Sinais no solo marciano apontam para condições habitáveis ​​para a vida por um longo período

0
57
Como a água em Marte pode ter parecido. (Créditos: Instituto de Ciências Planetárias)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

Há vida em Marte? Já houve? É uma das maiores dúvidas que temos sobre nosso vizinho planetário; agora, a pesquisa aponta para uma parte específica do planeta vermelho que poderia ter abrigado vida várias vezes ao longo de bilhões de anos.

Através de um estudo aprofundado de imagens capturadas pelo Mars Reconnaissance Orbiter, cientistas planetários identificaram sedimentos argilosos ao norte dos Vales de Ladon, no sul da bacia de Ladon e nas terras altas do sudoeste ao redor da bacia de Ladon – todos parte da área de Margaritifer Terra extensamente craterada.

A argila aponta para a presença de água a longo prazo, pois se forma sob condições de pH neutro com evaporação mínima de água. A equipe acha que a água fluiu por lá de cerca de 3,8 bilhões de anos atrás até cerca de 2,5 bilhões de anos atrás, um grande trecho da história marciana.

“Além disso, sedimentos coloridos em camadas de tons claros que exibem submersão de estratificação relativamente baixas e contêm argilas em 200 quilômetros de distância são evidências de que um lago provavelmente estava presente na bacia de Ladon e no norte dos Vales de Ladon”, disse Catherine Weitz, um cientista sênior do Instituto de Ciências Planetárias no Arizona.

“A configuração do lago de baixa energia e a presença de argilas sustentam um ambiente que seria favorável à vida naquela época.”

Embora não seja exatamente uma prova de vida – precisaríamos cavar em Marte em busca de fósseis para realmente confirmar isso – sugere condições que podem ter sustentado a vida. É a mais recente pesquisa a interpretar as condições de Marte pelo que podemos ver de sua superfície e sedimentos.

Os pesquisadores pensam que as argilas se formaram originalmente em torno do terreno mais alto acima da bacia de Ladon, antes de serem erodidas por canais de água e transportadas a jusante para um lago na bacia de Ladon e no norte dos Vales de Ladon.

De acordo com a equipe, o fluxo de água mais recente teria ocorrido ao longo da bacia do sudoeste de Ladon. Os depósitos aqui correspondem a outra parte de Marte, o delta de Eberswalde, ao sul da região coberta por este estudo.

“Nossos resultados indicam que os sedimentos argilosos depositados pela água corrente em Eberswalde não eram incomuns durante esse período mais recente porque vemos muitos exemplos de vales jovens semelhantes que depositaram argilas na região”, disse Weitz.

Sabemos que há gelo em Marte, mas a busca por água líquida continua. Este último estudo apoia a ideia de que a água corrente já foi uma parte extensa da paisagem marciana – e pode ter trazido vida com ela.

Quão transitória ou não a presença de água tem sido em Marte é crucial para descobrir se a vida poderia ou não ter sido sustentada em algum momento. A distribuição de argilas e outras rochas detectadas pelos pesquisadores é consistente com a presença de água.

Além disso, as argilas são fontes de nutrientes e estabilizantes para o ambiente ao seu redor. Junte água, nutrientes e condições estáveis ​​e as chances dos organismos sobreviverem aumentam significativamente.

“As condições habitáveis ​​podem ter ocorrido repetidamente na região, pelo menos periodicamente, até relativamente tarde na história de Marte”, escrevem os pesquisadores em seu paper publicado.

A pesquisa foi publicada em Icarus.