‘Teoria da ferradura’ é um absurdo – a extrema direita e a extrema esquerda têm pouco em comum

0
136
Che Guevara, Luís Carlos Prestes, Jair Bolsonaro e Augusto Pinochet. Crédito: Julio Batista.

Por Simon Choat
Publicado no The Conversation

Após o primeiro turno das eleições presidenciais francesas, vários comentaristas liberais condenaram o candidato esquerdista derrotado Jean-Luc Mélenchon por se recusar a apoiar o centrista Emmanuel Macron. Sua decisão foi retratada como uma falha em se opor ao Front National, de extrema-direita, e foi argumentado que muitos de seus apoiadores provavelmente votariam em Marine Le Pen no segundo turno. As comparações foram feitas com as eleições presidenciais dos EUA e o suposto fracasso dos partidários de Bernie Sanders em apoiar Hilary Clinton em vez de Donald Trump.

Subjacente a essas afirmações está uma noção mais ampla e cada vez mais popular de que a extrema-esquerda e a extrema-direita têm mais em comum do que qualquer um gostaria de admitir. Isso é conhecido como “teoria da ferradura”, assim chamada porque em vez de imaginar o espectro político como uma linha reta do comunismo ao fascismo, ela retrata o espectro como uma ferradura em que a extrema esquerda e a extrema direita têm mais em comum do que com o centro político. A teoria também está subjacente a muitos dos ataques ao líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, que é acusado de se aproximar de regimes autoritários e teocráticos e de promover o antissemitismo dentro de seu partido.

Crédito: Twitter.

Tomadas uma a uma, essas afirmações não resistem a um exame minucioso. Mélenchon deu apoio a Le Pen? Não: ele explicitamente descartou apoiar Le Pen, e a maioria de seus partidários votou em Macron no segundo turno. Existem antissemitas no Partido Trabalhista? Sim: mas existem antissemitas em todos os partidos políticos britânicos; a diferença é que incidentes sucessivos de racismo em outros partidos passam despercebidos (assim como o histórico de longa data de Corbyn de ativismo antirracista).

Os fãs da teoria da ferradura gostam de dar peso e credibilidade às suas opiniões apontando para a alegada história de conluio entre fascistas e comunistas: o exemplo favorito é o Pacto Nazi-Soviético. Mas – além do fato de que a União Soviética desempenhou um papel vital na derrota dos nazistas – é patentemente absurdo comparar Stalin aos esquerdistas de hoje como Mélenchon ou Corbyn.

Em vez disso, podemos encontrar convergência entre extrema-esquerda e extrema-direita no nível da política? É verdade que ambos atacam a globalização neoliberal e suas elites. Mas não há acordo entre a extrema-esquerda e a extrema-direita sobre quem é considerado a “elite”, por que essas elites são um problema e como responder a elas. Quando o bilionário magnata do mercado imobiliário Donald Trump condena as elites globais, por exemplo, ele está simplesmente dando ao público o que ele acha que eles querem ouvir ou simplesmente está se entregando ao dog whistle antissemita.

Para a esquerda, o problema da globalização é que ela deu rédea solta ao capital e consolidou a desigualdade econômica e política. A solução é, portanto, colocar restrições ao capital e/ou permitir que as pessoas tenham a mesma liberdade de movimento que atualmente é concedida a capitais, bens e serviços. Eles querem uma globalização alternativa. Para a direita, o problema da globalização é que ela corroeu comunidades culturais e étnicas supostamente tradicionais e homogêneas – sua solução é, portanto, reverter a globalização, protegendo o capital nacional e colocando mais restrições à circulação de pessoas.

Trump e Sanders atacam a globalização – por razões diferentes. Crédito: Michael Vadon.

Existe uma ressonância ideológica mais fundamental entre a extrema-esquerda e a extrema-direita? Novamente, apenas no sentido mais vago, ambos desafiam o status quo liberal-democrático. Mas eles o fazem por razões muito diferentes e com objetivos muito diferentes. Quando os fascistas rejeitam o individualismo liberal, é em nome de uma visão de unidade nacional e pureza étnica enraizada em um passado romantizado; quando comunistas e socialistas fazem o mesmo, é em nome da solidariedade internacional e da redistribuição da riqueza.

Dada a implausibilidade básica da teoria da ferradura, por que tantos comentaristas centristas insistem em perpetuá-la? A resposta provável é que isso permite que os que estão no centro desacreditem a esquerda, enquanto rejeitam sua própria cumplicidade com a extrema-direita. Historicamente, foram os liberais “centristas” – na Espanha, no Chile, no Brasil e em muitos outros países – que ajudaram a extrema-direita a chegar e se manter no poder, geralmente porque preferiam um fascista no poder do que um socialista.

Os fascistas de hoje também foram facilitados por centristas – e não apenas, por exemplo, aqueles de centro-direita que defenderam explicitamente Le Pen. Quando os centristas imitam a islamofobia e a crítica aos imigrantes da extrema-direita, muitas pessoas começam a pensar que o fascismo é legítimo; quando seguem políticas que exacerbam a desigualdade econômicaatacam a democracia, muitos começam a pensar que o fascismo parece desejável.

Se os liberais realmente desejam compreender e confrontar a ascensão da extrema-direita, então, em vez de difamar a esquerda, talvez devam refletir sobre seus próprios defeitos.