Tartaruga gigante que pensávamos estar extinta por mais de 100 anos é encontrada em Galápagos

0
335
Crédito: Galapagos Conservancy.

Por Yasemin Saplakoglu
Publicado na Live Science

Uma tartaruga gigante nas Ilhas Galápagos, que se pensava ter sido extinta há mais de um século, acabou de sair do esconderijo.

Os pesquisadores descobriram a tartaruga fêmea na Ilha Fernandina, em Galápagos, durante uma expedição conjunta realizada pelo Diretório do Parque Nacional de Galápagos e pela Galápagos Conservancy em 2019, de acordo com um comunicado.

Eles a chamaram de “Fernanda”.

Na época, a equipe “estava confiante” de que a tartaruga solitária era uma tartaruga-gigante-de-Fernandina (Chelonoidis phantasticus) “perdida”, espécie nativa da ilha que estava extinta há 112 anos devido às erupções do Vulcão Fernandina, segundo a declaração. Mas, para confirmar, eles enviaram amostras de sangue para geneticistas da Universidade de Yale (EUA).

A equipe de Yale comparou os genes dessa tartaruga com os da única outra tartaruga que os cientistas encontraram na Ilha Fernandina, um C. phantasticus macho descoberto em 1906. A equipe de Yale confirmou que os dois eram intimamente relacionados e que Fernanda era de fato a mesma espécie.

“Um dos maiores mistérios em Galápagos foi a tartaruga-gigante da Ilha Fernandina. A redescoberta dessa espécie perdida pode ter ocorrido na hora certa de salvá-la”, disse James Gibbs, vice-presidente de Ciência e Conservação da Galápagos Conservancy e especialista em tartarugas da Universidade Estadual de Nova York (EUA), no comunicado.

“Agora precisamos urgentemente completar a busca na ilha para encontrar outras tartarugas”.

Os pesquisadores esperam evitar o que aconteceu com o famoso Lonesome George (“George Solitário”, em português), uma tartaruga que foi a última de outra espécie chamada tartaruga-das-galápagos-de-Pinta (C. abingdoni).

Ele morreu em junho de 2012, com cerca de 100 anos de idade, trazendo o fim de sua espécie apesar dos esforços de reprodução, relatou a Live Science anteriormente.

“Queremos desesperadamente evitar o destino de Lonesome George”, disse Danny Rueda Córdova, diretor do Diretório do Parque Nacional de Galápagos, em um comunicado.

“Minha equipe do Parque e do Galápagos Conservancy está planejando uma série de grandes expedições para retornar à Ilha Fernandina para procurar outras tartarugas a partir de setembro”.

Cientistas descobriram vestígios de pelo menos duas outras tartarugas que podem ser da espécie de Fernanda no Vulcão Fernandina durante a expedição.

Se encontrarem uma tartaruga gigante macho da mesma espécie, a equipe tentará uni-la a Fernanda no Centro de Criação de Tartarugas Gigantes do Parque Nacional de Galápagos, em Santa Cruz, e estimular sua criação; se tivessem sucesso, os conservacionistas criariam os filhos em cativeiro e os trariam de volta para Fernandina.

O número de tartarugas gigantes nas Ilhas Galápagos diminuiu significativamente no século 19 devido à exploração por baleeiros e bucaneiros, de acordo com um comunicado.

Agora, estima-se que a população de tartarugas gigantes em Galápagos seja de apenas 200.000 a 300.000 indivíduos, cerca de 10 a 15 por cento do que eram historicamente.