Suplemento de musculação promove envelhecimento saudável e estende a vida, pelo menos em camundongos

0
426
Camundongos fêmeas que comeram alfa-cetoglutarato (à esquerda) ao lado de camundongos do grupo de controle. Crédito: A. A. Shahmirzadi.

Por Jocelyn Kaiser
Publicado na Science

Um suplemento dietético que os fisiculturistas usam para aumentar o volume dos músculos pode ter um benefício mais abrangente para a saúde: protelar os estragos da velhice. Os camundongos que receberam a substância – alfa-cetoglutarato (AKG) – eram mais saudáveis ​​à medida que envelheciam, e as fêmeas viviam mais do que os camundongos que não tomavam suplemento.

Outros compostos, como a droga antienvelhecimento rapamicina e a droga para o tratamento de diabetes metformina, mostraram efeitos semelhantes em experimentos com camundongos. Mas o AKG é feito naturalmente pelo organismo dos camundongos e pelo nosso próprio corpo, e já é considerado seguro para consumo pelas agências reguladoras.

“A grande vantagem disso é que seu perfil de segurança é muito bom”, diz a pesquisadora sobre o envelhecimento da Universidade de Dakota do Norte (EUA), Holly Brown-Borg, que não esteve envolvida no estudo. “Tem potencial e deve ser mais explorado, com certeza”.

O AKG faz parte do ciclo metabólico que nossas células usam para produzir energia a partir dos alimentos. Além de seu uso por fisiculturistas, os médicos às vezes tratam a osteoporose e as doenças renais com o suplemento.

A molécula chamou a atenção como um possível tratamento anti-envelhecimento em 2014, quando os pesquisadores relataram que o AKG poderia estender a vida útil em mais de 50% em minúsculos vermes Caenorhabditis elegans. Isso é parecido com uma dieta de baixa caloria, que tem demonstrado promover um envelhecimento saudável, mas é difícil para a maioria das pessoas seguir. Outros grupos mais tarde mostraram avanços na expectativa de vida com o AKG em moscas-de-frutas.

No novo estudo, Gordon Lithgow e Brian Kennedy, do Buck Institute for Research on Aging (em português: Instituto Buck de Pesquisa sobre Envelhecimento), e seus colegas se voltaram para os mamíferos. Eles deram a grupos de camundongos de 18 meses (equivalente a cerca de 55 anos em humanos) o equivalente a 2% de sua ração diária como AKG até eles morrerem, ou por até 21 meses. Os níveis de AKG no sangue caem gradualmente com a idade, e o objetivo dos cientistas era restaurar os níveis observados em animais jovens.

Algumas diferenças surgiram dentro de alguns meses: “Eles pareciam muito mais escuros, brilhantes e mais jovens” do que os camundongos do estudo de controle, diz Azar Asadi Shahmirzadi, um pós-doutor no Buck Institute que fez os experimentos como estudante de graduação. Além disso, os camundongos alimentados com AKG pontuaram melhores em uma média de mais de 40% em testes de “fragilidade”, conforme medido por 31 atributos fisiológicos, incluindo cor de cabelo, audição, marcha e força de preensão. E os camundongos fêmeas viveram em média 8% a 20% mais tempo após o início do tratamento com AKG do que os camundongos do estudo controle, relata o grupo na terça na Cell Metabolism.

Os camundongos que se alimentaram com AKG não tiveram melhor desempenho em testes de função cardíaca ou resistência na esteira, no entanto, e os testes não incluíram desempenho cognitivo.

Sondando o mecanismo para esses avanços, os pesquisadores descobriram que os camundongos fêmeas que receberam AKG produziram níveis mais elevados de uma molécula que reduz a inflamação. A inflamação crônica pode estimular muitas doenças relacionadas ao envelhecimento, como câncer, doenças cardíacas, artrite e demência.

Os efeitos sobre a longevidade e a saúde foram menores para o AKG do que para alguns outros compostos anti-envelhecimento, observa o pesquisador sobre o envelhecimento Matt Kaeberlein, da Universidade de Washington, Seattle (EUA), que não esteve envolvido no trabalho. Mas alguns desses compostos têm problemas de segurança – por exemplo, a rapamicina suprime o sistema imunológico e pode promover diabetes.

Kennedy, agora também pesquisando pela Universidade Nacional de Singapura, planeja testar o AKG em voluntários humanos em breve. Olhando para um grupo de pessoas com idades entre 45 e 65 anos, seu grupo verá se a molécula melhora os biomarcadores relacionados ao envelhecimento, como inflamação, fortalecimento arterial e um tipo de assinatura química no DNA associada ao envelhecimento. A empresa Ponce de Leon Health, da qual Kennedy atua como diretor científico (e Gordon e outros autores de artigos têm ações), está realizando um estudo semelhante na Universidade de Indiana, EUA.

A Ponce de Leon Health já vende uma formulação de AKG chamada Rejuvant, que afirma “retardar o processo de envelhecimento”. Kennedy defende essas afirmações. “Somos honestos quanto aos dados que temos e os que ainda não temos no site”, diz ele. E Brown-Borg observa que a equipe do Buck Institute não é o primeiro grupo de pesquisadores focados no envelhecimento a abrir uma empresa para desenvolver um tratamento antienvelhecimento, uma ideia que ela espera que venha a resultar em testes clínicos. “É um momento emocionante no campo”, diz ela.