Sorria e acene: alguns exoplanetas também podem nos ver

0
75

Por Blaine Friedlander
Publicado na Cornell University

Três décadas depois que o astrônomo da Universidade Cornell (EUA) Carl Sagan sugeriu que a Voyager 1 tirasse uma foto da Terra a bilhões de quilômetros de distância – resultando na icônica fotografia do Pálido Ponto Azul – dois astrônomos agora oferecem outra perspectiva cósmica única: alguns exoplanetas – planetas que estão além do nosso Sistema Solar – têm uma linha de visão direta para observar as qualidades biológicas da Terra de muito longe.

Lisa Kaltenegger, professora associada de astronomia na Faculdade de Artes e Ciências e diretora do Instituto Carl Sagan da Universidade Cornell, e Joshua Pepper, professor associado de física da Universidade Lehigh (EUA), identificaram 1.004 estrelas na sequência principal (semelhantes ao nosso Sol) que podem conter planetas semelhantes à Terra em suas próprias zonas habitáveis ​​- todos dentro de cerca de 300 anos-luz da Terra – e que devem ser capazes de detectar vestígios químicos de vida na Terra.

O paper foi publicado em 21 de outubro no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

“Vamos reverter o ponto de vista para o de outras estrelas e perguntar de que ponto de vista outros observadores poderiam encontrar a Terra como um planeta em trânsito”, disse Kaltenegger. Um planeta em trânsito é aquele que passa pela linha de visão do observador através de uma estrela, como o Sol, revelando pistas sobre a composição da atmosfera do planeta.

“Se os observadores [extraterrestres] estivessem procurando, eles seriam capazes de ver sinais de uma biosfera na atmosfera de nosso Pálido Ponto Azul”, disse ela. “E podemos até ver algumas das estrelas mais brilhantes em nosso céu noturno sem binóculos ou telescópios”.

As observações de trânsito planetário são uma ferramenta crucial para os astrônomos da Terra caracterizarem planetas extrassolares habitáveis. Os astrônomos começarão a usar com o lançamento do telescópio espacial James Webb da NASA no próximo ano, segundo Kaltenegger.

Mas quais sistemas estelares podem nos encontrar? A chave para isso é a eclíptica da Terra – o plano da órbita da Terra em torno do Sol. A eclíptica é onde os exoplanetas com vista para a Terra estariam localizados, já que eles serão os lugares capazes de ver a Terra cruzando seu próprio Sol – fornecendo efetivamente aos observadores uma maneira de descobrir a vibrante biosfera do nosso planeta.

Pepper e Kaltenegger criaram a lista das mil estrelas mais próximas usando o catálogo de estrelas do Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA.

“Apenas uma fração muito pequena dos exoplanetas estará alinhada aleatoriamente com nossa linha de visão para que possamos vê-los em trânsito”, disse Pepper. “Mas todas as mil estrelas que identificamos em nosso artigo na vizinhança solar puderam ver nossa Terra transitar pelo Sol, colocando-a em evidência”.

“Se encontrarmos um planeta com uma biosfera vibrante, ficaríamos curiosos para saber se alguém está ou não olhando para nós também”, disse Kaltenegger.

“Se estamos procurando por vida inteligente no Universo, ela pode nos encontrar e pode querer entrar em contato”, disse ela, “acabamos de criar o mapa estelar de onde devemos olhar primeiro”.