Surpresa: cientistas descobrem que as apanha-moscas geram pequenos campos magnéticos

0
241
(Créditos: Marco Klug/500px Prime/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

A apanha-moscas ou dioneia (Dionaea muscipula) já é uma planta fascinante, mas os cientistas descobriram algo mais surpreendente sobre ela: ela gera campos magnéticos mensuráveis ​​à medida que suas folhas se fecham.

Muito além da D. muscipula, pesquisas mais recentes podem nos ensinar muito sobre como a vida vegetal usa a sinalização dos campos magnéticos para se comunicar e como um indicador de doenças (algo que também vemos em seres humanos e outros animais).

É bem sabido que as plantas usam sinais elétricos como uma espécie de sistema nervoso, mas capturar o biomagnetismo tem sido complicado.

Um estudo de 2011 tentou detectar um campo magnético em torno de uma flor-cadáver (Amorphophallus titanium) – aquela planta grande e muito fedorenta – usando magnetômetros atômicos que são capazes de detectar as menores oscilações.

Esse estudo revelou que a planta não gerou nenhum campo magnético maior que um milionésimo da força do campo magnético que nos rodeia na Terra, resultando no experimento sendo considerado um fracasso.

Os pesquisadores envolvidos no estudo de 2011 disseram que seus próximos passos seria se concentrar em uma planta menor.

Para o novo estudo, um grupo diferente de pesquisadores de fato trabalhou com plantas menores.

“Fomos capazes de demonstrar que os potenciais de ação em um sistema de planta multicelular produzem campos magnéticos mensuráveis, algo que nunca havia sido confirmado antes”, disse a física Anne Fabricant, da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz (JGU), na Alemanha.

Apanha-moscas sob observação. (Créditos: Anne Fabricant)

Esses “potenciais de ação” são rajadas rápidas de atividade elétrica, e a apanha-moscas pode ter vários gatilhos: se a planta for tocada, ferida, afetada pelo calor ou pelo frio, ou afogada com líquido, os potenciais de ação podem ser acionados.

Aqui, os pesquisadores usaram estimulação térmica para ativar a atividade elétrica e um magnetômetro de célula de vidro para medir distúrbios magnéticos. Essa abordagem não apenas manteve o ruído de fundo no mínimo, mas tinha vantagens sobre outras técnicas, pois podia ser miniaturizado e não exigia resfriamento criogênico.

Os sinais magnéticos medidos atingiram uma amplitude de 0,5 picotesla, comparável aos impulsos nervosos disparados em humanos e milhões de vezes mais fracos que o campo magnético da Terra – uma pequena ondulação, mas detectável.

“Você poderia dizer que a investigação é um pouco parecido com realizar uma ressonância magnética em humanos”, disse Fabricant. “O problema é que os sinais magnéticos nas plantas são muito fracos, o que explica o porquê era extremamente difícil medi-los com a ajuda de tecnologias mais antigas.”

Além da ressonância magnética, outras técnicas, como eletroencefalografia (EEG) e magnetoencefalografia (MEG), são usadas para medir campos magnéticos em humanos, potencialmente identificando problemas sem quaisquer procedimentos invasivos.

Com a ajuda desta pesquisa atual, o mesmo tipo de varredura pode agora ser possível também com as plantas: as lavouras podem ser examinadas para detectar mudanças de temperatura, mudanças químicas ou pragas sem ter que danificar as próprias plantas, por exemplo.

E podemos adicionar as descobertas ao nosso conhecimento crescente sobre como as plantas enviam sinais tanto interna quanto externamente, comunicando-se por meio de uma rede oculta que os cientistas estão apenas começando a explorar adequadamente.

“Além da prova de conceito, nossas descobertas abrem caminho para a compreensão da base molecular do biomagnetismo em plantas vivas”, escrevem os pesquisadores em seu paper publicado.

“No futuro, a magnetometria pode ser usada para estudar a sinalização elétrica de longa distância em uma variedade de espécies de plantas e para desenvolver diagnósticos não invasivos de estresse e doenças nas plantas.”

A pesquisa foi publicada em Scientific Reports.