suportar períodos de seca em seus habitats, ou pode ajudá-los a colonizar novos lugares, protegendo-os em território inóspito se o vento os levar embora.

No entanto, em um estudo separado, Vecchi e seus colegas observaram que o estado de tonel não é a única maneira de os tardígrados viajarem para outros lugares. É muito úmido para anidrobiose no intestino de um caracol, por exemplo, mas seu estudo sugere que a ingestão e defecação pelo caracol é, no entanto, um meio de transporte viável, embora não haja evidências de que a nova espécie viaje dessa maneira.

Outras criaturas minúsculas, como nematoides e ácaros oribatídeos, também podem sobreviver à passagem pelo intestino de um caracol, assim como algumas sementes de plantas e esporos de líquen, musgo e samambaias.

Esta pesquisa sugere que o mesmo é verdade para os tardígrados, embora alguns outros estudos tenham mostrado que os caracóis não têm um registro de segurança excepcional para passageiros tardígrados.

Os pesquisadores recuperaram 10 tardígrados das fezes de caracóis selvagens (Arianta arbustorum) em um jardim na Finlândia, cinco dos quais estavam vivos. Eles também alimentaram caracóis com 694 tardígrados em um laboratório, recuperando posteriormente 218 tardígrados vivos das fezes dos caracóis.

Eles encontraram 78 tardígrados mortos nas fezes e relataram que os outros 398 “devem ter sido digeridos e destruídos pelo sistema digestivo do caracol”.

Ainda assim, 31 por cento não é zero, e os tardígrados que sobreviveram também se reproduziram com sucesso no laboratório.

Os caracóis transportaram os tardígrados durante vários dias, com a maior parte dos sobreviventes emergindo no segundo dia, segundo o estudo. E enquanto os caracóis não são conhecidos por sua velocidade, eles podem viajar mais rápido que os tardígrados em virtude de seu tamanho.

De acordo com estudos anteriores, em média, esses caracóis se movem de 0,18 a 0,58 metros diários, com um máximo de cerca de 5 metros por dia.

Os pesquisadores observam que uma passagem de dois dias pelo intestino de um caracol pode ajudar os tardígrados a viajar até 10 metros por viagem, uma distância considerável para animais menores que 1 milímetro.

Os tardígrados não escolhem para onde os caracóis os levam e podem, de fato, ser passageiros relutantes. Mas esses caracóis preferem habitats úmidos e musgosos – assim como os tardígrados – então qualquer passageiro sobrevivente tem uma chance decente de acabar em algum lugar hospitaleiro.

A pesquisa foi publicada na Zoological Studies Ecology.