Temos ainda mais evidências de que os blocos de construção da vida vieram do espaço para a Terra

0
93
Créditos: Vadim Sadovski / Shutterstock.

Por Conor Feehly
Publicado na ScienceAlert

Ainda não sabemos exatamente como surgiu a primeira vida na Terra. Uma sugestão é que os blocos de construção chegaram aqui do espaço; agora, um novo estudo de vários meteoritos ricos em carbono acrescentou peso a essa ideia.

Usando novas técnicas de análise extremamente sensíveis para esses meteoritos, uma equipe liderada por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão, detectou compostos orgânicos que formam a espinha dorsal das moléculas de ácido nucleico comuns a toda a vida como a conhecemos – DNA e RNA.

Os pesquisadores analisaram três meteoritos ricos em carbono: o meteorito Murchison, que caiu na Austrália em 1969, o meteorito Murray, que caiu no Kentucky, EUA, em 1950, e o meteorito do Lago Tagish, que caiu na Terra em 2000, aterrissando na Colúmbia Britânica, Canadá.

Embora os meteoritos tenham impactado nosso planeta recentemente, eles são rochas espaciais realmente antigas, que provavelmente já existiam nos estágios iniciais do Sistema Solar ou mesmo antes.

Meteoritos ricos em carbono são um tesouro de compostos orgânicos. Quando se trata do surgimento de moléculas de DNA e RNA na Terra, os compostos nos quais estamos especialmente interessados ​​são as nucleobases – os pedaços que se empilham para formar as longas cadeias de informação genética.

Existem duas classes principais de nucleobases: pirimidinas e purinas. Graças à incrível sensibilidade de suas técnicas de análise, os autores do novo estudo detectaram várias pirimidinas em suas amostras de meteoritos que haviam escapado da detecção anteriormente.

“Nós detectamos uma grande variedade de nucleobases de pirimidina e seus isômeros estruturais de ambos os extratos do meteorito Murchison, a maioria dos quais não havia sido detectado anteriormente em meteoritos”, escreve a equipe em seu estudo.

Créditos: Chromatos / Getty Images.

Experimentos que simularam o conteúdo de materiais espaciais sugeriram a presença de várias nucleobases ‘lá de fora’, “sugerindo que essas classes de compostos orgânicos estão ubiquamente presentes em ambientes extraterrestres dentro e fora do Sistema Solar”, escreveu a equipe.

Por que esses compostos são tão importantes? As fitas de DNA e RNA têm uma “espinha dorsal” estrutural que é composta por uma cadeia de fosfato de açúcar. As nucleobases se ligam a esses açúcares; no DNA, elas formam pares de maneiras específicas, formando os “degraus” na escada em forma de hélice.

Crédito: Wikimedia Commons.

As nucleobases de purina e pirimidina sempre se ligam no DNA devido à sua estrutura e aos tipos de ligações de hidrogênio que podem formar. Isso significa que a proporção de nucleobases de purina e pirimidina é sempre constante dentro da molécula de DNA.

Essas nucleobases teriam surgido por meio de reações fotoquímicas entre os vários materiais que circulavam no espaço, mesmo antes da formação do Sistema Solar.

Os autores sugerem que durante o período de intenso bombardeio tardio da Terra primitiva, cerca de 4 a 3,8 bilhões de anos atrás, uma gama diversificada desses blocos de construção poderia ter sido entregue ao nosso planeta por meio de impactos de meteoritos.

“Portanto, considera-se que o influxo de tais orgânicos desempenhou um papel importante na evolução química do estágio primordial da Terra”, escreveram eles.

Obteremos mais informações sobre essa ideia à medida que missões de amostra aos asteroides RyuguBennu nos fornecerem mais material extraterrestre para estudar.

As amostras não contaminadas permitirão aos pesquisadores estabelecer ainda mais se essas moléculas podem ter sido trazidas para cá por meteoritos. Mal podemos esperar.

A pesquisa foi publicada na Nature Communications.